Sob olhares de Rueda, Flamengo encara embalado Botafogo no Nilton Santos
O último confronto entre os dois o placar não saiu do zero (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)

Na noite da próxima da quarta-feira (16), Botafogo e Flamengo se enfrentam pela jogo de ida da semi-final da Copa do Brasil, no Estádio Nilton Santos, às 21h45 (horário de Brasília). Vindos de momentos bastante diferentes, as equipes duelam visando a final da competição.

O Botafogo está embalado pelo bons resultados que vem obtendo na temporada, principalmente nos jogos dentro de casa. Além de ter conseguido reverter o placar contra o Atlético-MG, vencendo o jogo por 3 a 0 - havia perdido o primeiro por 1 a 0, o Alvinegro já tem vaga garantida nas quartas de final da Libertadores e enfrenta o Grêmio.

Já o Rubro-Negro está passando pela sua pior fase em 2017. Nos últimos seis jogos, o time só venceu uma partida, e foi sobre o modesto Palestino, na Copa Sul-America. A má fase resultou na demissão de seu ex-técnico Zé Ricardo. O Fla que no primeiro semestre foi eliminado ainda na fase de grupos da Libertadores, chegou às semis da Copa do Brasil perdendo para o Santos, mas por conta dos gols fora de casa avançou de fase.

Esta será a quarta partida entre Bota e Fla em 2017. Até agora foram duas vitórias rubro-negra (ambas por 2 a 1), pelo Campeonato Carioca e um empate sem gols no Brasileirão.

Polêmicas e mais polêmicas

O Botafogo é o único entre os quatro grandes clubes cariocas que não possui o título da Copa do Brasil. Chegar a final da competição seria mais um enorme feito do time comandado por Jair Ventura que vem orgulhando os seus torcedores. A última vez que o Glorioso participou de uma final de torneio nacional foi em 1999, quando perdeu o título para o Juventude, em um Maracanã lotado, com mais de 100 mil pessoas.

Desde que a semifinal foi decidida, a partida já foi motivo para diversas polêmicas: o péssimo relacionamento entre as diretorias, o presidente do Glorioso, Carlos Eduardo Pereira, recentemente disse que o Rubro-Negro era "sistematicamente favorecido", CEP também defendia que os clássicos deveriam ser de torcida única e a questão da venda e divisão dos ingressos, foram aumentando cada vez mais a rivalidade entre os dois clubes, que desde o caso Willian Arão não vêm se "bicando".

Ainda sobre as polêmicas, ontem (14), o goleiro Gatito Fernandez concedeu uma entrevista coletiva e preferiu se esquivar de comparações feitas ao goleiro do Flamengo, Diego Alves.

"Não sei com certeza [quem defende mais pênaltis], por enquanto estou fazendo bem meu trabalho e isso me deixa mais tranquilo. Para mim seria melhor classificar sem chegar nos pênaltis, para chegar mais tranquilo para o próximo jogo. Infla mais ser um clássico, pela rivalidade hoje em dia. Não quero criar polêmica nem nada porque tem tido violência. Rivalidade tem que ser dentro de campo.", disse.

E ainda perguntado sobre o favoritismo botafoguense, o arqueiro disse que apenas estão melhor fisicamente do que os confrontos anteriores.

"Não é favorito. A gente chega em uma situação diferente (fisicamente), mas acho que esse tipo de jogo não tem favorito. Dessa vez nosso time chega mais descansado, nos dois jogos anteriores tínhamos chegado de viagem. Agora estaremos 100%, nossa chance de levar um bom resultado estão aí. E mata-mata estamos sabendo jogar, isso nos dá mais confiança.", declarou o goleiro.

Na partida contra o Grêmio, Gatito defendeu um pênalti (Foto: Reprodução/Facebook/Botafogo FR)
Na partida contra o Grêmio, Gatito defendeu um pênalti (Foto: Reprodução/Facebook/Botafogo FR)

Recuperar um ano quase perdido

Num momento bastante difícil, o Flamengo joga todas as suas fichas nas copas (Brasil e Sul-Americana), já que praticamente não tem mais chances de títulos no Brasileirão. Mas para salvar um ano decepcionante, o Flamengo só precisa de apenas quatro jogos (semi e final) e mudar o clima para 2018. A classificação para a final iria retomar a tranquilidade rubro-negra e a esperança de um grande título num ano com enorme investimento no futebol - foram R$59 milhões gastos em contratações.

Para o jogo de quarta, talvez o Fla estreie o seu novo treinador, Reinaldo Rueda. Mas para isso acontecer, o clube corre atrás do visto de trabalho (provisório ou definitivo), para que Rueda e seus auxiliares possam trabalhar. A diretoria já está em busca do documento e estão confiantes de que poderá contar com o colombiano na beira do campo do Estádio Nilton Santos. E em entrevista coletiva da sua apresentação, o técnico falou sobre o confronto contra o Bota.

"Primeiro, respeitamos o momento do rival. Mas sabendo a filosofia do Flamengo. O futebol moderno exige essa agressividade para enfrentar esses rivais. A seleção brasileira está mostrando isso. Mudou, não somente jogo bonito. Tem que ser agressivo e intenso para conseguir os objetivos", projetou o técnico.

Mas mesmo que esteja no banco comandando os jogadores, Reinaldo Rueda terá desfalques de peças importantes para partida. Diego Alves, Rhodolfo, Éverton Ribeiro e Geuvânio não poderão jogar, pois os jogadores não foram inscritos na competição. Além deles, o colombiando também não poderá contar com Paolo Guerrero, que não se recuperou de uma lesão na coxa e segue em recuperação - atacante ainda é dúvida para o jogo da volta.

"Desde o avião vim fazendo possíveis escalações. Tem quatro que não podem jogar, que foram inscritos depois, alguns que não se recuperaram. É tarefa para hoje e amanhã. (segunda e terça-feira) Fazer o 11 inicial e que esses 11 na quarta possam buscar um resultado", disse Rueda. 

Guerrero está fora da partida de quarta-feira, contra o Botafogo (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)
Guerrero está fora da partida de quarta-feira, contra o Botafogo (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)
VAVEL Logo