Bruno Rangel sai do banco para resolver e Chapecoense é campeã diante do Joinville

Artilheiro máximo da história da Chape entrou no segundo tempo e marcou o gol de empate no 1 a 1, que deu o quinto título ao time do Oeste catarinense

Bruno Rangel sai do banco para resolver e Chapecoense é campeã diante do Joinville
Chape comemorou diante de seu torcedor o pentacampeonato catarinense (Foto: Divulgação/Chapecoense)
Chapecoense
1 1
Joinville
Chapecoense: Danilo, Gimenez, Thiego, Rafael Lima, Dener; Gil, Josimar, Cleber Santana; Ananias (Maranhão, min. 28/2ºt), Lucas Gomes (Hyoran, min. 46/2ºt), Kempes (Bruno Rangel, min. 20/2ºt). Técnico: Guto Ferreira
Joinville: Agenor; Edson Ratinho, Bruno Aguiar, Rafael Donato, Diego; Naldo (Kadu, min. 34/1ºt), Diones, Diego Felipe (Felipe Alves, min. 20/2ºt); Pereira, Juninho (William Paulista, min. 31/1ºt), Adriano. Técnico: Hemerson Maria
Placar: 0-1, min. 42/1ºt, Diego Felipe. 1-1, min. 24/2ºt, Bruno Rangel
ÁRBITRO: Sandro Meira Ricci, auxiliado por Nadine Schramm Câmara Bastos e Kleber Lucio Gil. Amarelos: Thiego, Neném (CHA); William Paulista, Edson Ratinho (JEC)
INCIDENCIAS: Jogo de volta da final do Campeonato Catarinense 2016, na Arena Condá, em Chapecó, SC. Público: 15.279 torcedores; Renda: R$ 294.920,00

Cinco anos depois, a Chapecoense voltou a comemorar o título do Campeonato Catarinense. O empate em 1 a 1 em casa diante do Joinville, garantiu a quinta conquista da Chape no cenário estadual. Em uma partida que começou debaixo de muita chuva e gramado encharcado, que foi melhorando ao decorrer do primeiro tempo, Diego Felipe abriu o placar para o JEC e Bruno Rangel empatou o jogo no segundo tempo.

Agora os times voltam a campo já na quarta-feira (11), pela segunda fase da Copa do Brasil, às 19h30. A Chapecoense visita o Paraná, enquanto o Joinville joga em casa diante do Ceará.

O primeiro tempo foi de pouquíssimo futebol. A chuva que caiu horas antes do início da partida alagou o gramado e criou muitas poças na Arena Condá. Foram muitos erros, dividias ríspidas e, aos 18, o árbitro Sandro Meira Ricci paralisou o jogo durante 11 minutos. E o gramado melhorou consideravelmente, apesar de que as oportunidades continuaram sendo raras. Ainda na primeira etapa, o técnico do Joinville, Hemerson Maria, fez duas mudanças: saíram Juninho, por opção, e Naldo, por lesão, e entraram William Paulista e Kadu.

Gramado encharcado dificultou partida no primeiro tempo (Foto: Divulgação/Joinville EC)
Gramado encharcado dificultou partida no primeiro tempo (Foto: Divulgação/Joinville EC)

Foram poucas chances, mas, na primeira mais clara, aos 42, Pereira bateu escanteio para a área e Diego Felipe subiu livre de cabeça para abrir o placar para o JEC, que precisava de uma vitória por dois gols de diferença para garantir o título. No fim da primeira etapa, a Chape até tentou chegar, mas nenhum momento assustou realmente Agenor.

Já no segundo tempo, com o gramado em ótimas condições, a Chape passou a dominar a partida. Aos 10, Cleber Santana tentou surpreender na cobrança de falta, a bola desviou na barreira e foi na direção do gol, mas o goleiro do JEC salvou. Três minutos depois, Gimenez lançou para a área, Lucas Gomes dominou e bateu no canto, mas Agenor fez defesa firme.

Aos 22, o Joinville teve sua melhor chance no segundo tempo. Em contra-ataque puxado por Adriano e bola levantada da para a área, William Paulista ajeitou de peito e Pereira bateu forte, mas Danilo salvou a Chape. Mas, na sequência, um balde de água fria nas pretensões tricolores. Após grande passe de Lucas Gomes, Bruno Rangel recebeu com espaço pela esquerda e bateu colocado para empatar o jogo.

A partir daí, a Chapecoense se fechou segurando o resultado, e o Joinville não teve capacidade para furar a defesa verde até o fim do jogo. Assim, de seu gol em diante, a Chape garantiu o seu título de forma relativamente tranquila seu quinto título estadual em 53 anos.