Londrina vira sobre Vasco em São Januário, mas não deixa Z-4 da Série B
Foto: Rafael Ribeiro/Vasco

Virada no fim em São Januário! O Londrina venceu o Vasco fora de casa, na noite desta quarta-feira (18) e de forma emocionante, pelo placar de 2 a 1 após sair perdendo, com direito a gol decisivo aos 40 da etapa final. O confronto, válido pela 19ª e última rodada do primeiro turno da Série B do Brasileirão 2021, foi em São Januário, onde Marquinhos Gabriel fez pelo mandante, enquanto Marcelinho e Safira viraram para o visitante.

O Cruzmaltino foi para campo sabendo que dependia apenas de si para fechar o dia e talvez o primeiro turno do campeonato dentro do desejado G-4. Entrou em nono lugar com 28 pontos, a exatamente três do Goiás, quarto colocado e que ainda joga na rodada. O time carioca vinha de uma derrota por 2 a 1 para o Remo fora de casa e, portanto, precisava se recuperar em casa.

Já o Tubarão vivia um cenário bem diferente: integrando a zona de rebaixamento, na 17ª posição com 16 pontos, talvez não deixaria o grupo mesmo com a vitória. Isso porque precisava tirar uma diferença de dois gols de saldo para a Ponte Preta, em 16º com 19 pontos. Mas a equipe paranaense vinha de vitória (por 1 a 0 sobre o Vila Nova) e queria utilizar como combustível.

Estratégias

Lisca não pôde contar com Vanderlei no gol, por ter sido expulso na partida anterior. Porém a lista de retornos foi maior, com Léo Matos, Marquinhos Gabriel e Bruno Gomes, só o último não começando entre os 11 titulares. Esquema tático: 4-3-3. No gol, Lucão. Léo Matos na lateral-direita, Zeca na esquerda, enquanto Miranda e Ricardo Graça formaram a dupla de zaga. No meio-campo, Juninho e Romulo foram os responsáveis pelo primeiro combate e transição ofensiva, e Marquinhos Gabriel, pela criação. Mais à frente, Sarrafiore subia pela direita, Léo Jabá pela esquerda, com o artilheiro Germán Cano tomando conta da área.   

Márcio Fernandes promoveu apenas uma alteração comparado ao time do jogo anterior: Lucas Lourenço estava suspenso e deu lugar a Celsinho no meio. Esquema tático: 4-4-2. César no gol. Nas laterais, Matheus Bianqui pela direita e Felipe Vieira pela esquerda. Saimon e Lucas Costa completando a defesa na zaga. Pelo meio-campo, Jhonny Lucas e Tárik fizeram a dupla de volância; mais à frente, Gegê e Celsinho foram os jogadores da construção ofensiva. E, no ataque, Marcelinho com mais mobilidade pela direita e Safira cuidando da área.  

Cruzmaltino peca na mira, e Tubarão não encaixa no ataque

A primeira etapa teve início com atitude do visitante. O juiz apitou, e o Londrina foi para o ataque, conseguindo escanteio com poucos segundos. E seguiu com a bola, também aproveitando que o Vasco preferia não apertar a saída adversária. Mas a bola logo começou a não chegar mais no ataque, e foi quando o camisa 9 Safira passou a vir até o campo defensivo para buscar o jogo. Do outro lado, Marquinhos Gabriel não demorou para aparecer mais caindo pela direita que centralizado, com Sarrafiore recompondo o espaço.

O Cruzmaltino melhorou, então, a marcação no campo de ataque, dificultando a transição do time paranaense, que saía com linha de 3. Aos 11 minutos, estava tudo igual em posse de bola (50% a 50%). Cano também saía bastante da área para buscar jogo, querendo acabar com o jejum raro de cinco partidas sem marcar. Aos 20 minutos, 4 a 1 em finalizações e 1 a 0 em chutes a gol, ambos os números favoráveis à equipe da casa. O Tubarão não conseguia trabalhar a bola no último terço, optando até pelo passe longo. Já ao Gigante da Colina faltava ser mais preciso no último passe e nas conclusões.

