Protestos marcam primeira semana da pré-temporada na NBA

Jogadores de Lakers, Raptors, Celtics, Knicks e Rockets se abraçaram e ficaram de mãos dadas durante o hino nacional

Protestos marcam primeira semana da pré-temporada na NBA
Os jogadores do Lakers receberam apoio da franquia para o protesto (Foto: J Diaz/Lakers.com)

A volta da maior liga de basquete foi marcada pelas atitudes fora de quadra. Depois de semanas de especulações, declarações e espera, os jogadores da NBA se juntaram para protestar e seguir o exemplo de Colin Kaepernick, quarterback do San Francisco 49ers. Como a liga obriga que todos estejam de pé no hino nacional, os atletas deram os braços em sinal de união. Lakers, Raptors, Celtics, Knicks e Rockets foram as equipes envolvidas.

Já era esperado, mas ainda não estava certo qual seria a forma de protesto dos jogadores da NBA. Logo na primeira semana da pré-temporada, que teve início neste sábado (2), diversos jogadores se uniram e, seguindo o pensamento que Colin Kaepernick iniciou na NFL, fizeram uma manifestação contra a morte dos negros e minorias nos Estados Unidos.

No caso do Boston Celtics, jogadores e comissão técnica seguraram as mãos durante o protesto. No confronto entre Houston Rockets e New York Knicks, as equipes se abraçaram e, misturadas, se manifestaram silenciosamente.

Vale lembrar que a NBA, diferente do que acontece na NFL, exige que os jogadores se levantem durante o hino nacional. Com isso, ao contrário do que ocorre na liga de futebol americano, os jogadores não podem se ajoelhar. Foi visto, entretanto, que a organização não tem punido quem não fica de pé, já que na WNBA, liga feminina de basquete, diversas atletas repetiram a atitude do QB.

Mesmo sem aceitar que os jogadores fiquem ajoelhados, a NBA afirmou que, junto às franquias, fará o possível para utilizar a influência da liga para promover ações de conscientização sobre a questão, que ganhou força no último ano nos Estados Unidos.

Além disso, equipes como Los Angeles Lakers se posicionaram a favor das manifestações e afirmaram que apoiam a liberdade de expressão de seus atletas. O Lakers, inclusive, soltou uma nota oficial em seu site reafirmando o suporte aos jogadores em uma questão tão importante e garantindo que se envolverá em campanhas contra o problema.

Mais notícias de