De polêmicas por arranjo de resultado à semifinal de Roland Garros: quem é Marco Cecchinato?

Italiano, número 72 da ATP, nunca havia vencido nenhuma partida de Grand Slam até o Aberto da França deste ano, quando eliminou os favoritos David Goffin e Novak Djokovic para chegar às semis

De polêmicas por arranjo de resultado à semifinal de Roland Garros: quem é Marco Cecchinato?
Foto:  Tim Clayton/Corbis via Getty Images

Marco Cecchinato é um italiano sem renome, número 72 no mundo, que surpreendeu Roland Garros chegando às semis, sendo o primeiro italiano desde 1978 numa semifinal de major. O jovem de 25 anos nunca tinha ganho uma partida de chave principal de Grand Slam. Enfrenta, nesta sexta-feira (8), o cabeça de chave #7 Dominic Thiem por uma vaga à final.

O italiano também se tornou o pior ranqueado a chegar à esta fase em Roland Garros desde Andrei Medvedev (#100) em 1999. Cecchinato terá garantido um lugar no Top 30 independentemente do que acontecer na semifinal e será cabeça de chave em Wimbledon.

Na primeira rodada de Roland Garros, Cecchinato se viu perto da eliminação. Perdeu os dois primeiros sets para o romeno Marius Copil, mas venceu de virada por 3 a 2. Depois, passou pelo lucky loser Marco Trungelitti, antes de eliminar os cabeças de chave #10 Pablo Carreño Busta  e o #8 David Goffin.

Nas quartas-de-final, contra um dos maiores tenistas da história, Cecchinato ganhou os primeiros dois sets sendo que, antes que o #20 Novak Djokovic se recuperasse e ganhasse o terceiro set. No quarto, Marco ganhou um tie break épico de 13-11 para manter vivo seu conto de fadas por 6/3, 7/6, 1/6, 7/6.

Cecchinato continua surpreendendo e elimina Djokovic nas quartas de Roland Garros

Apesar de Cecchinato precisar 3h26 para sureender Djokovic na Suzanne Lenglen, essa não foi sua partida mais longa no torneio. Marco jogou 19 minutos a mais para ganhar em quase quatro horas sua primeira rodada sobre o romeno Marius Copil, sendo 10-8 no quinto set.

Cecchinato foi muito cumprimentado por Djokovic após a partida de quartas de final (Foto: Jean Catuffe/Getty Images)
Cecchinato foi muito cumprimentado por Djokovic após a partida de quartas de final (Foto: Jean Catuffe/Getty Images)

Contra Djokovic, Cecchinato mostrou um repertório vasto como drop-shot winners, um potente backhand de uma mão e seu slice em ambos os golpes. Um sacador nato e poderoso, Cecchinato mostrou mobilidade impressionante e finesse em Paris.

Antes dessa edição de Roland Garros, ele nunca tinha ganhado uma partida de Grand Slam na chave principal. Todas suas participações anteriores terminaram em derrotas na primeira rodada: no US Open de 2015 perdendo para Mardy Fish. No Australian Open de 2016, perdeu para Nicolas Mahut. Nick Kyrgios ganhou dele em Roland Garros em 2016, enquanto Kei Nishikori ganhou de Marco em Wimbledon ano passado. Em Paris, ano passado, Cecchinato não conseguiu passar do qualifying

Em abril deste ano, porém, ele ganhou seu primeiro titulo de ATP, em Budapeste, também no saibro. Sua participação foi mais incrível ainda por conta de ter ganho o título sendo o único lucky loser da história do torneio a chegar na final e ganhar. Cecchinato bateu o australiano #59 John Millman na final na Hungria.

The loser is lucky: Cecchinato venceu o ATP 250 de Budapeste em abril (Foto: ATTILA KISBENEDEK/AFP/Getty Images)
The loser is lucky: Cecchinato venceu o ATP 250 de Budapeste em abril (Foto: ATTILA KISBENEDEK/AFP/Getty Images)

Acusação de manipulação de resultados

Cecchinato pode estar realizando um sonho agora, porém, dois anos atrás foi uma história totalmente diferente. Em 2016, ele tomou um gancho de 18 meses por manipulação de resultados pela Federação Italiana de Tênis. A investigação girava em torno de um torneio no Marrocos em 2015, quando mensagens de WhatsApp de Cecchinato e um amigo sugeririam que o tenista perderia seu jogo de propósito para recuperar um dinheiro que ele próprio tinha perdido em apostas de futebol.

O tenista indicava ao amigo que esperava ter pela frente um adversário com um wildcard marroquino com ranking baixo, o que seria uma boa maneira de ganhar dinheiro, já que ele seria muito favorito contra um adversário desse calibre. Cecchinato não enfrentou marroquinos, mas acabou perdendo para o então #338 Kamil Majchrzak nas quartas de final e, usando várias contas diferentes, o amigo do tenista e seu pai apostaram muito dinheiro e uma derrota de Marco em dois sets, e acabaram vencendo a aposta. O que aumentou a desconfiança, é que o italiano já havia agendado passagens de avião antes mesmo da sua partida.

A punição foi reduzida para um ano depois de uma comissão independente julgar que ele não teve intenção de burlar os resultados em questão. Mais tarde naquele ano. Cechinato foi absolvido pelo Comitê Olímpico italiano pela irregularidades de como as provas contra ele foram coletadas. Em 2017, Marco voltou ao circuito jogando apenas challengers.

A Tennis Integrity Unit, corpo anti-corrupção de tênis, ainda tem o caso de Cecchinato como pendente. Recentemente, a instituição puniu o argentino #95 Nicolas Kicker por manipulação de resultados em partidas que aconteceram em período próximo à que o italiano foi acusado.