Mais uma taça! Mesmo sem seu jogo padrão, Flamengo bate Del Valle e conquista a Recopa
Foto: Alexandre Vidal/CRF

Terceiro título em fevereiro! Depois de Athletico-PR e Boavista serem vítimas, o Independiente del Valle foi ao Maracanã tentar parar o Flamengo no jogo de volta da Recopa Sul-Americana, mas não conseguiu. Mesmo não conseguindo impor seu ritmo de jogo tradicional sob comando de Jorge Jesus, o atual campeão da Libertadores bateu os equatorianos por 3 a 0 e levantaram pela primeira vez o troféu da competição continental graças aos gols de Gabigol e Gerson (2x).

Para quem acompanha o futebol flamenguista o estilo de imposição de jogo do treinador português é uma das características do time carioca. Porém não foi isso o que se viu em plena final de Recopa no Maracanã.

Primeiro tempo humilde do Flamengo

Com o tradicional uniforme rubro-negro e em casa, o Flamengo não conseguiu ditar o ritmo do confronto. Treinado pelo espanhol Miguel Angel Ramirez, o del Valle foi quem exalou a vontade de marcar gol. Mas o futebol não é um esporte 100% lógico.

Depois de uma pixotada da bola à zaga equatoriana, Luis Segovia se assustou com a sombra de Gabigol e recuou de cabeça muito alto para Pinos. O goleiro evitou o gol contra, a bola bateu no travessão e sobrou limpa para o camisa 9 gritar "hoje tem gol do Gabigol" aos 20 minutos. Aos 24', o clima no Maraca pesou depois da solada de Willian Arão no peito do adversário, fazendo com que o árbitro desse o cartão vermelho após revisão no VAR.

Ter um a menos obrigou o Flamengo a ser mais humilde e reconhecer que não era possível sufocar o Independiente del Valle, porém havia o desejo do contragolpe em cada lance. Para preencher o espaço deixado por Arão, o Mister tirou Pedro e pôs Thiago Maia, deixando Gabigol isolado no ataque. Sozinho, o camisa 9 ainda incomodou Pinos na reta final, em contra-ataque fulminante puxado por ele mesmo. Logo depois a resposta equatoriana numa finalização de fora de área que parou na defesa de Diego Alves.

Números do primeiro tempo, mesmo assim, mostraram a superioridade do Flamengo. Chutes: 6 a 2; chutes ao gol: 5 a 1; grandes chances: 1 a 0; defesas do goleiro: 1 a 4.

Confirmação da efetividade rubro-negra

Na segunda etapa, o script não foi muito diferente, entretanto o ânimo dos equatorianos caíram por terra quando Gerson marcou o segundo do Flamengo aos 64', em jogada de velocidade de Gabigol, sozinho pela direita. O "Vapo Vapo" recebeu livre de marcação e, quase de carrinho, tocou no contrapé de Pinos.

Já com 2 a 0 no marcador, o treinador espanhol do del Valle colocou seu time todo para frente, e quase diminuiu. Diego Alves salvou o Fla numa bola infiltrada de Franco.

Nessa altura do jogo, Jorge Jesus seguia cobrando agilidade e eficiência de sua equipe. Contragolpes rubro-negros eram vistos, principalmente com o craque da noite: Gabriel Barbosa, que quase marcou seu segundo gol no jogo se não estivesse tão desgastado ao ponto de ficar pelo caminho numa disputa de bola com o zagueiro Schuke.

A gota d'água da finalíssima pingou aos 89', quando o mesmo Gerson acompanhou a arrancada de Michael e a jogada individual de Vitinho para receber a sobra e mandar com categoria no cantinho de Pinos, fazendo o 3 a 0. Aí a magnética torcida preta e vermelha gritava "é campeão" pela terceira vez em 2020.

Tabu quebrado

Depois de três vitórias e dois empates na história da Recopa Sul-Americana, um time equatoriano conheceu sua primeira derrota. O Ind. del Valle conseguiu o empate em 2 a 2 na ida, mantendo o tabu erguido pela LDU em 2009 e 2010 (com três vitórias e um empate), mas não foi páreo para o Flamengo no Maracanã nesta quarta-feira (26).

Superioridade brasileira

País Títulos Vices
Brasil 11 8
Argentina 9 13
Equador 2 1
Paraguai 2 0
Colômbia 1 3
Chile 1 1
Peru 1 0
Uruguai 1 0
México 0 1

 

VAVEL Logo