Análise: versatilidade, ausências supridas e Iago destaque são prós da vitória Colorada
Foto: Ricardo Duarte / S. C. Internacional)

A vitória foi com maestria. A superioridade prevaleceu. Mesmo com mais chances de marcar do que gols, o Internacional fez o dever de casa, e aplicou 2 a 0 no Cianorte-PR, pelo jogo de ida da 3ª fase da Copa do Brasil. Com o placar, os Colorados vão ao Paraná no próximo dia 14 podendo perder até por um gol de diferença. Os gols da partida dessa quinta-feira (1º) foram marcados por Iago e Edenílson.

Com muito toque de bola e triangulações, o Inter iniciou a partida preso à proposta dos paranaenses. Retrancado e com saída rápida, faltou qualidade ao Cianorte para pelo menos assustar os gaúchos. No entanto, o Leão do Vale não se entregou. Tentou segurar ao menos o empate, para levar a decisão para sua casa. O problema é que na segunda etapa faltaram pernas aos visitantes. O Internacional com muito mais preparo físico e técnico conseguiu marcar duas vezes, levando para o Paraná uma vantagem muito boa.

Versatilidade dos jogadores de meio-campo  Inter

A polivalência da meia cancha Colorada é o principal fator para mudanças na forma de jogo. Mexendo apenas uma peça, o técnico Odair Hellmann consegue alterar ao menos duas posições. Como fez na noite dessa quinta-feira. Na oportunidade, Odair sacou o lateral Dudu e pôs o meia-atacante Wellington Silva.

Com a mudança, o treinador deslocou Edenílson, para a lateral-direita, trouxe Patrick, que estava na extrema esquerda, para a vaga de volante pela esquerda. Rodrigo Dourado foi para a vaga de Edenílson na direita.

Mesmo que os gols tenham saído antes das alterações, a mecânica de jogo do Inter melhorou após as trocas. Edenílson na lateral deu mais segurança para as investidas de Marcinho, seu companheiro pela direita. Patrick como segundo volante deu mais mobilidade e melhor saída de jogo, já que tem mais habilidade que Edenílson.

Outro aspecto importante que deve ser lembrado são as tramas pelas laterais, principalmente entre Iago e Patrick. Pela esquerda, os dois se revezam muito, já que o meia já fez a função. Quando vem de trás, o jovem lateral aciona na extrema e faz a passagem para cruzar na área. Na recomposição, Patrick desce para a lateral, e Iago retorna marcando, fazendo a função de Patrick. O mesmo aconteceu no lado direito entre Dudu  e Marcinho. No entanto, o fato de Dudu ainda estar em processo de adaptação e Marcinho não ser titular, muitas vezes coube a Edenílson ter que sair do setor mais centralizado e ir à lateral tapar o buraco deixado pelos extremas.

Imagem criada em: www.lineupbuilder.com/
Imagem criada em: www.lineupbuilder.com/

Objetivo alcançado: Odair supriu as ausências com a mesma qualidade

O número de jogadores indisponíveis eram cinco. Porém, apenas dois titulares: William Pottker e Leandro Damião. Seus substitutos: Marcinho e Roger.

Marcinho por William Pottker

Foto: Ricardo Duarte / S. C. Internacional)
Foto: Ricardo Duarte / S. C. Internacional)

As características tem algumas semelhanças e diferenças: William Pottker tem como referência sua velocidade, força física e a finalização. Na velocidade, Marcinho se iguala a Pottker. O camisa 20 do Inter conseguiu suprir bem a ausência do companheiro. Apesar de ser um jogador “franzino”, Marcinho com sua grande velocidade, ótimo poder de arrancadas e bom repertório de dribles, por vezes não tomou conhecimento dos marcadores. Porém, a parte de condução, o meia-atacante ficou devendo. Em algumas oportunidades, Marcinho se atrapalhou com a bola e deixou-a escapar. Esse fundamento tem de ser trabalho.

Roger por Leandro Damião

Foto: Ricardo Duarte / S. C. Internacional)
Foto: Ricardo Duarte / S. C. Internacional)

Ambos centroavantes de origem, Damião e Roger também tem semelhanças e diferenças: O camisa 9 colorado, tem sua imposição física, velocidade e garra como principais referências. Já o 19 é um jogador mais técnico. Enquanto o titular fica mais concentrado em empurrar a bola ara as redes, o reserva busca mais o jogo. Em meio a dificuldade ao longo de uma partida em que a bola não chega para o matador, Roger pode dar mais resposta que Damião. Na partida diante do Cianorte, Roger deu uma resposta positiva ao comandante. Mesmo que no final, tenha sido substituído pelo jovem Brenner.

A lateral-esquerda tem dono

Foto: Ricardo Duarte / S. C. Internacional)
Foto: Ricardo Duarte / S. C. Internacional)

Desde a lesão de Uendel, no início da temporada, Iago tem dado uma resposta muito positiva. O jovem de 20 anos foi bastante questionado pela torcida quando foi escolhido por Odair Hellmann. No entanto, dentro das quatro linhas, tem deixado a torcida e comandante satisfeitos. Tanto que Uendel já voltou de lesão e Iago segue com a titularidade.

Na partida diante do Cianorte, Iago foi o destaque. A parceria com Patrick tem dado muito certo. Ambos trocam de função a todo momento, já que o meio-campo já atuou na posição. A inserção do lateral ao ataque também é boa, Tanto, que marcou o primeiro gol diante dos paranaenses quando ingressou na área adversária. Com a bola nos pés, Iago fez ao menos três belos passes, que não viraram gol, por conta do erro na finalização.

VAVEL Logo