Bélgica cala os críticos e garante colocação entre os quatro melhores da Copa

Seleção entra em campo ciente de ter feito uma ótima campanha e que conseguiu ir mais longe do que muitos achavam que eles seriam capazes

A seleção belga entra em campo contra a França nesta terça-feira (10), no Estádio São Petersburgo. Mas diferente da sua adversária, a Bélgica tem um pequeno peso em cima de si, afinal procura manter a história das Copas do Mundo de pé uma vez que desde 1990 quem elimina o Brasil sempre chega até a final. Quando perguntado sobre a vitória em cima da seleção brasileira, o meio-campista Chadli disse que isso deu a eles confiança.

"Foi um grande passo vencer o Brasil, e isso nos dá confiança. Agora todos acreditam que podemos conseguir. Estamos orgulhosos do que podemos alcançar. Nós jogamos para ganhar, e não pensamos no futuro, apenas no presente. O importante é o que faremos agora", pontuou Chadli.

Mas, sem dúvidas chegar à semifinal da Copa do Mundo de 2018 é um marco histórico para a seleção. Mesmo com 12 participações na competição, essa é somente a segunda vez em que eles chegam à semifinal, e a melhor colocação da Bélgica é o quarto lugar, na copa do México em 1986; desde lá até a última participação em 2014, a equipe sempre foi desclassificada antes das semifinais nas poucas vezes em que conseguiu sair da fase de grupos.

Por ter um histórico considerado ruim, e jogadores que são subestimados mesmo com boas atuações pelos clubes em que jogam, os críticos chamavam a seleção de fraca e diziam que não iria longe nessa edição da copa. Uma das formas como a equipe foi chamada por muitos para mostrar sua fraqueza foi "Seleção PlayStation", dizendo que seus jogadores serviam para um jogo de vídeo-game mas que dentro de campo não jogavam bem.

Mesmo com a pressão e as críticas, os jogadores e a comissão técnica mostraram serviço nessa edição do Mundial, afinal a seleção é considerada como favorita por muitos por ter o melhor desempenho da Copa; com cinco vitórias em cinco jogos, 14 gols e ter eliminado o Brasil nas quartas de final, que era uma das seleções tidas como favorita antes do começo do campeonato, junto com a última campeã Alemanha, a vice-campeã Argentina e a Espanha.

Falando sobre o favoritismo, o zagueiro Vermaelen mostrou que se sente orgulhoso por chegarem longe, assim como o companheiro Chadli. "Nós somos um dos favoritos porque estamos na semifinal. E temos que acreditar nas nossas chances. Estamos orgulhosos do que fizemos até agora, pois chegamos à semifinal. Nós queremos ir mais longe e não desistiremos. Queremos aproveitar a chance de ir à final e, eventualmente, ganhar", afirmou.

O elenco da Bélgica é forte e conseguiu provar o seu valor durante a competição. Mas assim como nos grandes times europeus, as seleções também tem jogadores que se destacam. É bom ficar atento aos seguintes jogadores, que são fortes engrenagens belgas: Eden Hazard, o capitão; Romelu Lukaku, artilheiro do time; Kevin De Bruyne, que dita o ritmo da equipe; e Axel Witsel, pois todos podem ter uma grande influência no placar e no andamento do jogo contra a França.