Em jogo eletrizante, Atlético-PR bate Católica no fim e vai às oitavas da Libertadores

Jogo de cinco gols termina com vitória heroica e classificação do Furacão no Grupo da Morte

Em jogo eletrizante, Atlético-PR bate Católica no fim e vai às oitavas da Libertadores
(Foto: AI Atlético Paranaense/Divulgação)
Universidad Católica
2 3
Atlético-PR
Universidad Católica: Toselli; Magnasco, Kuscevic, Maripán, Parot; Manzano (Roberto Gutiérrez), Espinosa, Fuenzalida (Cordero), Buonanotte, Noir; Santiago Silva Técnico Mario Salas
Atlético-PR: Weverton; Jonathan, Paulo André, Wanderson, Sidcley; Otávio, Matheus Rosseto, Lucho González (Carlos Alberto); Nikão, Grafite (Eduardo da Silva), Pablo (Douglas Coutinho) Técnico Paulo Autuori
Placar: 35' 1T, Santiago Silva (1-0) 30' 2T, Eduardo da Silva (1-1) 37' 2T, Douglas Coutinho (1-2) 39' 2T, Noir (2-2) 41' 2T, Carlos Alberto (2-3)
ÁRBITRO: Jonhatan Fuentes (URU), com Miguel Nievas (URU) e Gabriel Popovits (URU)
INCIDENCIAS: Partida válida pela última rodada da fase de grupos da Copa Libertadores, Grupo 4

Improvável e heroico são dois adjetivos que descrevem perfeitamente o Atlético-PR na noite desta quarta-feira (17). Com muita garra, a equipe foi até o Chile, encarou o Universidad Católica de frente e saiu vencedor com o placar de 3 a 2, classificando-se para as oitavas de final da Copa Libertadores.

Com gols de Eduardo da Silva, Douglas Coutinho Carlos Alberto, o Furacão anotou um belo resultado fora de casa e terminou o Grupo 4, considerado o "Grupo da Morte" na segunda colocação, com dez pontos. Os gols do Universidad foram marcados por Santiago Silva Noir.

Defesa falha e Santiago Silva abre o placar

A partida começou muito disputada, com a bola ficando mais parada e no meio de campo do que nas demais áreas do campo. O primeiro susto foi dado pelo Rubro-Negro, que chegou chutando com Sidcley, em bola que desviou na zaga e saiu.

Pouco movimentado, o jogo começou a agitar-se quando Santiago Silva, aos 36', recebeu na entrada da área e bateu forte. O goleiro Weverton não enxergou a bola e, quando deu-se por conta, já havia sofrido o gol que abria o placar no San Carlos de Apoquindo. O time da casa levaria a vantagem para o intervalo.

Autuori brilha e reservas resolvem o jogo

No começo da segunda etapa, o Católica logo assustou. Fuenzalida chegou bem pela ponta e finalizou. A bola desviou levemente em Wanderson e quase entrou, assustando o torcedor.

E se o jogo estava morno, Paulo Autuori tratou de movimentá-lo. Mexeu três vezes, colocou Carlos Alberto, Eduardo da Silva e Douglas Coutinho, que imediatamente o recompensaram. Aos 30', o meia cruzou na cabeça do centroavante croata, que cabeceou para o fundo das redes, empatando o jogo.

A virada também não demorou a vir. Sete minutos depois, Nikão protegeu a bola e lançou Douglas Coutinho, que tocou na saída do goleiro para colocar o Furacão na frente. Mesmo assim, o time se distraiu, e logo depois já voltou a sofrer gol de fora da área, com Noir.

Mas faltava o dele. Carlos Alberto recebeu de Jonathan e bateu colocado, de fora da área para marcar o gol da classificação. O Universidad pressionou no final e tentou vários cruzamentos, sem sucesso. Mesmo com a expulsão do zagueiro Wanderson no final, nada tiraria a classificação do Atlético Paranaense, que com tons de heroísmo, foi às oitavas da Copa Libertadores.