De volta ao Agreste: Náutico é mandante no Lacerdão depois de oito anos
Em 2009, no Lacerdão, o Náutico bateu o Santo André por 2 a 1 diante de 13.434 torcedores (Foto: Divulgação/Twitter)

Neste sábado (23), em partida válida pela 25ª rodada da Série B 2017, o Náutico recepciona o Internacional no Estádio Luiz José de Lacerda, o "Lacerdão", em Caruaru, município da região do Agreste de Pernambuco. Os alvirrubros conhecem muito bem o palco do jogo deste final de semana. Não apenas por causa dos tradicionais embates com Central e Porto no Campeonato Pernambucano, mas também porque o Timbu já jogou como mandante na principal praça esportiva da Capital do Forró. Na 18ª rodada da Série A 2009, o escrete da Rosa e Silva mediu forças com o Santo André no próprio Lacerdão.

Naquela oportunidade, o Gigante do Capibaribe teve Caruaru como sua casa por um motivo nada agradável. Foi punido com a perda de um mando de campo após uma garrafa ser atirada em uma radialista no clássico nordestino contra o Vitória, no Estádio dos Aflitos, que terminou empatado em 1 a 1.

Agora, o panorama é bem diferente. Com três compromissos do mês de outubro, contra Boa Esporte (30/09), Guarani (14/10) e ABC (21/10), agendados para o Lacerdão, devido à realização de eventos religiosos na Arena de Pernambuco, a diretoria do Náutico decidiu transferir, também, o embate com o Inter para o Agreste.

Vale lembrar que Santa Cruz e Sport recusaram ceder suas respectivas casas, o Arruda e a Ilha do Retiro, ao Alvirrubro. E que os Aflitos passa por um processo de reforma cuja conclusão está prevista para 2018. Portanto, a alternativa encontrada pela alta cúpula vermelha e branca foi o estádio do Central. Oito anos depois, a "Capital do Agreste" voltará a ficar vermelha e branca em um confronto de dimensão nacional.

Com dois gols de Carlinhos Bala, Náutico superou o Santo André por 2 a 1 em Caruaru, pelo Brasileirão Série A de 2009

Depois de empatar com o Flamengo em 1 a 1, em pleno Maracanã, e vencer o Corinthians por 1 a 0, nos Aflitos, o Timbu recebeu o Santo André no reduto da Patativa, às 18h30 do dia 8 de agosto de 2009. Mais de 13 mil torcedores, entre moradores da região e cidadãos da Região Metropolitana do Recife que viajaram pela BR-232, compareceram ao Lacerdão para empurrar o time vermelho e branco do Recife rumo à vitória. O público total, mais precisamente, foi de 13.434 pessoas.

O confronto direto na luta contra o rebaixamento não prometia ser fácil. Logo no primeiro minuto, dor de cabeça para os marsupiais. O zagueiro Asprilla derrubou o atacante Nunes dentro da área, e o árbitro apontou a marca da cal. O veterano meio-campista Marcelinho Carioca partiu para a cobrança e parou nas mãos do goleiro Glédson. Uma motivação a mais para os mandantes buscarem os três pontos e ganharem força na briga para fugir das últimas posições.

Ainda no primeiro tempo, o time paulista, comandado por Alexandre Gallo na época, voltou a assustar, novamente com Marcelinho Carioca. Dessa vez, em cobrança de escanteio que carimbou a trave.

A sorte parecia mesmo estar ao lado dos timbus. E o Náutico saiu na frente no segundo tempo. Justiça para quem tomara o controle do jogo no final dos 45 minutos iniciais, com Carlinhos Bala obrigando Neneca a fazer grande defesa e Márcio Barros anotando um gol o qual viria a ser anulado. No terceiro minuto da etapa complementar, Anderson Santana avançou pela esquerda e cruzou rasteiro. A bola passou pela área e encontrou Carlinhos Bala. O folclórico atacante inaugurou o marcador.

O atacante Carlinhos Bala foi o grande destaque do triunfo do Náutico frente ao Santo André, em Caruaru, na Série A 2009 (Foto: Reprodução/YouTube)

O gol obrigou o Santo André a sair para o ataque. E, em um contra-ataque fatal, o Alvirrubro da Rosa e Silva ampliou sua vantagem no placar. Gilmar, o único remanescente daquele jogo que está no elenco atual, partiu em velocidade e deixou seu companheiro de posição na cara de Neneca. Bala chutou forte e acertou o ângulo. Golaço. O segundo tento do atacante naquela noite de sábado.

Quando o duelo parecia sob controle, o lateral Michel foi expulso. Em vantagem numérica, o Ramalhão pressionou. Tentou mudar a história do confronto. Contudo, o máximo que conseguiu foi um gol de honra nos acréscimos. No lance, Gustavo Nery arriscou de fora da área e a bola passou por baixo de Glédson.

Àquela altura, o Náutico, treinado por Geninho, mostrava franca recuperação e respirava na primeira divisão do Brasileirão. E é nessas mesmas condições, porém na Série B, que o Timbu receberá o Inter de Porto Alegre neste sábado. Agora, o comandante é Roberto Fernandes, famoso por livrar o Hexacampeão de Pernambuco de três quedas - na Série A, em 2007 e 2008, e na Série B, em 2010.

Inclusive, foi contra o mesmo Santo André, no Estádio Bruno José Daniel, no segundo turno, que os pernambucanos perderam por 5 a 3 e caíram para a Segundona oito anos atrás. Aquele resultado, por outro lado, não foi suficiente para o time do ABC paulista, cujo rebaixamento foi decretado com o revés para o Internacional, no Beira-Rio, na última jornada. A torcida timbu deseja que o desfecho este ano seja diferente de 2009. Com uma permanência.

VAVEL Logo