Aos 28, Cano perdeu grande chance errando o chute sozinho na segunda trave, após cobrança de escanteio. Na sequência, o clube carioca teve um momento de muita pressão na marcação adiantada. E deu certo, com uma roubada de bola que quase acabou dentro do gol, mas Cano cabeceou por cima do travessão. O mandante passou a dominar seu campo de defesa, conseguindo desarmes em avanços do Londrina, que passaram a ser poucos. Já aos 40, uma bola de Léo Jabá na trave após desvio da defesa.

O time do Paraná também pecava para acertar contra-ataques. Desperdiçou um precioso com Gegê errando a assistência para Celsinho, que apareceu na frente do gol, já perto da ida para os vestiários. Números parciais: 53% em posse e 11 a 5 em chutes para o Vasco, porém 1 a 1 no alvo, evidenciando o quanto que o time carioca precisaria melhorar a pontaria no segundo tempo.

Vasco abre placar, mas Londrina melhora e força virada

A volta do intervalo veio com mudanças de ambos os lados: no carioca, Juninho saiu para a entrada de Bruno Gomes; no paranaense, o goleiro César se lesionou e teve de dar lugar a Dalton. E, desta vez, os primeiros minutos foram de superioridade vascaína. Tanto que, com segundos de jogo, quase o gol do Vasco com Marquinhos Gabriel, mas foi bloqueado. E a sequência mostrou que a segunda etapa seria mais animada. Aos quatro, o Londrina também conseguiu finalização, e na direção do gol.

Com sete minutos, outra boa finalização de Cano, de fora da área, mas para fora. Até que, aos oito, depois de muito insistir pelo corredor esquerdo, Léo Jabá conseguiu bom cruzamento rasteiro para a área e encontrou Marquinhos Gabriel sem marcação, que só teve o trabalho de empurrar para dentro, abrindo o placar para o Gigante. Márcio Fernandes perdeu, então, outra importante peça por lesão: Celsinho deu vez a Caprini, que era cogitado para começar o duelo. O Vasco seguiu com marcação adiantada, querendo marcar o segundo logo.

Mas o Londrina começou a mostrar que a reação estava próxima. Pressionava bem com direito a roubadas de bola perto da área vascaína e chutava, fundamento que faltou no primeiro tempo. Aos 23, diminuiu para 15 a 10 o placar das finalizações. E o resultado veio: com 25 minutos, Caprini arriscou de fora da área, Lucão defendeu dando rebote, e Marcelinho, livre, não desperdiçou, deixando tudo igual de cabeça. Foi quando o jogo virou de perde e ganha, com as duas equipes demonstrando muita disposição para ficar à frente no placar.

Lisca, então, colocou Gabriel Pec no lugar de Sarrafiore. Do outro lado, Márcio tirou o meia Gegê para a entrada do volante Bidía, parecendo que iria ficar satisfeito com o empate. Mas não. Luiz Henrique e Jean Henrique também substituíram Marcelinho e Tárik pelo Tubarão. E, aos 40, Safira roubou a bola de Ricardo Graça, invadiu a área e foi derrubado pelo zagueiro, que tentava corrigir o próprio erro: pênalti. O próprio camisa 9 foi para a cobrança e fez o gol da virada. Para os minutos finais, os paranaenses fecharam a casa, seguraram os cariocas e conquistaram a segunda vitória seguida. Números finais: 60% de posse e 16 a 13 em chutes, favoráveis ao Vasco, porém 6 a 3 na direção do gol para o Londrina, explicando o placar.

Classificação e próximos compromissos

Apesar da vitória emocionante, o Londrina continuou no Z-4, agora com os mesmos 19 pontos da Ponte, mas com um gol a menos de saldo. Do lado derrotado, o Vasco não só deixou de saltar para o G-4, como caiu para a 10ª posição com os 28 pontos. O próximo compromisso do Cruzmaltino é fora de casa contra o Operário no sábado (21) às 19h. Já o Tubarão volta a campo no domingo (22) às 18h15, quando recebe o Brasil de Pelotas.  

VAVEL Logo