Jean Patrick entra, garante vitória da Ponte Preta sobre Flamengo e deixa degola

Meio-campista entrou no intervalo e precisou de apenas sete minutos para garantir triunfo do time campineiro

Jean Patrick entra, garante vitória da Ponte Preta sobre Flamengo e deixa degola
Foto: Alexandre Schneider/Getty Images)
Ponte Preta
1 0
Flamengo
Ponte Preta: Aranha; Nino Paraíba, Marllon, Luan Peres e Jeferson; Jorge Mendoza (Jean Patrick, min. 46), Elton (Yago, min. 92) e Wendel (Naldo, min. 73); Danilo Barcelos, Emerson Sheik e Lucca. Técnico: Eduardo Baptista
Flamengo: Diego Alves; Pará, Réver, Rhodolfo e Renê; Márcio Araújo (Vinícius Júnior, min. 61), Willian Arão e Diego (Felipe Vizeu, min. 73); Geuvânio (Gabriel, min. 61), Éverton Ribeiro e Lucas Paquetá. Técnico: Reinaldo Rueda
Placar: 1-0, Jean Patrick, min. 52.
ÁRBITRO: Igor Junio Benevenuto (MG), auxiliado por Márcio Eustáquio S. Santiago (MG) e Celso Luiz da Silva (MG) | Cartões amarelos: Jorge Mendoza (PP, min. 38), Márcio Araújo (FLA, min. 46), Wendel (FLA, min. 46), Renê (FLA, min. 63), Jeferson (PP, min. 74), Pará (FLA, min. 74), Danilo Barcelos (PP, min. 75) e Luan Peres (PP, min. 79) | Cartão vermelho: Naldo (PP, min. 81)
INCIDENCIAS: Partida válida pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série A 2017, na noite desta segunda-feira (2), no Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas/SP

Um jogo com muitas entradas duras, poucas finalizações e qualidade técnica muito abaixo do considerado normal. Porém, nada mais importante para o torcedor da Ponte Preta do que o resultado obtido pelo time campineiro na noite desta segunda-feira (2). Em jogo válido pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série A 2017 e disputado no Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas/SP, a Macaca venceu o Flamengo por 1 a 0. O gol foi marcado por Jean Patrick, que precisou de sete minutos para balançar as redes e dar um triunfo importante ao clube paulista.

Com o resultado, a Macaca respira um pouco mais aliviado em relação ao rebaixamento, sobe para o 15º lugar, com 31 pontos ganhos, e deixa a zona da degola. Por outro lado, o rubro-negro carioca estaciona na sétima posição, com 39 pontos.

A próxima rodada será realizada daqui a dez dias por causa da realização das Eliminatórias para a Copa do Mundo 2018 e as equipes entram em campo às 17 horas da quinta-feira (12) com confrontos regionais. A Ponte Preta encara o Santos em mais um jogo no Moisés Lucarelli, enquanto o Flamengo encara o arquirrival Fluminense no Fla-Flu a ser disputado no Maracanã.

Foto: Alexandre Schneider|Getty Images

Muitas faltas, pouco futebol

Os dois times começaram a partida com a exploração das laterais para criar jogadas ofensivas e chegar às metas adversárias. A primeira boa chance de gol veio com os mandantes, quando Emerson Sheik passou por Renê, avançou e cruzou na medida para Lucca desviar de cabeça. A zaga não cortou e o centroavante desviou à direita de Diego Alves. A ótima oportunidade desperdiçada fez falta.

O Flamengo respondeu e quase abriu o marcador. Renê deu excelente cruzamento para Willian Arão, mas o volante errou o alvo no cabeceio. O time carioca, mesmo fora de casa, tinha mais posse de bola, tocava mais passes no meio de campo, se soltava na partida e tinha relativo domínio no jogo. Domínio apenas no sentido de ter a bola nos pés, mas faltou ofensividade. Por outro lado, a Macaca se posicionava em busca do contra-ataque.

Foram as duas chances de todo o primeiro tempo, que faltou finalizações objetivas e as 21 faltas cometidas pelas duas equipes protagonizaram a primeira etapa. Em um jogo de baixíssima qualidade técnica, pelo menos no primeiro tempo, faltou futebol.

Foto: Alexandre Schneider|Getty Images

Jean Patrick entra e garante vitória campineira

Na volta do intervalo, o técnico Eduardo Baptista tirou o estreante Jorge Mendoza, completamente apagado na etapa inicial, e promoveu a entrada de Jean Patrick com o objetivo de dar maior mobilidade ao time da casa e proporcionar mais jogadas e, consequentemente, abrir vantagem no placar. O segundo tempo começou bem mais movimentado que o primeiro por ter dois lances de perigo nos primeiros três minutos de jogo. Primeiro, a Ponte cobrou falta com Lucca e Diego Alves se esticou todo para evitar um golaço. Em seguida, Geuvânio deixou Lucas Paquetá livre, mas o atacante chutou por cima do gol.

Na resposta campineira, Jean Patrick fez valer a boa escolha do treinador quando foi decisivo em tão pouco tempo. Aos sete minutos, Nino Paraíba cruzou, Wendel ajeitou para Jean Patrick finalizar. A bola desviou em Réver, entrou no canto direito e o placar foi aberto em Campinas. O gol animou a Ponte Preta, que cresceu no segundo tempo e impossibilitou qualquer ação do Flamengo. Por isso, Reinaldo Rueda colocou Gabriel e Vinícius Júnior para partir em busca do empate.

Porém, o rubro-negro quase se complicou ainda mais na partida, quando Willian Arão recuou mal e Réver derrubou Lucca dentro da área. A arbitragem assinalou penalidade máxima aos 17 minutos. Porém, o centroavante bateu mal e Diego Alves destacou sua fama de defender pênaltis ao evitar que a vantagem dos mandantes fosse ampliada.

Se a entrada de Jean Patrick foi certeira, a de Naldo foi completamente o oposto. O meia substituiu Wendel aos 28 minutos para dar novo fôlego no meio de campo e controlar o jogo. Porém, oito minutos depois, o jogador foi em cheio com as travas da chuteira na perna de Vinícius Júnior e recebeu cartão vermelho direto pela entrada dura.

A reta final do jogo repetiu a primeira etapa. Muitas faltas, muitos cartões e pressão do Flamengo. Porém a quantidade de jogadores de qualidade no setor ofensivo rubro-negro foi inversamente proporcional aos chutes para buscar o empate. Finalizações ruins, que sequer ameaçavam o goleiro Aranha, pouco acionado em todo o jogo, garantiu a vitória da Ponte Preta, fundamental para aliviar um pouco a crise.

Ponte Preta