Joinville bate Avaí no clássico catarinense fora de casa e se afasta do Z-4 da Série B

Com gol ainda no primeiro tempo, Coelho é mais eficaz nas finalizações e leva a melhor sobre Leão da Ilha em plena Ressacada

Joinville bate Avaí no clássico catarinense fora de casa e se afasta do Z-4 da Série B
Foto: Divulgação/Joinville
Avaí
0 1
Joinville
Avaí: Renan; Renato, André Santos, Gabriel e João Paulo; Lucas de Sá (Lucas Coelho, min. 85), Jajá (Braga, intervalo) e Tatá (Iury, min. 60); Tauã, William e Romarinho. Técnico: Silas
Joinville: Oliveira; Everton Silva, Bruno Aguiar (Rafael Donato, min. 58), Ligger e Diego; Naldo, Paulinho Dias e Pereira (Fernando Viana, min. 83); Cléo Silva, Gabriel Vasconcelos (Diones, min. 71) e Carlos Alberto. Técnico: Hemerson Maria
Placar: 0-1, min. 15, Carlos Alberto
ÁRBITRO: João Batista de Arruda (RJ). Cartões amarelos: Diego (min. 31), Cléo Silva (min. 61), Everton Silva (min. 67), Braga (min. 69), Oliveira (min. 83) e Renato (min. 88)
INCIDENCIAS: Partida válida pela 8ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro 2016, disputada na Ressacada, em Florianópolis, Santa Catarina

Em situações opostas, Avaí Joinville se enfrentaram na tarde deste sábado (11), no clássico catarinense válido pela 8ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. Dentro da Ressacada, os avaianos foram surpreendidos e batidos pelo JEC por 1 a 0, com gol solitário do meia Carlos Alberto.

Com a derrota, o Leão da Ilha desperdiça a chance de encostar no G-4 e segue na 10ª posição, seguindo com dez pontos ganhos. Já o Coelho, que teve sequência negativa, se recupera e respira aliviado, subindo para a 14ª colocação, indo a nove pontos e se distanciando da zona da degola.

Os times voltam a campo, pela 9ª rodada da Segundona, na próxima terça-feira (14). Os alvi-celestes vão a Belém para encarar o Paysandu às 21h30, na Curuzu, enquanto que os tricolores recebem dentro da Arena o vice-líder Atlético-GO, às 19h15, visando sair com a primeira vitória como mandante.

Joinville é mais eficaz e sai em vantagem no intervalo

Bem como em todo clássico, Avaí e Joinville começaram uma partida muito equilibrada e truncada no meio-campo, indo ao setor ofensivo sem muita criatividade. O início foi de pouca produtividade, dos dois lados, o que deixou o duelo com emoções abaixo das expectativas na Ressacada.

Procurando não se acomodar, mesmo com o mando sendo do rival, o JEC foi eficiente e conseguiu tirar o zero do placar logo na primeira boa chance do jogo. Cléo Silva ganhou da marcação na velocidade e serviu Gabriel Vasconcelos na pequena área, mas o atacante furou. A bola sobrou com Carlos Alberto, que a colocou no fundo da rede.

Continuando com boa postura no ataque, o Coelho seguiu assustando a torcida do Leão da Ilha presente ao estádio. Criador da jogada do - até então - único tento, Cléo Silva foi novamente garçom e tocou na para Paulinho Dias, que bateu com força e obrigou o goleiro Renan a fazer boa defesa.

Logo depois, os avaianos viram a vontade dos visitantes e foram para cima afim de motivar seus torcedores, na única oportunidade criada durante todo o primeiro tempo. Depois de fazer bom lance pelo lado direito, Renato cruzou com perfeição e mirou Romarinho, que vinha caindo pela esquerda. O atleta leonino, porém, não alcançou e a bola passou por toda a extensão.

Joinville segura pressão do Avaí e vence clássico

Para a etapa final, o Avaí voltou mais disposto ofensivamente, após a mudança no setor, pouco produtivo no primeiro tempo. Jajá, que não apareceu no ataque como o técnico Silas esperava, deu lugar a Braga. Com dois minutos de bola rolando, o Leão teve a chance de empatar, quando a bola caiu no pé de William, contudo o camisa 9 bateu para fora.

Seguindo com melhor postura no início do segundo tempo, os donos da casa foram persistentes, porém sem conseguir furar o bloqueio do time visitante. Após cruzamento na pequena área, William resvalou e a sobra ficou com Lucas de Sá, que chutou e a bola foi na mão de Ligger, entretanto a arbitragem nada marcou e mandou seguir. No rebote, Tauã finalizou para fora.

Logo em sequência, os leoninos tiveram nova oportunidade de deixar tudo igual na partida. Lucas de Sá fez boa jogada e, de fora da área, arrematou com muito perigo à meta do goleiro Oliveira. A insistência do alviceleste, no entanto, se limitou à metade da segunda etapa, pois não conseguiram mais empolgar seus torcedores e nem dar sustos no adversário.

Do meio para o fim, Hemerson Maria enxergou que a equipe estava bem segura defensivamente e resolveu administrar e valorizar ainda mais o resultado positivo conquistado distante dos seus domínios. Na reta final, o comandante tricolor ainda colocou em campo Fernando Viana para tentar o segundo tento, todavia não teve boas definições.