Benfica x Sporting: Eternos rivais disputam Supertaça quase 28 anos depois
Silvinho - na imagem, a representar o Sporting na Taça de Portugal de 1986/87 - esteve em destaque, marcando nas duas partidas. (FOTO: Autor desconhecido)

Benfica x Sporting: Eternos rivais disputam Supertaça quase 28 anos depois

A prova não opunha águias e leões desde Dezembro de 1987, altura em que o troféu ainda era decidido em duas mãos.

pedrocorreia
Pedro Correia

A 37ª edição da Supertaça Cândido de Oliveira, que este Domingo coloca frente-a-frente o campeão em título (Benfica) e o vencedor da Taça de Portugal (Sporting), no Estádio do Algarve, reúne todas as condições necessárias para um grande espectáculo de futebol, na abertura da temporada 2015/16.

Perspectiva-se um grande jogo este domingo. (FOTO: FPF)

Se, por um lado, o encontro se reveste de um interesse especial por ser inevitavelmente associado ao primeiro confronto de Jorge Jesus com o clube que orientou nos últimos 6 anos, por outro, trata-se de um duelo entre águias e leões como não se via desde 1987.  

De facto, se quisermos relembrar a última supertaça entre Benfica e Sporting temos de recuar quase 28 anos, até ao dia 6 de Dezembro de 1987. Numa altura em que o vencedor do troféu ainda era ditado pelo resultado agregado de duas mãos, foi o Sporting a levar a melhor sobre os encarnados: os leões venceram por 0-3 no Estádio da Luz a 6 de Dezembro de 1987, consumando a vitória duas semanas depois, com um golo de Silvinho a ditar o 1-0 em casa, frente a um Benfica incapaz de operar uma reviravolta e conquistar a taça. À data, o Benfica era treinado por Toni, o Sporting por Keith Burkinshaw e apenas se podiam realizar 2 substituições nos 90 minutos.

Os jogadores festejam, em Alvalade, a Supertaça conquistada em 1987.

Supertaça 1987 | 1ª mão - Benfica 0-3 Sporting

Árbitro: Sepa Santos (Lisboa)
Onze inicial SL Benfica: 
Manuel Bento (C); Carlos Mozer, Carlos Pereira, Edmundo, Carlos Manuel; Adelino Nunes, Elzo, Tueba Menayane (60', Mats Magnusson), Fernando Chalana (73', Wando); Rui Águas, Chiquinho Carlos.

Onze inicial Sporting CP: Jorge Vital; Fernando Mendes, João Luís, Virgílio Lopes (C) (68', Mário Marques), Duílio, António Morato; Carlos Xavier, Mário Jorge, Silvinho; Tony Sealy (68', Marlon Brandão), Paulinho Cascavel.

Na 9ª edição da prova, o Sporting dirigiu-se ao Estádio da Luz para disputar com os rivais uma vitória que podia ser fundamental na atribuição do troféu e o marcador evoluiu cedo para o lado leonino. Logo aos 20 minutos, o defesa benfiquista Edmundo acabaria por conceder um auto-golo, um pouco contra a corrente de jogo. Após um livre sobre o lado esquerdo, o guarda-redes Manuel Bento saiu em falso e Duílio aproveitou para tocar para o corredor central, onde Edmundo acabaria por ser infeliz e introduzir o esférico na sua própria baliza, na passada.

O Benfica procurava o empate mas, ainda que estivesse melhor a atacar do que a defender, fê-lo sem sucesso. No terço mais recuado do terreno, Bento não estava nos seus dias e demonstrava, quer entre os postes, quer a sair, falta de entendimento com os centrais. Ao intervalo, valia o auto-golo de Edmundo e a forma como o Sporting ia evitando o empate do Benfica. Já na segunda parte, as águias continuavam a não conseguir facturar, contribuindo, para isso, grandes defesas de Vital ou alívios dos defesas leoninos em situações de golo iminente

