Invicto com Tite, Brasil aposta em força da torcida contra Bolívia para assumir liderança

Com duas vitórias sob novo comando, Seleção Brasileira busca topo da classificação das Eliminatórias à Copa do Mundo 2018 diante de um adversário fragilizado

Invicto com Tite, Brasil aposta em força da torcida contra Bolívia para assumir liderança
Foto: Caetano Barreira/FotoArena/LatinContent/Getty Images
Brasil
Bolívia
Brasil: Alisson; Daniel Alves, Marquinhos, Miranda e Filipe Luís; Fernandinho; Philippe Coutinho, Giuliano, Renato Augusto e Neymar; Gabriel Jesus. Técnico: Tite
Bolívia: Carlos Lampe, Erwin Saavedra, Ronald Raldes, Edward Zenteno e Marvin Bejarano; Jorge Enrique Flores, Joselito Vaca, Jhasmani Campos e Juan Carlos Arce; Yasmani Duck e Marcelo Moreno. Técnico: Ángel Guillermo Hoyos
ÁRBITRO: Wilson Lamouroux (COL)
INCIDENCIAS: Partida válida pela 9a rodada das Eliminatórias à Copa do Mundo 2018, a ser realizada na Arena das Dunas, em Natal, no Rio Grande do Norte

O momento é positivo e o adversário é considerado um alvo fácil. Por esses motivos, o Brasil entrará em campo na noite desta quinta-feira (6) ante a Bolívia embalado pela 9ª rodada das Eliminatórias à Copa do Mundo 2018, em duelo que será na Arena das Dunas, em Natal, no Rio Grande do Norte. Com casa cheia, já que todos os ingressos foram comercializados antecipadamente, a Canarinho busca chegar ao topo da classificação, usando a força do torcedor nordestino.

Atual vice-líder, com 15 pontos, a Amarelinha vai motivada diante da Verde, pois vem de duas vitórias consecutivas e ainda não perdeu sob o comando de Tite. A última vítima foi a Colômbia, que fez a equipe verde e amarela entrar no grupo classificatório ao Mundial, deixando críticas da torcida em segundo plano.

Já os bolivianos vivem fase mais conturbada, uma vez que estão na 8ª posição e somam apenas sete pontos dos 24 disputados, ficando longe dos líderes. Na última rodada, contra o Chile, o time esverdeado ficou no empate sem gols, mantendo a série de dois jogos sem ser batido no torneio classificatório à Copa 2018, visto que triunfou sobre o Peru.

O otimismo dos brasileiros deve-se ao retrospecto ante tal adversário. Em 27 oportunidades que se enfrentaram, desde 1930, a seleção dona da casa deste embate venceu 19 vezes, sendo derrotada cinco e tendo outros três empates. O resultado positivo mais marcante foi em 1993, na goleada por 6 a 0 em Recife, que encaminhou um espaço na Copa de 1994, onde sagrou-se tetracampeã.

Mesmo com ausências, Tite define Brasil

Nem mesmo a boa fase nas Eliminatórias foi suficiente para deixar as mazelas de lado. Como todo time que se preze, alguns atletas não vão poder atuar por conta de lesão e/ou suspensão. Em relação ao que foi a campo diante da Colômbia, Tite tem quatro mudanças certas diante da Bolívia.

O lateral-esquerdo Marcelo, com contusão muscular de grau dois na panturrilha esquerda, e o volante Casemiro, que teve uma fissura no perônio, osso da região da canela, foram vetados e sequer viajaram a Natal. Com isso, o técnico da Amarelinha aposta em Filipe Luís para a ala, enquanto Fernandinho ganha espaço na cabeça de área.

Tite define equipe contra Bolívia antecipadamente (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)
Tite define equipe contra Bolívia antecipadamente (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

Paulinho, que recebeu dois amarelos, cumpre a automática. Para seu lugar, o treinador coloca Giuliano, que vive bom momento pelo Zenit. Na armação, Willian foi barrado e Phillipe Coutinho fica na vaga, por escolha do comandante, que exalta a motivação e a série positiva dos bolivianos como motivo de preocupação.

"Trata-se de um jogo muito complicado, pelo fato da Bolívia passar por um grande momento, que é o melhor nessa competição. Eles estão para acreditar que podem brigar pela classificação, que é justo. Isso faz com que tenhamos muita cautela para não sermos surpreendidos, contudo temos que nos impor e com atenção", declarou.

Bolívia aposta em esquema ofensivo para surpreender

Tentando permanecer com a boa fase, todavia ciente das dificuldades a serem encontradas, a Bolívia vai com uma tática ofensiva. A baixa é o meia Smedberg-Dalence, lesionado, com o técnico Ángel Guillermo Hoyos apostando em um esquema formado por três atacantes, sendo um deles mais recuado.

Ex-Corinthians e Sport, Juan Carlos Arce será responsável por armar as jogadas junto a Jhasmani Campos, enquanto Jorge Enrique Flores e Joselito Vaca ficam na marcação. Com boas atuações, o treinador vai estabelcer a manutenção de Yasmani Duck e Marcelo Moreno para a referência.

Apesar de saber dos problemas a serem encontrados diante do Brasil, o comandante boliviano pede atitude dos atletas, solicitando que não deixem a Canarinho ter espaços. Para Hoyos, a confiança vai ser uma das chaves para conseguir ficar com os três pontos pela primeira vez longe de seus domínios.

"Sabemos que enfrentaremos um grande adversário, mas não podemos pensar na possibilidade de ficarmos acuados e deixando o Brasil jogar. Se isso acontecer, o adversário vai nosso atropelar, uma vez que possui grande qualidade. O importante é demonstrarmos atitude, digna de um time que confia no seu potencial. Para isso, além de atitude, será muito importante ter entrega total e muita obediência tática", disse.