De volta à elite: relembre todos os acessos do América-MG e campanhas na Série A
Foto: Isabelly Morais/VAVEL Brasil

O América-MG assegurou presença na Série A do Campeonato Brasileiro de 2018. Será a 16ª vez que o Coelho disputará a divisão máxima do futebol nacional a partir de 1971. O time americano acumulou participações seguidas até 1979, destacando-se a campanha de 1973, quando terminou em sétimo lugar. 

Historicamente, a partir de 1980, com a criação da Taça de Prata, equivalente à segunda divisão do Brasileiro, houve o esquema de acesso e descenso no Brasileirão. Neste período, o América ficou de fora da elite por 13 anos, retornando somente em 1993. Confira aqui, na VAVEL Brasil, as participações do Coelho na Série A desde então. 

1993: América faz boa campanha, é rebaixado, e entra em confusão com a CBF 

Em 1992, a CBF fez a "virada de mesa" no futebol brasileiro e subiu 12 times da Série B para a primeira divisão de 1993. Sem realizar a segundona, e com um regulamento estranho, que proibia o rebaixamento dos times associados ao Clube dos 13, o América disputou o Brasileirão no Grupo D. 

Foto: Acervo do Coelho

Apesar da campanha regular, o América foi rebaixado para a segunda divisão após ter terminado em quinto lugar no grupo, com 14 pontos. Pontuação maior que a de clubes como Atlético-MG, Botafogo e Fluminense, que estavam em outras chaves e eram abonados por serem filiados ao Clube dos 13.

A diretoria do América contestou o rebaixamento, e chegou a mover ação contra a CBF na Justiça Comum. Pela Fifa, é proibido recorrer à justiça fora do âmbito esportivo. A CBF não deixou por menos: proibiu o Coelho de disputar competições realizadas pela entidade por dois anos. Somente em 1996, o time mineiro voltou a disputar o Brasileirão da Série B.

1998: América fatura Série B, mas fracassa na elite e é rebaixado

Em 1997, o América conquistou o título brasileiro da Série B. O feito foi muito comemorado por todos e encheu de expectativa os torcedores e o clube. Porém, as coisas não aconteceram da maneira mais bacana para o Coelho. 

Foto: Divulgação/América-MG

Em 1998, o América perdeu vários jogadores importantes do time vitorioso da Série B, como Pintado, Boiadeiro e Celso, além do técnico Givanildo Oliveira. O time não foi bem na primeira divisão, e foi rebaixado, terminando em 21º lugar entre 24 equipes. 

2000 e 2001: América aproveita "virada de mesa" e retorna à primeira divisão, mas é rebaixado no ano seguinte

Em 1999, o América terminou o Brasileirão da Série B em sétimo lugar. No entanto, o Coelho pegou carona na polêmica envolvendo o Gama e a CBF, no caso Sandro Hiroshi, jogador do São Paulo que adulterou a própria idade, e retornou para a Série A. Disputou a Copa João Havelange, torneio promovido pelo Clube dos 13. 

Foto: Acervo do Coelho

O América realizou uma campanha ruim, terminando em 19º lugar, com 27 pontos. Naquele ano, não havia rebaixamento e, por isso, o Coelho voltou a disputar a primeira divisão pela segunda vez seguida em 2001, fato que não ocorria desde 1972. 

Em 2001, o América venceu o Atlético para conquistar o Campeonato Mineiro. Cheio de empolgação, a diretoria americana contratou, a pedido do técnico Lula Pereira, famoso por comandar equipes do Norte e Nordeste do Brasil, uma série de jogadores de pouca qualidade técnica que haviam trabalhado com o treinador. 

Foto: Acervo do Coelho

O time campeão mineiro com uma equipe gerada por garotos formados no América se desfigurou. Destaque para os veteranos Mirandinha e Silas, o Coelho fez uma péssima campanha, terminando em 26º lugar, entre 28 times. 

2011: América volta à elite, mas faz campanha ruim e é rebaixado

Após disputar e ganhar a Série C em 2009, e terminar em quarto lugar na segunda divisão na temporada seguinte, o América retornou à primeira divisão após dez anos de sua última participação. No entanto, assim como anos anteriores, as coisas não foram tão bem como se esperavam. 

Com um time limitado, o América realizou um péssimo primeiro turno de Série A. O Coelho acumulou derrotas, e tornou o rebaixamento uma possibilidade praticamente certa. Mesmo com a volta de Givanildo Oliveira, e a participação regular no segundo turno, o time mineiro não evitou o descenso, terminando em 19º entre 20 times.

2016: O filme se repete: América volta, mas é rebaixado novamente

Em 2015, o América subiu para a primeira divisão com uma boa campanha. Porém, o filme de 2001 se repetiu em 2016: o Coelho ganhou o Campeonato Mineiro em cima do Atlético, mas fracassou no Brasileirão. 

Foto: Divulgação/América-MG

Empolgada, a diretoria americana acreditou que aquela equipe poderia fazer uma boa campanha no Brasileiro. Chegaram a falar que o objetivo era chegar à Libertadores de 2017. Contudo, o conto de fadas do América virou um baita pesadelo. Com jogadores limitados, o Coelho realizou uma péssima campanha e foi rebaixado. Terminou na lanterna, com 28 pontos e 24 derrotas na competição. 

O que fazer para não repetir o mesmo filme de outros tempos?

Exemplos de formações irregulares, que resultaram em campanhas ruins não faltam. O América ganhou uma nova oportunidade de chegar à primeira divisão e acender uma perspectiva vitoriosa para anos futuros. 

Contudo, é necessário ressaltar que o Coelho precisa ter os pés no chão, partindo por entender a realidade financeira, traçar metas modestas e trazer reforços para elevar a competitividade do time. Teoricamente é fácil, mas na prática é difícil. Se o clube trabalhar dentro de sua capacidade, no entanto, a campanha pode ser satisfatória em 2018.

VAVEL Logo