Para amenizar situação financeira, Botafogo consegue liberação de R$ 20 milhões na Justiça

Valor é referente ao patrocínio do grupo Viton 44 entre 2011 e 2014 e será destinado exclusivamente ao pagamento de quase 20 parcelas do Profut

Para amenizar situação financeira, Botafogo consegue liberação de R$ 20 milhões na Justiça
Foto: Satiro Sodre/SSPress/Botafogo

Em meio à crise financeira, o Botafogo deu um importante passo na última segunda-feira (30). O departamento jurídico do clube conseguiu uma liminar na Justiça que autoriza o uso do dinheiro penhorado referente ao patrocínio da Viton 44. O valor se aproxima de R$ 20 milhões e será direcionado para o pagamento das próximas parcelas do Profut, programa estatal que visa auxiliar na renegociação das dívidas dos clubes com a União. A informação foi veiculada no portal Globo Esporte.

As marcas do grupo estamparam a camisa alvinegra entre 2011 e 2014. A quantia se refere a depósitos judiciais por não recolhimento de impostos na gestão de Maurício Assumpção e não terá trânsito interno, ou seja, permanece apenas e exclusivamente de posse da Justiça, não entrando nos cofres do clube. O valor é suficiente para quitar quase vinte parcelas mensais, já que cada uma custa em torno de R$ 1 milhão.

O presidente Nelson Mufarrej, em entrevista à Rádio Globo, afirmou que a liminar foi resultado de um trabalho brilhante do departamento jurídico. “É uma vitória muito grande e trazemos essa notícia muito boa a todos os torcedores”. O Botafogo estava na tentativa desde 2015 e foi representado na ação pelo escritório Mattos Filho. A decisão foi do desembargador Guilherme Couto de Castro e ainda cabe recurso. 

Ainda segundo o Globo Esporte, o Alvinegro fez um empréstimo de R$ 8 milhões no Banco Daycoval e recolheu os impostos em atraso afim de pagar o mês de junho para seus jogadores. Para ter acesso ao montante de R$ 10 milhões referentes a um ano do patrocínio master firmado com a Caixa Econômica Federal, o clube ainda precisa renovar sua Certidão Negativa de Débito (CND) com a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional.