Holly Holm aplica nocaute e vence Bethe Correia no UFC Singapura

O Ultimate Fighting Championship retornou a Singapura neste sábado (17) para receber na luta principal Holly Holm e Bethe Correia. Os europeus Andrei Arlovski e Marcin Tybura foram destaques na luta co-principal. Nos meio-médios, Dong Hyun Kim versus Colby Covington e ainda teve, na mesma categoria, a estreia de Rafael dos Anjos, diante de Tarec Saffiedine. O card principal não teve grandes emoções nas lutas, mas foi marcado por um nocaute que pode entrar entre os maiores do ano.

Na luta principal do UFC Singapura, a ex-campeã dos galos Holly Holm encarou a ex-desafiante Bethe Correia. Em combate morno, Holm aproveitou um momento de desatenção da brasileira e mandou um chute alto que encerrou a luta por nocaute. Um legítimo momento de highlight. Holly Holm se recuperou após três derrotas seguidas, enquanto Bethe segue sem vencer. A potiguar vinha de um empate diante de Marion Reneau.

O começo de luta foi bastante estudado entre as atletas, com muita pouca ação. Holm começou a cercar Bethe e seus principais ataques foram pisões laterais na linha de cintura da brasileira. O final de round teve um princípio de intensidade na trocação, com bons contragolpes de Bethe. O segundo segmento da luta teve um aumento na movimentação e volume de golpes por parte das atletas, que começaram a se soltar mais. Ainda assim, o público não se sentiu cativado pelo que via.

O roteiro do round um se manteve, com Holly cercando, buscando golpes, e Bethe mais ativa no papel de contragolpeadora. O árbitro central ainda chamou a atenção das atletas pela falta de combatividade. No final do round dois, Bethe conseguiu o clinch pelas costas, mas não teve tempo para progredir. O round três parecia que iria manter o padrão dos dois anteriores. Mas  a paraibana começou a provocar Holly Holm, baixou a guarda e a ex-campeã acertou um belíssimo chute alto em cheio no rosto da brasileira, que foi a nocaute após um golpe de esquerda que completou o serviço.

Veterano, Arlovski perde quitna consecutiva

Na luta co-principal, um embate europeu entre o polonês Marcin Tybura e o bielorrusso Andrei Arlovski, pelos pesos-pesados. Após um bom começo e uma segunda parte complicada, Tybura se recuperou no round final e venceu por decisão unânime (29-28, 28-27 e 29-27). Foi a terceira vitória seguida de Tybura no UFC. Arlovski amarga sua quinta derrota seguida na carreira, sua pior sequência.

A luta começou com estudo dos lutadores, Arlovski acertou bom chute rodado em Tybura. A luta foi para o chão ainda no primeiro minuto, com vantagem de posição para o polonês. Arlovski travou a movimentação de Tybura fechando a guarda, mas abriu o travamento e deu espaço para Tybura progredir para a montada e atacar no ground and pound com violência. O polonês manteve a sessão de castigo para cima de Arlovski, mas sempre buscando uma finalização. O final do round foi emocionante, com a saída da luta do chão. Arlovski conseguiu se recuperar e partiu pra cima de Tybura, conseguindo abalá-lo com vários golpes em pé, mas o polonês foi salvo pelo gongo.

O segundo round começou com Arlovski indo com tudo pra cima de Tybura. A luta foi travada no clinch, Arlovski controlou a posição até conseguir espaço para bater na trocação. Aproveitando-se do cansaço de Tybura, o bielorrusso começou a controlar as ações, com domínio posicional sem grande efetividade no clinch. O árbitro pediu mais combatividade para os atletas e a luta voltou a ficar de pé. O round terminou com mais controle de Arlovski no clinch. O último round começou como terminou o segundo segmento da luta, com muito clinch. Desta vez, Tybura conseguiu derrubar Arlovski e tomou o controle de posição no chão. O polonês conseguiu progredir para uma montada e manteve o controle das ações, mesmo quando Arlovski dava as costas para tentar escapar.

Americano vence em luta amena

A segunda luta do card principal teve o encontro entre o americano Colby Covington e o veterano Dong Hyun Kim, pelos meio-médios. Covington simplesmente passeou sobre Kim, fazendo uso de uma estratégia de muita pressão na luta agarrada. O americano não deu qualquer espaço para o sul-coreano e venceu por decisão unânime (30-25, 30-26 e 30-27). Com a vitória, Colby Covington emplacou seu quarto sucesso consecutivo no UFC, enquanto Dong Hyun Kim teve uma sequência de três vitórias quebrada pelo americano.

