Hora de acabar com planeta: Grêmio enfrenta Real Madrid pela final do Mundial de Clubes
(Fotomontagem: Marcello Neves/VAVEL Brasil)

Hora de acabar com planeta: Grêmio enfrenta Real Madrid pela final do Mundial de Clubes

Para fechar ano dos sonhos com chave de ouro, Grêmio aposta na força do tricampeão da Libertadores para conquistar o mundo pela segunda vez diante do Real Madrid, neste sábado; Luan e Cristiano Ronaldo protagonizam duelo de camisas 7 sob olhares de Renato Gaúcho, o grande personagem desta decisão

MarcelloNeves
Marcello Neves
GrêmioMarcelo Grohe; Edílson, Pedro Geromel, Walter Kannemann, Bruno Cortez; Jaílson, Michel, Ramiro, Luan, Fernandinho; Lucas Barrios (Jael); Renato Gaúcho.
Real MadridKeylor Navas; Carvajal, Sergio Ramos, Varane, Marcelo; Casemiro, Modric, Kroos; Isco, Cristiano Ronaldo, Benzema; Zinedine Zidane.
ÁRBITROCésar Ramos, auxiliado pelos assistentes Marvin Torrentera e Miguel Hernandez (MEX)
INCIDENCIASPartida válida pela final do Mundial de Clubes 2018, a ser disputada em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes.

Dia de final. Em campo, o duelo entre os campeões da Copa Libertadores e da Champions League. Fora dele, espanhóis tentando manter o domínio mundial, enquanto os gaúchos querem que o lema se torne realidade: "No Brasil ou nos Emirados Árabes, é dia de acabar o planeta". Grêmio e Real Madrid se enfrentam neste sábado, às 15h, no estádio Zayed Sports City, em Abu Dhabi, para decidir quem fica com o título do Mundial de Clubes 2018. 

Grêmio foi campeão mundial diante do Hamburgo em 1983

O Grêmio tem a missão de conquistar mundo novamente, repetindo o feito de 1983 quando bateu o Hamburgo e faturou a Copa Intercontinental, antigo formato do Mundial de Clubes. Renato Portaluppi teve atuação memorável e foi decisivo no primeiro e único título gremista até então. Em 1997, o bi esteve perto, mas os gaúchos acabaram com o vice-campeonato diante do Ajax.

Já o Real Madrid tenta um feito histórico: se tornar o primeiro clube hexacampeão à nível mundial na história, ficando à frente inclusive da própria Seleção Brasileira. Os madrilenhos conquistaram o mundo em 1960, 1998, 2002, 2014 e 2016, batendo respectivamente o Peñarol, Vasco, Olimpia, San Lorenzo e Kashima Antlers. Em 1966, o único vice-campeonato - também diante dos uruguaios do Penãrol.

Everton comemora o gol de classificação gremista (Foto: Getty Images)
Everton comemora o gol de classificação gremista (Foto: Getty Images)

Para chegar à decisão, Grêmio e Real Madrid tiveram dificuldades maiores que as esperadas. Os comandados de Renato Portaluppi precisaram ir à prorrogação para superar o Pachuca (MEX) por 1 a 0 nas semifinais. Enquanto a equipe de Zinedine Zidane precisou suar contra o Al Jazira (EMA), chegou a sair atrás no placar, mas conseguiu a virada no tempo regulamentar e venceu por 2 a 1.

Vitória espanhola no único confronto entre Grêmio e Real Madrid na história

No único confronto entre as equipes na história, vitória espanhola com placar de 4 a 1. O jogo foi válido por um amistoso no dia 24 de maio de 1961, no Stade de la Meinau, em Estrasburgo, na França. O Grêmio havia sido vencedor de 13 dos últimos 14 Campeonatos Gaúchos na época e estava em excursão pela Europa quando foi convidado para enfrentar o então bicampeão europeu Real Madrid. A partida inicial seria contra o Sedan (FRA), mas a equipe desistiu por alegar excesso de desfalques. 

Para a final do Mundial de Clubes, a arbitragem fica por conta do mexicano César Ramos, auxiliado pelos assistentes Marvin Torrentera e Miguel Hernandez. O trio atuou na vitória do Al Jazira por 1 a 0 sobre o Urawa Red Diamonds. A Fifa também divulgou que a ordem dos uniformes para a final segue o clássico: Grêmio de tricolor, Real Madrid de branco. A VAVEL Brasil transmite a partida em tempo real.

