Fã do Lucas Paquetá, meio-campista e sonho de jogar no clube: as revelações do neto de um Cometa
Foto: Arquivo Pessoal

“Eu fico com a pureza da resposta das crianças”. A frase usada por Gonzaguinha na icônica música “O Que É, O Que É?” talvez nunca foi tão necessitada nos últimos anos. Em tempos de pandemia, onde as pessoas precisam ficar em quarentena, as crianças representam a esperança de tempos melhores. As crianças são luzes nas nossas vidas, da mesma maneira que um Cometa. Agora imagine a fusão entre um Cometa e uma criança.    

Rafael Augusto (@rafaeel_a), uma criança de 9 anos, é neto do Dener, o Cometa Brasileiro. O menino deseja seguir os passos do avô e está no caminho certo. Ele também joga no futsal da Portuguesa, onde recebeu o mesmo apoio que o pai e os tios. No entanto, sem as mesmas regalias. 

Mas, vale ressaltar que essa sempre foi a vontade de Rafael, nunca houve uma pressão externa, como com o pai e os seus tios. Stephanie, mãe do menino, revelou à reportagem essa vontade do Rafa de seguir os passos do avô. 

"Não sei se foi coincidência ou destino, mas o primeiro presente que o Rafael ganhou na maternidade foi uma bola. Desde que ele deu os primeiros passos, as brincadeiras dele nunca foram com carrinhos ou bonecos, sempre foi bola. Ele já sabia um pouco sobre o avô dele, mas começou a saber mais coisas e o quão bom jogador ele era. Foi quando entrou na Portuguesa que ele se interessou muito mais pela história e também pelas coisas que as pessoas contavam para ele" - revelou Stephanie, mãe de Rafael.

Pelas palavras notamos uma vocação do jovem em ser jogador. Esse é o primeiro passo para o sucesso: a vocação, a paixão pela profissão. Trabalhar de maneira forçada em algo é complicado e, muitas vezes, resulta em fracasso. 

Rafael revelou à reportagem suas ambições de jogador e suas inspirações. O neto do Dener, revelado pela Portuguesa e com passagens por Grêmio e Vasco, revelou ser fã do Lucas Paquetá.

Também comentou sobre o Cometa Brasileiro e percebe-se a imensa admiração e carinho da criança por ele.

"O melhor jogador do mundo ainda é meu avô" - afirmou Rafael.

Percebemos, caro leitor, que ambos têm algo em comum: o brilho e a luz de um moleque no país do futebol.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

“ Ser um jogador de futebol, exige muito mais que habilidade, talento. Exige esforço, dedicação, coragem, garra, determinação, força de vontade, e acima de tudo exige fé, pois, sem fé, você não chega a lugar nenhum. Infelizmente hoje em dia no mundo do futebol, temos várias dificuldades, e lesões também, então a cada dia você tem que se preservar, se guardar mais, e dedicar-se aos seus treinos, lembre-se de uma coisa, sem Deus, você nunca chegará a lugar nenhum, sua fé, sempre vai ser testada, e é ai a hora em que você não pode desistir, a hora em que você tem que continuar de pé, para poder enfrentar seus problemas de frente, e passar por cima de todos os seus obstáculos, por isso, surpreenda sempre, viva a sua vida com Ousadia e Alegria, seja responsável que Deus lhe dará tudo que você precisa, e só vai depender de você, pra alcançar o que você quer. Seja batalhador, e sonhe, nunca deixe de sonhar, a cada dia você terá que matar um leão por dia, realmente ser jogador de futebol não é uma coisa fácil, mas se você tem esperança, coloque entre suas metas, e todo dia antes de dormir, pense que será um grande jogador de futebol. . .” ⚽️❤️✨

Uma publicação compartilhada por Rafael Augusto ⚽️ (@rafaeel_a) em

Confira na íntegra a entrevista com Rafael Augusto:

VAVEL Brasil: Quem é seu jogador preferido? 

Rafael: Eu já tive muitos jogadores preferidos, mas no momento é o Lucas Paquetá.

VAVEL Brasil: Quem é melhor: o Paquetá ou o seu avô?

Rafael: O melhor jogador do mundo ainda é meu avô.

VAVEL Brasil: Você assiste vídeos do seu avô?

Rafael: Sim, eu assisto quando algumas pessoas me mandam, me marcam e às vezes vejo na televisão.

VAVEL Brasil: Qual seu gol preferido dele? 

Rafael: Difícil falar um só, mas o que eu mais gosto é o que ele dá cotovelada no Índio e faz o gol de carrinho.

VAVEL Brasil: Você gosta dos dribles que seu avô dava em campo? 

Rafael: Gosto muito, nunca vi um jogador fazer aquilo.

VAVEL Brasil: Você tenta fazer alguns dribles parecidos com que ele fazia? Quais? 

Rafael: Eu tento, dar um chapéu, um drible da vaca, mas o que eu mais faço mesmo é o rolinho.

VAVEL Brasil: Qual sua posição no futebol? 

Rafael: No futsal, eu jogo de ala e às vezes de pivô. Mas no campo, eu jogo de meia-atacante.

VAVEL Brasil: Qual é o seu grande sonho no futebol? 

Rafael: Meu sonho é jogar no Milan, ser melhor do mundo, fazer muitos gols e muitos dribles.

Confira aqui todas as reportagens especiais do nosso Cometa Brasileiro.

VAVEL Logo