Avaí leva a melhor sobre líder Vasco e começa a sonhar com recuperação na Série B

Leão vence segunda seguida e encosta no pelotão do meio da tabela; Cruzmaltino sofre segunda derrota consecutiva e vê Atlético-GO se aproximar na briga pelo título

Avaí leva a melhor sobre líder Vasco e começa a sonhar com recuperação na Série B
Time de Floripa chegou a quatro jogos sem derrota (Foto: Jamira Furlani/Avaí FC)
Avaí
2 1
Vasco da Gama
Avaí: Renan; Alemão, Andre Santos, Gabriel, Capa; Judson (João Filipe), Jajá, Renato, Diego Jardel (Lucas Fernandes); William, Romulo (Célio Santos); TEC: Silas.
Vasco da Gama: Martín Silva; Madson (Yago Pikachu), Aislan, Rodrigo, Julio Cesar; Marcelo Mattos, Julio dos Santos (Caio Monteiro), Andrezinho, Nenê; Eder Luis (Evander), Leandrão; TEC: Jorginho.
Placar: 1-0, Renato, min. 4/2T; 2-0, Romulo, min. 19/2t; 2-1, Caio Monteiro, min. 40/2t
ÁRBITRO: Elmo Alves Resende Cunha; Cartões Amarelos: Judson, Romulo (AVA); Martín Silva, Julio Cesar, Marcelo Mattos, Andrezinho, Leandrão (VAS).
INCIDENCIAS: Partida válida pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro Série B, realizada na tarde deste sábado (2), às 16h30 (de Brasília), no Estádio da Ressacada, em Florianópolis, Santa Catarina.

O Vasco perdeu a segunda seguida no Brasileiro da Série B. Desta vez, fora de casa, a equipe de Jorginho foi derrotada pelo Avaí, que jogou melhor nas duas etapas, sabendo manter o equilíbrio, mesmo nos momentos de maior perigo do Cruzmaltino, na segunda metade da etapa final, quando a partida se tornou um verdadeiro “ataque contra defesa”.

Os comandados por Silas ainda tiveram uma penalidade máxima, defendida pelo goleiro vascaíno Martín Silva. No lado carioca, o momento de pressão se resumiu ao fim da partida, quando a equipe descontou o marcador para 2 a 1, e reclamou dois pênaltis por jogadas interpretativas, de mão na bola. A arbitragem considerou ambas normais, inclusive punindo atletas vascaínos por reclamação.

Com o resultado, a equipe catarinense pulou para 18 pontos ganhos, superando Paysandu e Vila Nova, e ocupando a 13ª colocação no momento. Desta forma, os comandados de Silas começam agora a olhar para a parte de cima da classificação, já que oitavo colocado, Náutico, soma 21 pontos, três a mais que os bicolores.

Para o Vasco, a situação que era muito confortável, não é mais, já que com as duas derrotas consecutivas, a vantagem conquistada no início da competição, quando a equipe ainda era detentora da maior invencibilidade da temporada, caiu por terra. Com o triunfo do Dragão por 3 a 0, diante do Náutico, e a derrota do Gigante da Colina para o Avaí, a liderança agora se encontra dividida, com apenas uma vitória garantindo a vantagem ao Vasco da Gama.

A próxima rodada será dilatada, com partidas acontecendo na terça-feira (5), sexta (8), e sábado (9). Na terça, o Avaí viaja para Curitiba, onde pega a equipe do Paraná Clube, no Estádio Durival de Britto, às 19h15. Já o Vasco, terá toda a semana para se preparar para o confronto diante do Brasil de Pelotas, em São Januário, no sábado, às 18h30.

Primeiro tempo morno, com poucas chances o insistente zero no placar

As duas equipes vieram à campo com o intuito de vencer. O Avaí, para manter a invencibilidade, de três partidas, se exibindo diante do líder, para a sua torcida. O Vasco, para se distanciar do Atlético-GO na luta pelo título, já que com vitória na Ressacada, e derrota do Dragão para o Náutico, a equipe de São Januário poderia terminar a rodada com seis pontos de vantagem. Porém, nenhum dos dois resultados estavam para acontecer, já que exato momento do apito inicial na Ressacada, o Atlético abria o placar no Serra Dourada.

A falta de inspiração das duas equipes na primeira metade de jogo chamou a atenção. Pouquíssimos arremates, e nenhum deles com direção fatal, mantendo os goleiros Renan, do Avaí, e Martín Silva, do Vasco, como meros espectadores de luxo. No meio, o “perde-ganha” era constante, ora com erros ofensivos, ora com méritos defensivos.

O apesar do quase gol do Avaí, por volta de 10 minutos de jogo, após falta não marcada em Martín Silva, que resultou em cartão para o arqueiro após reclamação, que desfalcará a equipe contra o Brasil, por suspensão, a equipe da casa pouco ameaçava. No Vasco, Nenê era o cara, mas com a marcação “homem a homem” proposta pelo volante Judson, o craque vascaíno pouco conseguia produzir, chegando com perigo por apenas duas vezes, com chutes rentes à trave de Renan, demonstrando o acerto na marcação por ambas as partes, mantendo o persistente zero no marcador até o fim da primeira etapa.

Segundo tempo começa com Avaí arrasador; Vasco equilibra no fim e quase empata

A luta, sem sucesso, por gols na primeira etapa, rapidamente se alterou na segunda metade do jogo. Sem alterações no intervalo, Avaí e Vasco apostaram em mais do mesmo, mas no lado azul, as coisas começaram a mudar já aos 4 minutos, quando Aislan tentou cortar a bola, mas tocou acidentalmente para Renato, que sem marcação, apenas se deu ao trabalho de tocar para o fundo do gol, Avaí 1 a 0.

Então, Jorginho promoveu alterações em sua equipe, com as entradas de Caio Monteiro e Yago Pikachu, nos lugares de Júlio dos Santos e Madson, respectivamente. As mudanças surtiram efeito imediato, colocando então o Vasco bem mais próximo do empate do que de sofrer outro gol.

Mas como o futebol não é uma ciência exata, Lucas Fernandes, que acabara de entrar no lugar de Diego Jardel, fez uma bela jogada individual pela direita, se livrando de dois marcadores, até achar Rômulo livre na entrada da área que, com apenas um toque na bola, tirou Martín Silva da jogada e marcou um belo gol para o Avaí, o segundo da equipe na partida.

A partir deste momento, exceto pelo pênalti duvidoso de Rodrigo em cima de Renato, defendido por Martín na cobrança de William, só deu Vasco. Com uma verdadeira blitz, os cariocas encurralaram os avaianos em seu campo defensivo, até que a pressão surtisse efeito, quando Caio Monteiro abriu na ponta esquerda para Nenê, que chutou cruzado para bela defesa de Renan, e no rebote, novamente Caio Monteiro, com o gol vazio, diminuiu para o Vasco.

Ainda nos minutos finais, buscando o empate, após cruzamento na área, Rodrigo chutou e a bola explodiu no braço do zagueiro André Santos, Elmo Resende, o árbitro da partida, nada assinalou, e o marcador terminou com triunfo por 2 a 1 para os mandantes.