Marcos Paquetá é apresentado como novo técnico do Botafogo e já comanda equipe em treino

Técnico chega para ficar até dezembro de 2019; em coletiva, mostrou-se muito otimista e feliz

Marcos Paquetá é apresentado como novo técnico do Botafogo e já comanda equipe em treino
(Foto: Vítor Silva/SS Press/Botafogo)

Na tarde de ontem, quinta feira (28), Marcos Paquetá foi apresentado como novo técnico do Botafogo, afinal, Alberto Valentim deixou a equipe depois de receber uma proposta para fora do Brasil. Marcos assinou contrato até dezembro de 2019 com o alvinegro. 

Inicialmente o técnico comentou sobre prosseguir com o trabalho de Valentim, demonstrando que conhece totalmente a equipe que vai comandar. 

“Cada momento do treinamento temos que trazer essas informações. Logicamente é uma adaptação dos atletas comigo, e eu também tenho que preservar o que foi muito bem executado. A gente vai tentar fazer só um upgrade do trabalho do Valentim. Isso está sendo muito fácil, porque ele tem uma linha de trabalho parecida com a minha”.

Depois de muito tempo fora do Brasil, o treinador retornou e por ventura recebeu uma proposta do Botafogo ‘na hora certa’, segundo ele. 

“Tive que ficar no Brasil por motivos familiares e, graças a Deus, apareceu o Botafogo. O Botafogo vai muito de encontro com a minha filosofia de trabalho. Conheço bem o elenco e o futebol brasileiro”.

O primeiro momento entre ele e os jogadores já iniciou-se no mesmo dia, e logo já foi implementado as características de Marcos Paquetá. 

“Já consegui introduzir alguns momentos de situação de jogo de transições, da nossa organização ofensiva e defensiva. Isso dá tranquilidade muito grande ao atleta, facilita na leitura de cada situação de jogo”.

O fato de assumir a equipe no meio da temporada não será uma dificuldade para Marcos Paquetá, afinal, o técnico ficou feliz com a postura que a equipe possui. 

Isso vai muito de encontro com o que eu gosto. Gosto de times dinâmicos e que não têm vaidades. O clube tem suas metas, e nós temos que traçar junto com os jogadores. E eu acho que os jogadores têm de ter suas metas individuais. E eu cobro isso deles. Roubar bolas, ter posse de bola maior, e eu acho que isso vai motivar os atletas a mais”, concluiu.