Náutico empata com Bragantino em casa e permanece no grupo classificatório à elite

Timbu arranca igualdade no fim com gol de pênalti, evita primeira derrota como mandante e faz Massa Bruta afundar na zona de rebaixamento

Náutico empata com Bragantino em casa e permanece no grupo classificatório à elite
Foto: Ney Gusmão/Vavel Brasil
Náutico
1 1
Bragantino
Náutico: Júlio César; Rafael Pereira, Eduardo, Léo Pereira e Mateus Müller (Tiago Adan, intervalo); Gastón Filgueira, Maylson e Renan Oliveira (Rodrigo Souza, intervalo); Jefferson Nem, Bérgson e Rony (Matheus, min. 67). Técnico: Alexandre Gallo
Bragantino: Felipe; Guilherme Andrade, Rodrigo Sam, Éder Lima e Bruno Pacheco; Gabriel Silva, Daniel Pereira, Watson (Rômulo, min. 74) e Edson Sitta (Leandro Brasília, min. 70); Erick (Eliandro, min. 65) e Claudinho. Técnico: Toninho Cecílio
Placar: 0-1, min. 57, Watson; 1-1, min. 92, Bérgson
ÁRBITRO: Cartões amarelos: Bérgson (min. 60), Claudinho (min. 80) e Daniel Pereira (min. 90)
INCIDENCIAS: Partida válida pela 10ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro 2016, disputada no Arruda, em Recife, Pernambuco

Em partida realizada na tarde deste sábado (18), o Náutico recebeu o desesperado Bragantino buscando manter a invencibilidade como mandante na Série B do Campeonato Brasileiro 2016, em partida pela 10ª rodada. Com uma atuação abaixo do esperado no estádio do Arruda, em Recife, o Timbu arrancou um empate no fim com o Massa Bruta por 1 a 1, com gol de BérgsonWatson descontou.

A igualdade deixou os alvirrubros no G-4, devido aos resultados dos adversários, permanecendo na 4ª colocação, mas indo aos 17 pontos. Os alvinegros, entretanto, caem para a 18ª posição, se afundando na zona da degola, com apenas nove pontos ganhos e duas vitórias, atrás do Goiás por ter marcado menos tentos.

Os times voltam a campo, pela 11ª rodada da Segundona, na próxima terça-feira (21). Os pernambucanos vão até Caxias do Sul encarar o Brasil de Pelotas, no Centenário, às 21h30, já os paulistas recebem o Goiás no Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista, nos mesmos dia e hora.

Equipes criam pouco e vão ao intervalo no zero

O embate começou sem muitas emoções e com muito equilíbrio no início, sendo poucas as chegadas ofensivas dos dois times. A troca de passes não era suficiente para a penetração defensiva, devido à boa postura dos zagueiros. Ainda assim, o Náutico fez valer a presença da torcida e teve a primeira boa chance. Rafael Pereira cruzou da direita no meio da pequena área e Renan Oliveira cabeceou, no entanto para fora.

Pouco depois, Mateus Müller vacilou sozinho e não conseguiu recuar para Júlio César. Watson, atento ao lance, roubou e ficou com a posse, saindo de frente ao goleiro alvirrubro, porém não soube aproveitar bem a jogada individual e foi desarmado pelo próprio Júlio ao sair na cara do gol.

Do meio para o fim, o duelo seguiu tão truncado quanto antes, sem muita movimentação ofensiva e os goleiros sem trabalhar muito. A baixa intensidade no ataque fez o duelo ser abaixo do esperado no primeiro tempo, mas o Timbu ainda teve uma oportunidade de sair em vantagem antes mesmo do intervalo. Depois de saída errada de um defensor alvinegro, Jefferson Nem arrematou de fora da área, contudo mandou por cima da barra.

Bragantino abre o placar, mas Náutico empata no fim

Na etapa final, Gallo resolveu dar melhor posicionamento no meio-campo, que estava mal durante todo o primeiro tempo. O meia Renan Oliveira, que pouco produziu, deu lugar a Rodrigo Souza, uma vez que o atacante Tiago Adan entrou no espaço de Mateus Müller, com Gastón Filgueira retornando à posição de origem.

Nem mesmo as mudanças foram suficientes para ter uma melhora no nível do jogo, pois o ritmo seguiu baixo e com poucas chances sendo criadas. Como quem não quer nada, o Bragantino foi para cima e, explorando uma desatenção da defesa do Náutico, abriu o placar e fez o Arruda ficar sob vaias aos alvirrubros. Edson Sitta cruzou na pequena área e Watson, no meio da marcação, tocou para o fundo do gol, quase perdendo.

Ainda insatisfeito com o comportamento do setor, o comandante do Timbu resolveu fazer a última modificação, buscando dar novo gás. Rony, que não rendeu o esperado, abriu vaga ao jovem Matheus. Já Toninho Cecílio, aprovando a atuação dos comandados, decidiu por manter a postura, tirando Erick e colocando Eliandro em campo.

No primeiro lance em campo, o atacante do Massa Bruta chutou torto no meio da pequena área e tirando do alcance de Júlio César, mas Eduardo, atento, cortou antes da bola cruzar a linha de gol, evitando o segundo dos paulistas. Em seguida, depois de cobrança de falta de Bérgson, Tiago Adan subiu para cabecear, porém sem força e para defesa segura de Felipe.

Já nos acréscimos, os pernambucanos mostraram que foram valentes e foram para cima em busca de achar o empate, buscando garantir a invencibilidade como mandante. De fora da área, Léo Pereira encheu o pé e o volante Daniel Pereira afastou com a mão. Sem titubear, o árbitro apontou para a marca da cal e Bérgson foi para a cobrança. Mesmo batendo mal, o camisa 7 deixou tudo igual e evitou a derrota.