Perante tantas possibilidades de igualar o marcador desperdiçadas, o Benfica acabaria por sofrer o segundo. Aos 72', numa jogada típica de contra-ataque, Silvinho combinou com Mário, que lhe devolveu a bola entre os dois centrais encarnados, para o brasileiro armar um remate certeiro, de pé esquerdo, perante a saída inglória de Bento. O Benfica sofria o segundo e o Sporting soube aproveitar o momento para, seis minutos depois, marcar novamente: mais um lance de contra-ataque, desta feita com Fernando Mendes a cruzar para Paulinho Cascavel, que não teve problemas em colocar o esférico pela terceira vez nas redes de Bento.

Após o último golo, o Sporting dominou a partida até ao final do tempo regulamentar e acabou por sair vencedor face a um Benfica perdulário, recorrendo, para isso, a dois contra-ataques infalíveis e a muita disciplina táctica.

Supertaça 1987 | 2ª mão - Sporting 1-0 Benfica

Árbitro: Fernando Alberto (Porto)

Onze inicial Sporting CP: Jorge Vital; António Morato, João Luís, Virgílio Lopes (C), Duílio; Oceano, Mário Jorge, Carlos Xavier (79', Marlon Brandão), Silvinho; Tony Sealy (72', Mário Marques), Paulinho Cascavel.

Onze inicial SL Benfica: Silvino (C); Álvaro Magalhães, Carlos Pereira, Edmundo; Elzo, Shéu (C), Adelino Nunes, Wando (82', António Pacheco), Tueba Menayane (72', Rui Águas); Mats Magnusson, Chiquinho Carlos.

Na segunda mão desta Supertaça, era o Benfica que tinha de lutar pela taça e, entre várias alterações, Toni optou por apostar em Silvino em detrimento de Bento, que estava num mau momento de forma. O primeiro golo da partida voltaria a acontecer ao minuto 20. O Sporting utilizava mais uma jogada de contra-ataque para chegar ao golo: Carlos Xavier, ainda antes do meio-campo, lançou Paulinho Cascavel, que passou a bola entre dois defesas, servindo Silvinho para o único golo da noite. 

Vindo de uma derrota significativa em sua casa, o golo madrugador do camisola 11 do Sporting parecia deixar o Benfica sem hipóteses de conquistar a Supertaça de 1987 e o jogo foi-se desenrolando, entre oportunidades falhadas de ampliar a vantagem, por parte do Sporting e a incapacidade de fazer face a uma desvantagem tão grande por parte dos encarnados. 

Já perto do final, porém, o Benfica poderia ter empatado o jogo, mas Pacheco permitiu a defesa de Vital e, de seguida, a defesa dos leões aliviou a bola para longe. Aos 89', foi a vez de Paulinho Cascavel falhar o 2-0, com a bola a passar a centímetros do poste direito da baliza de Silvino. 

Deste modo, considerando o resultado das duas mãos, na última vez que as duas equipas se enfrentaram nesta competição, o Sporting sagrou-se vencedor da Supertaça Cândido de Oliveira.

Oceano e Paulinho Cascavel com a Supertaça.

O regresso do derby à Supertaça

Quase 28 anos depois, o Benfica já conquistou 5 Supertaças - é o actual detentor do troféu -, tendo saído derrotado 11 vezes. Por sua vez, o Sporting venceu 7 e só perdeu em 1980, frente ao Benfica.

Jorge Jesus e Rui Vitória disputam a Supertaça 2015. (FOTO: José Coelho/LUSA e Tony Dias/GLOBAL IMAGENS)
Jesus e Vitória disputam a Supertaça 2015. (FOTO: José Coelho/LUSA e Tony Dias/GLOBAL IMAGENS)

As equipas enfrentam-se este domingo, dia 9 de Agosto, às 20:45, no Estádio do Algarve, num jogo arbitrado pelo árbitro internacional Jorge Sousa. Acompanhe os desenvolvimentos deste tema em Vavel Portugal.

VAVEL Logo
CHAT