Cristiano Ronaldo em ação contra Al Jazira (Foto: Getty Images)
Cristiano Ronaldo em ação contra Al Jazira (Foto: Getty Images)

Renato valoriza campanha do Grêmio, mas prega respeito ao Real Madrid

Renato Portaluppi poupou seu estilo e pregou respeito ao Real Madrid na última coletiva antes da final. Mesmo campeão mundial em 1983, o treinador classificou a partida do próximo sábado como 'a mais importante de sua vida' e tratou de passar a mensagem aos jogadores.

"Se o Grêmio chegou, é porque tem condições de ganhar. O Real vai fazer de tudo para ganhar, assim como o Grêmio. É o jogo mais importante da minha vida, é o dos meus jogadores, passei isso. Sabem da responsabilidade, mas chegamos com muita confiança", declarou.

O treinador aproveitou também para lembrar que a postura do Grêmio não mudará por causa da importância da partida. Assim como foi contra Lanús, pela final da Libertadores, o estilo de jogo gremista será o mesmo. No entanto, o treinador declarou que o favoritismo segue sendo do Real Madrid.

"O Real é o favorito por tudo que representa no futebol mundial. Todo mundo conhece o Real Madrid, sabemos da qualidade, do potencial. Mas não viemos para passear. O Grêmio tem sua maneira de jogar. Não mudou no ano todo. Muita gente achou que ia mudar na Argentina e vocês viram o que aconteceu"

Outro que participou da coletiva foi o Luan, que reforçou as palavras do técnico sobre não mudar seu modo de jogar. O atacante comentou também sobre a importância de defender o Grêmio em uma final do Mundial de Clubes e a responsabilidade que terá dentro de campo.

"Tem que ser da maneira que foi o ano todo. Não adianta chegar agora e por ser uma final de Mundial querer mudar. Temos que fazer o que temos feito. Acho que pelo fato de jogar no Grêmio, disputando final de Mundial, sei o tamanho da responsabilidade que é. Tenho em mente isso", declarou.

A única dúvida que o Grêmio carrega está no setor ofensivo. Em má fase, o atacante Lucas Barrios vê sua posição ameaçada por Jael, que teve boa atuação contra o Pachuca. Renato não confirmou a escalação, mas deve ir à campo com: Marcelo Grohe; Edílson, Geromel, Kannemann, Cortez; Jaílson, Michel, Ramiro, Luan, Fernandinho; Barrios (Jael).

Renato Portaluppi durante coletiva (Foto: Divulgação/Grêmio)
Renato Portaluppi durante coletiva (Foto: Divulgação/Grêmio)

Zidane diz que final está '50%' para cada lado e protege Benzema

A pressão do título é, sem sombra de dúvidas, toda para o lado do Real Madrid, e Zinédine Zidane sabe disso. O francês falou sobre o confronto contra o Grêmio, afirmando que história não significa nada em uma decisão, além de garantir que a decisão está '50%' para cada lado. Além disso, ele aproveitou para agradecer Renato Portaluppi.

"Estamos com desejo de levar outro título para casa, estamos aqui para isso. Levamos uma semana nesse país se preparando para a final e esse é nosso desejo. A final está 50%. É uma partida igual e não acho que tenha favorito. A história não significa nada em uma final. O mais importante é o dia seguinte e fazer história diante uma boa equipe. Fico feliz pelo que Renato falou de mim".

Ele também falou diretamente do adversário deste sábado, elogiando a equipe gaúcha, destacando a habilidade técnica do tricolor: "É uma equipe técnica e física, que joga muito bem. Vamos nos preparar melhor e estar atentos. Estamos convencidos que faremos melhor neste aspecto".

Para finalizar, Zizou ainda comentou sobre uma dos assuntos mais polêmicos desta decisão, quando Renato Portaluppi falou que foi melhor jogador que Cristiano Ronaldo. O técnico merengue foi bem objetivo e sincero na sua resposta: "É um pouco "forte" ele dizer que foi o melhor, mas cada um tem sua opinião. Não compartilho da sua ideia e para mim Cristiano é melhor que ele. Respeito sua opinião".

Com todo o elenco à sua disposição e com CarvajalSergio Ramos Kroos descansados após serem poupados contra o Al-Jazira, Zidane deve escalar sua equipe "perfeita" na final: Navas; Carvajal, Varane, Sergio Ramos e Marcelo; Casemiro, Kroos, Modric e Isco; Benzema e Cristiano Ronaldo.

Zidane em coletiva | Foto: Karim Sahib/AFP/Getty Images
Zidane em coletiva | Foto: Karim Sahib/AFP/Getty Images
VAVEL Logo