Grêmio
assiste Universidad Católica jogar, não cria e perde no retorno da
Libertadores
Foto: Divulgação/Universidad Católica

A Universidad Católica derrotou o Grêmio pelo placar de 2 a 0 nesta quarta-feira (16) pela terceira rodada da Libertadores 2020, grupo E. No Estádio San Carlos de Apoquindo, Zampedri e Pinares foram os autores dos gols, ambos no fim do primeiro tempo e com apenas dois minutos de diferença.

Após seis meses, as equipes entraram em campo pela principal competição do continente em cenários opostos. A chilena era a lanterna do grupo E, sem pontuar, enquanto a brasileira ocupava a segunda colocação, com quatro pontos.

No entanto, quanto a retrospecto recente, vantagem para o time da casa: um empate e três vitórias seguidas nos quatro jogos que disputou desde o retorno aos gramados. Já o Tricolor vinha de fase instável no Campeonato Brasileiro, além de muitos desfalques.  

Estratégias

Ariel Holan teve as baixas dos laterais Parot e Cornejo por lesão. Esquema tático: 4-3-3. No gol, Dituro. Lanaro e Huerta formaram a dupla de zaga, enquanto Fuenzalida na direita e Rebolledo na esquerda cuidaram das laterais. No meio-campo, Saavedra era o homem de marcação, dando liberdade para Pinares e Aued armarem as jogadas ofensivas. E, no ataque, Lezcano pela direita, Puch pela esquerda e Zampedri centralizado, marcando posição na área de centroavante.

Renato Gaúcho sofreu com uma lista de desfalques, principalmente por lesão:  Victor Ferraz, Kannemann, Guilheme Guedes, Maicon, Jean Pyerre, Leonardo, Everton, Pepê e Paulo Miranda. Esquema tático: 4-2-3-1. Vanderlei no gol. A zaga contou com Pedro Geromel e David Braz. Nas laterais, Orejuela pela direita e Bruno Cortez pela esquerda. O meio-campo tinha Darlan e Matheus Henrique Marcos na dupla de volantes. Mais à frente, Alisson e Luiz Fernando apostavam na velocidade pelos lados, enquanto Isaque centralizava na construção. E, na área, Diego Souza era o homem da finalização.

Grêmio joga recuado, não produz e vê Católica dominar

A Católica iniciou a primeira etapa com um futebol não condizente com um lanterna de chave. No primeiro minuto, já fazia pressão no ataque e somava duas chances. A equipe chilena chegava na área com muita facilidade, contra um Grêmio que marcava a distância, apenas no campo de defesa. O time brasileiro também não conseguia criar pelo meio, sentindo os desfalques.

Quase 70% de posse de bola para a equipe mandante aos 18 minutos, quando o Tricolor tinha nenhuma finalização, e a bola não chegava em Diego Souza. Luiz Fernando tentava em velocidade pela esquerda, mas não conseguia dar sequência às jogadas, enquanto Alisson vinha apagado pela direita. O Grêmio não era aquele de posse e troca de passes, mas, sim, um time muito recuado.

Do outro lado, a Católica apresentava boa recomposição, compactação, diminuindo espaços para a equipe gaúcha. Destaque para o lateral Fuenzalida, com construção e finalização no meio. Indo para o fim do primeiro tempo, Alisson e Luiz Fernando inverteram os lados. Geromel se lesionou e precisou ser substituído por Rodrigues.

E foi quando o time chileno conseguiu converter a superioridade em gols. Aos 43, cruzamento da esquerda, desvio de cabeça na pequena área, e a bola sobrou para Zampedri, livre, colocar para dentro. Dois minutos depois, Pinares iniciou tabela na entrada da área, invadiu, recebeu, contou com falha de Rodrigues, que não conseguiu tirar, e completou encobrindo Vanderlei em um golaço, abrindo dois de vantagem antes do intervalo. O Tricolor sentiu, continuando com uma sequência de erros individuais na defesa - sete a zero em finalizações a favor da Católica.

O começo do segundo tempo (assim como grande parte dele) parecia replay do primeiro. A equipe da casa pressionava no ataque, com direito a marcação pesada e roubadas de bola. O Grêmio continuava dando espaços, deixando chegar, principalmente dentro da área. Aos seis minutos, Luiz Fernando e Isaque saíram para as entradas de Robinho e Ferreira, na tentativa de ajustar o ataque.

Fuenzalida continuava muito bem, e o setor ofensivo com rápidas trocas de passes, desde o primeiro tempo. A marcação alta não diminuía, assim como a posse de bola: 66% aos 16 minutos. E mais trocas: o volante Darlan deu lugar ao atacante Gui Azevedo, e Alisson, que não se achou em campo deu vez a Rildo. As substituições surtiram efeito, dando alguma presença e movimentação no ataque principalmente com Gui pela direita.

Ariel Holan também resolveu mexer: saíram Saavedra, Pinares e Zampedri para as entradas de Francisco Silva, para marcação, Marcelino Nuñez e Diego Valencia, respectivamente. Aos 40, David Braz recebeu cartão vermelho direto por fazer uma falta como último jogador, o que só piorou uma situação que já estava ruim. Lezcano e Puch também deram lugar a Munder e Buonanotte. Já nos acréscimos, a Católica ainda queria mais. Porém placar fechado: 2 a 0.

Classificação e próximos compromissos

Com a vitória, a Universidad Católica somou seus primeiros pontos, agora com três, mas manteve-se na quarta e última posição. O próximo compromisso é, novamente, pela Libertadores contra o América de Cali na próxima quarta-feira (23) às 21h30.

Já o Grêmio, com a derrota fora de casa, continuou com seus quatro pontos na segunda colocação. O Tricolor Gaúcho volta a campo pelo Brasileirão no domingo (20) às 16h, quando recebe o Palmeiras. Já pela competição continental, o segundo clássico contra o Internacional na quarta-feira (23) às 21h30.

VAVEL Logo