Em reunião na Federação Mineira, Cruzeiro proíbe mascote e bandeiras do rival Atlético-MG
Mineirão no sábado recebe mais um clássico mineiro cheio de polêmicas (Foto: Divulgação/Mineirão)

Semana de clássico é assim: o jogo é só no sábado (1º), mas Cruzeiro e Atlético-MG já começam a duelar nos bastidores durante a semana. Nesta terça-feira (28), uma reunião foi realizada na sede da Federação Mineira de Futebol (FMF), definiu todas as providências para o clássico no Mineirão, pela 10ª rodada do Campeonato Mineiro. Além de dirigentes dos dois clubes, a reunião contou com a presença de diretores da FMF, da Minas Arena, administradora do estádio, das Polícias Civil e Militar, da Guarda Municipal, da BH Trans e do Corpo de Bombeiros.

O Cruzeiro é o mandante do jogo e fez algumas exigências polêmicas para o clássico. A raposa vetou a presença do mascote do galo no gramado. De acordo com a direção cruzeirense, em clássicos anteriores no Independência, com mando do Atlético-MG, o mascote do clube, Raposão, também foi proibido de acessar o campo. Assim como a entrada de bandeiras e a utilização de instrumentos musicais na torcida alvinegra, também estão proibidas sob a mesma prerrogativa, de que a torcida cruzeirense não pôde levar, em encontros no Horto. “A gente não chama isso de retaliação. O que pode de um lado, pode de outro. O que não pode de um lado, não pode do outro. Isso é quase que um acordo. Se pode fazer em um clássico, por que não pode fazer no outro”, explicou o diretor de tecnologia da informação do Cruzeiro, Aristóteles Lorêdo, se referindo as instrumentos e bandeiras.

O Cruzeiro irá consultar a Diretoria de Competições da FMF sobre a possibilidade de vetar o ingresso de crianças ao gramado acompanhando jogadores do galo. Caso a proibição seja legal, o clube mandante decidiu que exercerá essa opção. Nesse caso, somente os torcedores mirins da Raposa poderão entrar no campo de jogo.

Em entrevista à uam rádio mineira, o diretor jurídico do Atlético, Lásaro Cunha, criticou as decisões do Cruzeiro. “Não há norma regulamentar que impede a entrada de instrumentos e bandeiras. O Cruzeiro usou um argumento que no Independência está proibido. Mas lá está proibido por causa da localização da torcida adversária. Aliás, o Atlético esclareceu que nem a torcida do Atlético pode utilizar bandeiras e instrumentos no anel superior”, ressaltou.

Divisão e venda dos ingressos

O jogo terá disponível 57 mil ingressos, sendo 51.300, 90% da carga, para a torcida do Cruzeiro, clube mandante, e 5.700 para o Atlético, 10% restantes. As vendas se iniciaram nesta terça-feira(28) para sócios-torcedores, do Cruzeiro, na internet. A comercialização no site vai até seis horas antes do clássico de sábado. A novidade é que os Sócios Cativos (Tríplice Coroa, Libertadores, Brasileiro, SuperCopa, Copa do Brasil e Recopa) - que já possuem acesso garantido ao estádio - poderão adquirir um ingresso extra pelo preço total (sem meia entrada) em seu setor.

Já a venda de ingressos para a torcida do Galo, só começará na quinta-feira (30), das 10 às 17h, na Bilheteria Norte do Mineirão. O acesso da torcida atleticana será pelo Portão A, via rampa de integração do Mineirinho. Não haverá venda de ingressos no dia do jogo.

VAVEL Logo