América-MG respira novos ares com dois meses de Felipe Conceição no comando técnico
Da vice-lanterna da competição, agora, na 3° rodada do returno o Coelho ocupa a décima primeira colocação (Foto: Mourão Panda / América)

América-MG respira novos ares com dois meses de Felipe Conceição no comando técnico

Há 60 dias no comando técnico do Coelho, Felipe Conceição sofreu apenas uma derrota e colocou o Coelho a cinco pontos do G-4

eduarda-goncalves
Eduarda Gonçalves

Lutar para não cair para a Série C ou sonhar com o acesso à Série A? Foi com este dilema que Felipe Conceição, assumiu o comando técnico do América-MG em 15 de julho. Uma solução caseira de resultados a curto prazo. Com a chegada de Felipe Conceição, o time passou a respirar novos ares; o foco era tirar o Alviverde da zona de rebaixamento, mas o treinador devolveu o ‘espírito’ da equipe americana na competição.

Início ruim e a recuperação americana

Na parada da Copa América, Maurício Barbieri era responsável por ajustar a equipe. Ganhou os jogos treinos disputados – inclusive diante dos rivais Atlético-MG e Cruzeiro. A expectativa do retorno para dar a volta por cima permeavam o CT Lanna Drumond. Não durou muito. Após a goleada por 4 a 0 diante do Figueirense,  a diretoria anunciou a demissão do treinador e a efetivação do então coordenador técnico Felipe Conceição.

De coordenador a técnico!

Com Ricardo Drubscky, Adilson Batista, Givanildo Oliveira e Maurício Barbieri, ele estava lá. No América-MG desde junho de 2018, Felipe Conceição chegou ao Alviverde para trabalhar como auxiliar técnico, foi alçado ao posto de coordenador técnico e por fim, o Tigrão assumiu o América com a missão de fazer o Coelho reagir na Série B do Campeonato Brasileiro.

Aos 40 anos, Felipe Conceição tem apenas sua segunda experiência como treinador. No início de 2018, comandou o Botafogo no início do Campeonato Carioca. Mas, a passagem pelo time carioca durou apenas 7 jogos (2V, 2E e 3D). 

Novo astral e mudança de postura

Com duas trocas de técnicos, Felipe Conceição assumiu o comando sob desconfiança e com o time afundado na tabela de classificação. O comandante do Alviverde pregou cautela. Mudou o esquema tático, optou por três volantes. Inicialmente, foco no ajuste do sistema defensivo. Na estreia, empate fora de casa, diante do Vila Nova-GO. Onze jogos depois, o momento é outro. A evolução com o comandante é visível.

Foto: Mourão Panda / América

"O Tigrão deu alma, deu garra ao América", afirmava um narrador esportivo. A chegada de Felipe Conceição trouxe um novo astral à equipe e aos torcedores. O treinador tem muitos méritos na evolução de um time que há pouco tempo não tinha padrão. Com nova postura do time, os torcedores se agarraram na esperança da reação da equipe americana e com o sonho do acesso à elite do futebol brasileiro. 

"Primeiro  restauramos a confiança, nossa e do clube como um todo, dos atletas principalmente. Unimos o grupo, precisávamos nos fortalecer cada vez mais. Há uma confiança mútua entre comissão e atletas, que também foi fundamental... e o resto é trabalho, muito trabalho"  - Felipe Conceição.

Em números, a arrancada rumo à Série A

Coerência, confiança e coletividade! Foi assim que Felipe Conceição, ou Tigrão, como é conhecido, tirou o América-MG da incômoda zona de rebaixamento. Invicto há dez jogos, o coelho encerrou o primeiro turno da Série B do Campeonato Brasileiro com 42,11% de aproveitamento.

Pela primeira vez no torneio, o América-MG obteve aproveitamento melhor em seus domínios do que como visitante. Em 11 partidas no Independência, o Alviverde somou 15 pontos (45,45%), com quatro vitórias, três empates e quatro derrotas; 13 gols pró e 16 contra. Fora de seus domínios, somou 14 pontos (42,42%) - três vitórias, cinco empates, três derrotas; oito gols marcados e sete sofridos.

No primeiro turno, de 9 pontos disputados, o América-MG somou 1 ponto. No returno, dos mesmos 9 pontos disputados, o Coelho conquistou 5 - mesma pontuação de quando Tigrão assumiu a equipe. Em números, com Felipe Conceição são 13 jogos, seis vitórias, seis empates e uma derrota - aproveitamento de 61,5%; com 13 gols pró e 8 gols contra.

Nos últimos dez jogos, de invencibilidade, o Alviverde acumula 73,3% de aproveitamento. Se tratando de invencibilidade, a equipe americana está há dois jogos de atingir sua melhor marca. Em 2017, o América-MG chegou a 12 jogos sem perder.

O próximo compromisso do Alviverde é contra o Sport-RE, na sexta-feira (20), às 21h30, na Ilha do Retiro, no Recife; jogo válido pela vigésima terceira rodada da Série B do Campeonato Brasileiro.

VAVEL Logo
CHAT