UFC 190: a trajetória de Ronda Rousey

Principal nome do MMA feminino, a norte-americana Ronda Rousey foi a última campeã peso-galo do Strikeforce (franquia que era concorrente do UFC) e a primeira e única detentora do cinturão de campeã Peso-galo-feminino da organização. Rousey está em quarto no ranking peso-por-peso do evento.

Porém, antes de entrar no mundo das artes marciais mistas, Rowdy era uma atleta olímpica, acostumada a regimes treinamentos longos e pesados. Judoca de origem, ela é filha da também atleta AnnMaria de Mars, que entrou para a história tornando-se a primeira mulher americana a ganhar um mundial de judô, em 1984.

No esporte, participou de dois jogos olímpicos, em Atenas 2004 e Pequim 2008, quando conseguiu a medalha de bronze na modalidade até 70kg. Já participou de dois mundiais e também faturou a medalha de ouro nos jogos Panamericanos do Rio de Janeiro, em 2007.

Strikeforce: nascimento da "deusa"

Já no MMA, sua estreia ocorreu pelo Strikeforce. Foi em 12 de agosto de 2011, no Strikeforce Challengers: Gurgel vs. Duarte contra Sarah D'Alelio. Rousey venceu a rival por finalização com sua conhecida chave-de-braço, assim como em sua segunda luta pela organização. No Strikeforce Challengers: Britt vs. Sayers, em 18 de novembro de 2011, lutou contra a canadense Julia Budd e a derrotou aos 0:39 do primeiro round, se tornando desafiante ao cinturão dos peso-galos femininos.

No dia 3 de março de 2012, Ronda lutou contra a campeã Miesha Tate no Strikeforce: Tate vs. Rousey. Após muita provocação de ambos os lados, Ronda derrotou Miesha novamente com chave-de-braço aos 4:27 do primeiro round, se tornando a mais nova campeã de sua categoria.

Em 18 de agosto de 2012, no Strikeforce: Rousey vs. Kaufman, Rousey defendeu seu cinturão ao vencer Sarah Kaufman por finalização ‘arm lock’. Ronda conseguiu sua 6° vitória consecutiva por ‘arm lock’ sendo todas no primeiro round.

No UFC: nunca perdeu

Após a compra do Strikeforce pelo UFC, a primeira defesa de cinturão de Rousey pela nova franquia foi no dia 23 de fevereiro de 2013 contra Liz Carmouche no UFC 157: Rousey vs. Carmouche. Após escapar muito bem de uma finalização logo no início da luta, Ronda imobilizou a adversária no chão e deu vários golpes. No minuto final, conseguiu um arm lock que fez com que a desafiante desistisse faltando menos de 30 segundos para o fim do primeiro round.

No UFC 168: Weidman vs. Silva II, em 28 de dezembro de 2013, Rowdy voltou a enfrentar Miesha Tate após ambas serem técnicas no The Ultimate Fighter 18. A luta tinha um ingrediente especial, pois as duas discutiram muito durante as gravações do TUF. A californiana ganhou por finalização no terceiro round.

Para consagrar sua nona vitória seguida, Rousey enfrentou Sara McMann, que também já foi campeã olímpica (medalha de prata em wrestling olímpico em 2004 para McMann e medalha de bronze no judô para Rousey). A luta aconteceu no dia 22 de fevereiro de 2014, no UFC 170: Rousey vs. McMann. Depois de uma joelhada no fígado, Rousey venceu por nocaute técnico no primeiro round e conquistou sua primeira vitória por nocaute. Além disso, ainda ganhou o prêmio de performance da noite.

Alexis Davis foi a próxima vítima da lutadora de 28 anos. O confronto ocorreu em 5 de julho de 2014 no UFC 175: Weidman vs. Machida. Em mais uma luta espetacular, Ronda só precisou de 16 segundos para vencer Alexis por nocaute.

A última luta antes do UFC 190, que acontecerá no próximo sábado, foi no UFC 184: Rousey vs. Zingano, no dia 28 de fevereiro de 2015. Ronda enfrentou a então invicta Cat Zingano e só levou 14 segundos para decidir, faturando mais uma vez o prêmio de performance da noite.

A campeã está invicta e procura sua décima segunda vitória. O confronto contra Bethe Correia ganhou um teor pessoal após a pernambucana passar dos limtes nas provocações, segundo a californiana, já que mexeu com sua família e amigos. Segundo Rousey, dessa vez ela não quer acabar com a luta rápido, como fez nas últimas três, seu objetivo é fazer Correia sofrer.

VAVEL Logo