Paulo Sousa assume culpa após derrota: "Minha parcela é maior"
Foto: Marcelo Cortes / Flamengo

Diante de um Fluminense obediente taticamente postado com duas linhas em frente à sua área, a história dos últimos jogos se repetiu. Flamengo ataca, empurra o adversário que não consegue sair para o jogo, cria chances faz o goleiro tricolor trabalhar e no final do jogo em dois contra-ataques o Flu chega a sua quarta vitória seguida no clássico.

Flamengo teve 56% de posse de bola, com um total de 14 chutes para o gol, 10 escanteios, três grandes chances de gol, que não foram novamente suficientes para sair com a vitória diante de um Fluminense que soube sofrer e segurar a intensidade do ataque rubro-negro.

O time do Flamengo veio a campo com uma escalação bem ofensiva no papel: Hugo Sousa, Fabricio Bruno, David Luiz, Felipe Luis, Willian Arão, Matheuzinho, João Gomes, Everton Ribeiro, Vitinho, Gabigol e Marinho.

Em sua entrevista coletiva o treinador Paulo Sousa fez questão de reconhecer sua parcela de culpa

“Minha parcela é maior do que a de todos os nossos jogadores. Claro que não sou eu que estou em campo a tomar decisões a nível de controle, de passe e de drible, de cruzamentos e em decisões com bola ou sem bola. Com certeza sou eu quem tomo as decisões de quem vai jogar e das substituições. Faria as mesmas decisões por aquilo que vi nos 10 dias. Hoje, durante o jogo, eu provavelmente teria decidido uma forma inicial diferente daquela com a qual iniciamos, mas repito: penso que o nosso adversário quase nunca cometeu algum erro individual."

"Temos que investir na qualidade e na clareza dos nossos jogadores. Temos de dar confiança para ultrapassarmos essa grande dificuldade.”

Análise do treinador sobre a partida

“Hoje, sem dúvida, estivemos todos muito mal individualmente, tecnicamente, taticamente. E eu sou o primeiro a me colocar à frente do grupo. As coisas não funcionaram. Acho que o nosso adversário estava bem melhor naquilo que é o contexto tático. O meu colega Abel (Braga) criou para este mesmo jogo. Tecnicamente tentamos acelerar demais o jogo com muito poucas situações, sobretudo no passe de pouca qualidade. Onde nós temos muita qualidade.”

“Estávamos muito distantes entre as linhas, mesmo nas acelerações. O jogo permitiu em alguns momentos não estarmos frescos o suficiente para desprendemos mais energia na pressão e dar um pouco mais de tempo ao nosso adversário para ter um pouco mais a bola , que não foi muito. Depois, o jogo teve muito a ver, infelizmente, com decisões técnicas que foram completamente desfavoráveis. Não foi aquilo que permitimos ao nosso adversário para criar. Sem dúvida, as transições que tiveram, os contra-ataques vieram de muito de infelicidades individuais dos nossos jogadores. Mas o fato é que não tivemos tão bem como a equipe tem de qualidade e bola. Repito, tivemos decisões errôneas individuais e coletivas.”

Ao ser questionado como furar a retranca e a vantagem do Fluminense para o segundo jogo Paulo Sousa ressaltou alguns fatores:

"Nós vamos reverter a situação, não tenho dúvida, sobretudo no nível do jogo que apresentamos", falou, completando sobre o que é necessário, na prática, para ser tetracampeão estadual neste fim de semana.

"Primeiro, precisa fazer três gols, temos capacidade para fazer. Temos capacidade tática para superar nosso adversário, mesmo um adversário que tem vantagem de dois gols. Vai continuar fechado e procurando decisões erradas do Flamengo a nível individual. Mas temos confianças nos processos, no elenco e nos nossos jogadores para podermos superar esse caminho difícil e sermos tetra."

Está faltando química ao elenco:

"Primeiro dar confiança e ser consistente nos processos. Não é pelos maus resultados que temos de mudar tudo. Para ter química precisamos ser consistentes naquilo que fazemos. Precisamos manter para termos mais convicções individuais e coletivas para atingirmos o auge da qualidade do elenco e dos sistemas."

Flamengo volta a campo sábado dia 02/04 às 18h horário de Brasília para a decisão do campeonato carioca 2022.

VAVEL Logo