São Paulo reduz 50% das dívidas e espera saná-las até final de 2019
(Foto: Rubens Chiri/Saopaulofc.net)

São Paulo reduz 50% das dívidas e espera saná-las até final de 2019

Venda de jogadores tem sido fundamental para diminuição do endividamento, mas diretor financeiro não crê que seja melhor método

yannrodrigues
Yann Rodrigues

O São Paulo convive com as dívidas financeiras desde a gestão de Carlos Miguel Aidar, que renunciou em outubro de 2015 e deixou a missão para Leco, atual presidente. O mandatário completa um ano de cargo nesta quarta-feira (18), mas está segurando as pontas após a saída de Aidar. 

Contestado em sua gestão pela falta de títulos, o presidente tenta reorganizar o clube financeiramente para desfazer o rombo deixado pela antiga gestão. Em dezembro de 2015, o Soberano tinha uma dívida de R$ 178,9 milhões. No último levantamento feito no domingo (15) foi concluído que houve uma redução de em torno 50%, sendo a atual dívida de R$ 92,9 milhões

Em entrevista ao UOL Esporte, o diretor-executivo de finanças, Elias Albarello, falou sobre os números atuais das finanças do Tricolor e comentou também sobre a contribuição que a venda de jogadores teve para o superávit. 

Os cortes no São Paulo aconteceram. Gastos excessivos foram cortados, funcionários, contratos renegociados, além do essencial, que foi a venda de atletas.

“O que vendemos, que esteve na casa dos R$ 180 milhões brutos e R$ 160 milhões líquidos, não entra no fluxo de caixa. Entra, sim, no balanço. Vendeu, registra. Mas o dinheiro só entra a longo prazo, com parcelas de até três anos. É verdade que vendemos acima do previsto pelo orçamento, mas isso também nos permitiu não sair no mercado para captar R$ 70 milhões que estavam previstos. Conseguimos impedir a criação de novas dívidas e amortizamos as que já existem e pagávamos R$20 milhões somente de juros. Agora estamos na casa dos R$10 milhões. A redução é grande, mas ainda precisa mais. Com esse valor poderíamos contratar um grande jogador”, explicou. 

Segundo o diretor, a meta é mudar isso. Com as dívidas zeradas no fim do próximo ano, toda a renda captada com a venda de atletas será direcionada apenas para o futebol, seja para contratar ou para manter algum atleta. 

“Meu grande objetivo pessoal e meta como executivo é desvincular a gestão do futebol. Principalmente a parte financeira. Não podemos depender de vendas de jogadores para cobrir despesas da gestão e da administração do clube. O futebol tem que viver com o que é oriundo do futebol. Estamos perseguindo esse objetivo e temos condições de atingir. Teremos de montar times bons, investir em jogadores como está acontecendo agora com o Éverton, para os resultados melhorarem, assim como os contratos e os públicos no Morumbi”

Albarello falou também sobre a meta de arrecadação neste ano e explicou como será distribuído, para que não prejudique nenhuma área do clube neste momento de restruturação. 

“A meta de acabar com a dívida no fim de 2019 é conhecida pelo conselho, bem como a meta de vender R$ 100 milhões neste ano e aplicar 50% em compras, 35% na dívida e 15% em outras despesas. Isso é importante para reduzir os encargos financeiros e ainda investir no futebol. E o time melhorando como está, com a diretoria trazendo novos patrocínios e receitas, como está fazendo, não tenho dúvidas que alcançaremos os objetivos dessa gestão desvinculada”

O São Paulo gasta muito, mas vende muito também. Saídas como a de Pratto e Buffarini geraram alta receita ao clube. A meta é que mais dois jogadores saiam para o valor de R$ 100 milhões seja atingido ou até ultrapassado. 

“Pode ser maior, até pelo investimento já feito e o que pode ser concluído com o Everton e eventualmente mais reforços. Isso tem um impacto. Fala-se muito em vender Rodrigo Caio e Cueva após a Copa do Mundo. Pode até ser um sonho deles, algo que respeitamos, mas não temos controle. O Rodrigo mesmo já recusou propostas e outras aparecem sem esperarmos, como a do Maicon ano passado. Tem o Militão sendo especulado na Inglaterra (Manchester City). Eu não vejo nome, vejo os recursos. E a diretoria de futebol tem ótimo relacionamento conosco para discutir, diferentemente do que se via antes”

O diretor também que o clube tem um futebol, financeiramente, semelhante aos times de ponta. E ainda comentou sobre Nenê, que veio com baixo investimento, e sobre as tentativas para manter Hernanes

“Hoje nosso futebol custa o mesmo que outras equipes de ponta, entre R$ 10 e R$ 11 milhões por mês. E há muita diferença entre comprar e manter um jogador. Primeiro que esses questionamentos muitas vezes são seletivos, pegam quem ainda não deu certo para comparar. Mas e o Nenê, que veio sem investimento e está jogando acima das expectativas? O valor do Hernanes por mês serviria para manter vários jogadores. E nós tentamos, informo aqui, de tudo para mantê-lo. Você pode até pagar a multa, mas e o salário? É muito alto! É natural que para ter um desempenho melhor seja preciso investir em jogadores assim, mas o processo é lento”, contou. 

(Foto: Rubens Chiri/Saopaulofc.net)
(Foto: Rubens Chiri/Saopaulofc.net)

Sobre a contratação de Éverton, Albarello comentou que era discutido a necessidade do investimento e, graças as cotas de TV, tinha o valor para apresentar e abrir a negociação com o meia do Flamengo

“Discutíamos a necessidade de investir mais em um jogador e aí apareceu a oportunidade com o Everton. O nome vem da Barra Funda, mas uma vez definido, a gente tinha o valor para apresentar (com o auxílio do que foi pago de luvas pela Globo por direitos de transmissão em TV aberta e pay-per-view). É bom não saber o nome, para não atrapalhar. Segredo existe até abrir a porta da reunião. Procuro não saber o nome do jogador, só quando chega o contrato ou quando vaza na imprensa”

(Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)
(Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)

Por fim, ele comentou sobre a imprevisibilidade, irracionalidade do futebol. Falou também que há de se desenvolver soluções sem as rendas que vem de dentro do campo e falou sobre melhorias no Morumbi

“O futebol tem elementos que não são tão racionais. O jogador tem momentos, o time tem momentos, o mercado tem momento. É difícil ter uma previsibilidade. Não posso depender da venda de jogadores para fazer benfeitorias no clube, no estádio. Converso com bancos e fundos imobiliários para investimentos no clube social e em melhorias no Morumbi, que tem quase 60 anos e precisa disso. Tenho que desenvolver soluções sem o futebol, por mais que os resultados do futebol ainda influenciem. Uma partida ruim influencia politicamente no clube, que envolve muita paixão, situação, oposição e grupos políticos. O que tentamos fazer é desenvolver ferramentas que independam do futebol em campo e nos recursos. Quando desvincularmos, teremos um time melhor e uma gestão mais perene”, finalizou.


São Paulo paga multa ao Flamengo e anuncia Everton

VAVEL Logo

Sao Paulo FC Notícias

há 11 dias
há 18 dias
há 19 dias
há 20 dias
há 21 dias
há um mês
há um mês
há um mês
há um mês
há um mês
há um mês