Após cumprir suspensão por doping, Beatriz Haddad Maia voltará a competir em maio
(Foto: Divulgação/ATP)

A tenista número um do Brasil, Beatriz Haddad Maia, número 147 do ranking da WTA, voltará a competir a partir do dia 22 de maio, em torneios europeus, logo após o término da sua suspensão pela ITF (Federação Internacional de Tênis).

Haddad Maia foi suspensa por ter ingerido de forma não intencional duas substâncias proibidas pela entidade, SARM S-22 (enobosarm) e SARM LGD4033 (ligandrol), encontradas em um multivitamínico com contaminação cruzada.

Bia foi submetida ao exame anti-doping no dia 4 de junho de 2019, durante o torneio de Bol, na Croácia, em que foi eliminada na estreia. Recomendado por médicos, a atleta tomava o multivitamínico, com diversas vitaminas e minerais, para complementar sua dieta e exercícios.

"Tênis faz parte da minha vida, é a minha maior paixão. Nunca colocaria em risco algo tão importante para mim, que é responsável pela pessoa que sou hoje e que envolve não só a mim, mas também a minha família. Sempre joguei limpo e foi com o tênis que aprendi os valores que fazem parte do meu dia a dia: respeito, honestidade e trabalho duro", disse Bia.

A tenista, que já foi 58ª no ranking mundial, recebeu a notificação da ITF informando a presença dos metabólitos em sua amostra no dia 12 de julho de 2019. Todos os frascos do multivitamínico que estavam em posse de Haddad Maia foram enviados para análise em um renomado laboratório em Montreal, no Canadá, credenciado pela WADA, que comprovou a contaminação em diversos frascos.

A atleta Bia Haddad foi autorizada pela ITF a retornar às quadras no dia 22/5. Após análise das vitaminas ingeridas pela atleta em laboratório credenciado pela Agência Mundial Antidopagem, a Federação Internacional de Tênis aceitou que as substâncias proibidas encontradas nas amostras de Bia surgiram de forma não intencional, em decorrência de contaminação cruzada em farmácia de manipulação. Bia é uma atleta extremamente diligente, que utilizava vitaminas prescritas por um médico e que foram compradas de farmácia que assegura vender produtos sem substâncias proibidas e em observância às regras antidopagem”, explicou o advogado Bichara Neto, especialista em doping e sócio do Bichara e Motta Advogados.

A suspensão de 10 meses teve início no dia 22 de julho de 2019 e o término da suspensão se dá no dia 21 de maio de 2020. Haddad Maia perdeu os pontos ganhos em simples e duplas e a premiação em dinheiro nos torneios de Bol, Ilkley e Wimbledon, onde ela chegou a vencer a ex-número um do mundo Garbiñe Muguruza.

VAVEL Logo