O round inicial logo teve os atletas partindo para a luta agarrada. Covington travou Kim pelas costas, com o objetivo de derrubar o sul-coreano, e somente com muita insistência pode derrubá-lo. O americano pressionou bastante Kim na tela, mas abriu espaço para o sul-coreano levantar e levar pro clinch. Após mais de quatro minutos de luta mais travada, os atletas tiveram um momento fugaz de trocação. Covington conseguiu mais uma queda nos 15 segundos finais e manteve a vantagem.

O segundo round começou com rápido momento de trocação. Com menos de um minuto, Covington já buscou a queda, mas Kim conseguiu um sprawl e atrasou a derrubada, que veio a acontecer no minuto seguinte. Após a luta voltar a ficar de pé, Covington acertou uma bela esquerda em Kim, que balançou. O americano partiu pra cima e manteve a sequência, acertando ainda uma joelhada na linha de cintura do sul-coreano. Quando Covington tentava mais uma queda, Kim surpreendeu com uma queda. Contudo, o sul-coreano perdeu a posição e Covington recuperou a vantagem posicional no clinch pelas costas.

No round final, o americano acertou um bom direto em Kim logo nos segundos iniciais. Covington conseguiu controlar a distância, acertando bons golpes no sul-coreano conforme ele se aproximava de seu raio de ação. Na entrada do terceiro minuto, Covington conseguiu mais uma queda, mas em seguida partiu para o clinch pelas costas. Após uns momentos mais travados, Dong Hyun Kim conseguiu uma bela queda no minuto final. Mas logo o controle posicional esteve com Covington, mais uma vez com o clinch pelas costas. 

Dos Anjos vence em estreia nos meio-médios

A luta de abertura do card principal teve o ex-campeão dos leves Rafael dos Anjos. Ele enfrentou o belga Tarec Saffiedine, pela divisão meio-médio. Após duas derrotas seguidas, Rafael conseguiu uma recuperação no UFC e venceu por decisão unânime (duplo 30-27 e 29-28). Foi a primeira vitória de Rafael desde dezembro de 2015, quando arrasou Donald Cerrone em sua primeira defesa de cinturão nos leves. Já Saffiedine termina por amargar sua terceira derrota consecutiva no UFC. 

O round inicial começou movimentado, com os dois atletas trocando bastantes chutes. Em uma tentativa de chute, Rafael escorregou e foi derrubado por Saffiedine. O belga permaneceu por cima, mas não foi efetivo, inclusive levou uma tentativa de kimura. Rafael conseguiu se livrar da desvantagem posicional, e a luta partiu para o clinch. Após algumas trocas de golpes, Rafael conseguiu um double leg e levou a luta pro chão. Na tentativa de uma kimura, perdeu o controle no chão e a luta voltou a ficar de pé. Rafael conseguiu uma boa joelhada voadora e travou Saffiedine do clinch. O primeiro round terminou com uma boa sequência do niteroiense na trocação.

O segundo round começou tão movimentado quanto o primeiro. Rafael tentou um double leg no belga, mas incrivelmente Saffiedine conseguiu ficar de pé. A luta foi para o clinch e permaneceu assim por mais da metade do round, com Rafael dos Anjos buscando joelhadas sobre Saffiedine. O terceiro e último round foi bastante agressivo por parte dos dois atletas. A intensidade e o volume de golpes foi bastante considerável, sendo que na maior parte do tempo quem buscou pressionar foi Rafael dos Anjos. Na metade final do round, o combate permaneceu com troca de golpes entre os atletas e com momentos de clinch. 

Card preliminar recheado

Na luta que fechou o card preliminar, Jon Tuck derrotou o veterano Takanori Gomi, por finalização - através de um mata-leão, ainda no primeiro round. A luta foi válida pelos leves. Pelos pesados, Walt Harris nocauteou Cyril Asker no primeiro round. A vitória veio com cotoveladas vindas da guarda. Na divisão dos penas, Alex Caceres superou Rolando Dy por nocaute técnico, após decisão médica ao final do segundo round. O japonês Ulka Sasaki derrotou Justin Scoggins por finalização - um mata-leão -, na segunda metade do segundo round, em combate válido pelos moscas.

O chinês Li Jingliang derrotou Frank Camacho por decisão unânime dos jurados (29-27 duplo e 28-27), em luta válida pela divisão dos meio-médios. Pelos galos, Russell Doane nocauteou Kwan Ho Kwak no último minuto do primeiro round. As duas lutas que abriram o evento terminaram na decisão. Naoki Inoue superou Carl John de Tomas por unanimidade (30-26 triplo) em um combate realizado em peso-casado, e Lucie Pudilova venceu Ji Yeon Kim por decisão dividida (29-28 triplo), em luta válida pelo peso-galo feminino.

VAVEL Logo