Morre Abelardo "Flecha Azul", ex-atacante do Cruzeiro
Foto: Arquivo/Cruzeiro

Um dos primeiros ídolos do torcedor do Cruzeiro faleceu na madrugada desta quinta-feira (8). Abelardo Dutra Meireles, o Abelardo "Flecha Azul" morreu aos 90 anos. O ex-atacante jogou no time celeste na segunda metade da década de 1940, além de outras passagens até 1960.

Nascido em Cristiano Otoni, Abelardo nasceu em 10 de novembro de 1926. Começou no futebol após o então ponta-esquerda Alcides vê-lo jogar em um campeonato interno de um seminário. Levou o então garoto para fazer teste no Cruzeiro, onde iniciou a carreira em 1946.

Foto: Arquivo/Cruzeiro

Reserva no ataque formado por Orlando Fantoni, Ismael, Niginho e Alcides, Abelardo era frequentemente utilizado entre os titulares. Em 1948, após a aposentadoria de Niginho, que virou técnico do time, Abelardo passou a figurar entre os 11 jogadores iniciais escalado pelo ex-companheiro de ataque. 

Apesar do título ter ficado com o América, logo no primeiro ano como titular, Abelardo foi artilheiro do Campeonato Mineiro com 18 gols. Foi negociado com o Palmeiras em 1949, onde conquistou o título paulista de 1950. Em seguida, foi jogar no Santos, a pedido de Niginho, técnico santista, mas passou pouco tempo na Vila Belmiro, retornando ao Cruzeiro em 1952. 

No entanto, o retorno ao Cruzeiro não foi tão bom como se esperava, pela fragilidade do time celeste naquela ocasião, ficando até o final de 1953. Nos anos seguintes, jogou no América e no Sete de Setembro. Em 1959, próximo de encerrar a carreira, foi contratado pelo Cruzeiro a pedido de Niginho, que retornou como técnico cruzeirense. 

Com um bom time e Abelardo sendo titular absoluto, o Cruzeiro conquistou o Campeonato Mineiro de 1959, encerrando a carreira pelo time celeste. Segue abaixo o texto do livro "Páginas heróicas – onde a imagem do Cruzeiro resplandece” (Dorea Books), pesquisado pelo autor Jorge Santana, e replicado no site Páginas Heróicas Digitais. 

"Abelardo Dutra Meireles foi o destaque do time do Barro Preto no torneio. Veloz, oportunista, ótimo cabeceador e exímio chutador, não acreditava em bola perdida. Nem deixava zagueiro adversário dormir bem na véspera do jogo. Murilo Silva, o melhor beque da história do Atlético-MG, era um dos que sofriam alucinações antes e durante os jogos, pois sabia que, de um jeito ou de outro, o Flecha Azul deixaria sua marca".

Foto: Blog do Cruzeirense

Abelardo "Flecha Azul" era implacável quando jogava contra o Atlético-MG, como ele mesmo relatou ao blog Futebol de Todos os Tempos, em 2 de outubro de 2010. Leia! 

"Eu sempre joguei bem contra o Atlético. Eles tinham até arrepio de mim (risos). Eu era amigo da maior parte dos jogadores deles e teve um jogo que a bola ficou limpa pra mim e eu falei   pro Kafunga escolher qual canto ele queria que eu chutasse . Falava pra ele: escolhe rapido Kafunga, escolhe....(risos). O Kafunga as vezes ficava bravo falando que eu estava querendo fazer o nome em cima dele". 

O Cruzeiro publicou uma nota em seu site oficial sobre a morte do ex-jogador. "O clube, em nome do presidente Gilvan de Pinho Tavares, presta solidariedade e compartilha da mesma dor da família e amigos neste momento difícil".

Abelardo "Flecha Azul" jogou 157 vezes pelo Cruzeiro, e marcou 82 gols, de acordo com o Almanaque do Cruzeiro. O corpo de Abelardo foi enterrado no Cemitério Bosque da Esperança, em Belo Horizonte (MG).

VAVEL Logo