Virada providencial para o Atlético-MG diante do Ceará
Atlético-MG e Ceará fizeram duelo de equipes pressionadas por séries negativas. Melhor para o Galo de Rômulo Otero (Foto: Divulgação/Atlético-MG) 

Quem acompanhou a partida que aconteceu na noite de domingo (29) no Independência, em Belo Horizonte, disputada entre Atlético-MG e Ceará, presenciou um duelo inicialmente pautado pelo equilíbrio em função do quadro adverso enfrentado por ambas as equipes. Na etapa final, no entanto, o domínio foi dos mandantes. 

Com gols de Otero e Luan, os comandados do técnico Rodrigo Santana espantaram, ao menos momentaneamente, os ares negativos que pairavam no clube após a série de seis derrotas consecutivas no Campeonato Brasileiro e a eliminação nas semifinais da Sul-Americana, nos pênaltis, ante os argentinos do Colón, na última quinta-feira (26), no Mineirão.

Já o Alvinegro de Porangabuçu passa a ver a aproximação da famigerada zona do rebaixamento. São oito partidas seguidas sem triunfos (3 gols feitos e 10 sofridos) — 5 derrotas e 3 empates. No total, a equipe do técnico Enderson Moreira acumula 6 vitórias, 5 empates e 11 derrotas no certame. A última vitória conquistada ocorreu no distante 10 de agosto, 4  a 1 diante da Chapecoense, na Arena Castelão. 

Alívio para Santana

Enquanto um tem sua crise agravada, o outro renasce. É o caso de Rodrigo Santana. Ter o nome vaiado pelo torcedor antes de a bola rolar, protesto das torcidas organizadas que não se fizeram presentes no Independência, série negativa de resultados, eliminação em competição continental. Tudo isso seria complicado para qualquer treinador, e com o jovem Santana não seria diferente. 

Pelo Brasileiro, a última vitória havia sido conquistada também no dia 10 de agosto, 2 a 1, frente o Fluminense. De lá para cá, na competição nacional, o Galo emplacava seis derrotas seguidas e muitos diziam que a partida diante do Vovô seria crucial para permanência ou não do técnico. 

Sem poder contar com o volante Jair, que voltou a sentir a posterior da coxa direita no primeiro tempo da semifinal diante do Colón, o treinador atleticano mandou a campo Nathan, que havia feito um dos gols do Galo ante o Ceará, no primeiro turno, no 2 a 1, em plena Arena Castelão. 

Logo aos 22 minutos, o destino voltaria a pregar peças. O atacante colombiano Chará, que vinha sendo bastante acionado em bolas longas, saiu por problema muscular. Quem foi a campo? Rômulo Otero, o venezuelano endiabrado das bolas paradas. 

Após o Ceará abrir o marcador em um pênalti duvidoso marcado pela arbitragem, o Galo se viu obrigado a ter poder de reação além do esperado para uma equipe que atravessa momento negativo, tinha seu torcedor jogando contra e vinha de eliminação na Sul-Americana.

O que se viu no segundo tempo, contudo, foi um Atlético-MG encurralando a equipe visitante. Ao final do duelo, foram 10 finalizações certas no alvo contra apenas 1 do time cearense; 438 passes trocados e boa parte no campo ofensivo. 

Com o triunfo, o Atlético chega aos 30 pontos e ocupa a 10ª posição na tabela. Agora, para emplacar um bom momento na competição, o time mineiro enfrenta o Vasco, na quarta-feira (2), novamente no Independência, às 19h15, em partida adiada da 21ª rodada. 

Cobrança no Vovô

Após mais um mau resultado, o meio campista Ricardinho, capitão da equipe, lamentou o revés e cobrou o grupo de jogadores. 

“É difícil falar. Tivemos um bom 1º tempo, saímos na frente do placar. Então tomamos um gol no início do 2º tempo, o Atlético-MG cresceu e tomamos a virada. Não podemos aceitar, precisamos de mais atenção. Temos que buscar algo mais e continuar trabalhando”, disse.

O Vovô se encontra na 14ª posição, tendo somado 23 pontos. Embora não haja risco de entrar na zona de rebaixamento ao término da rodada, a distância para o Z-4 pode cair para somente um ponto se o Cruzeiro vencer o Goiás, nesta segunda-feira (30), às 20h, no Serra Dourada. Além, é claro, de poder ser ultrapassado pelo rival Fortaleza.

O próximo compromisso do alvinegro cearense será domingo (6), diante do Goiás. O duelo ocorre na Arena Castelão, às 16 horas. Como mandante, o time tem aproveitamento de 54,5%. Já longe dos seus domínios, a equipe de Enderson só conseguiu uma vitória, frente o Avaí, na Ressacada. 

Alento cearense

Se a boa fase coletiva não vem se fazendo presente na rotina do Ceará, o meia Thiago Galhardo dá prosseguimento em sua fase individual pra lá de positiva. Diante do Galo, o atleta chegou ao seu 9º gol no Campeonato Brasileiro e é o artilheiro isolado do Vovô na competição.

Grande parte das movimentações ofensivas da equipe cearense passa pelos pés do ex-jogador do Vasco da Gama. Em momento de intensa turbulência, quando a bola costuma "queimar nos pés" dos atletas na hora das conclusões, Galhardo mantém sua tranquilidade e segue sendo fundamental para a retomada dos bons momentos da equipe e consequente permanência na primeira divisão do futebol brasileiro. 

 

MEDIA: 5VOTES: 4
VAVEL Logo