Técnico interino destaca espírito de reação do Figueirense em empate contra o Brasil de Pelotas
Divulgação /  Figueirense FC

Com a demissão de Vinícius Eutrópio há dois dias, coube ao auxiliar-técnico do clube Márcio Coelho comandar o Figueirense no compromisso diante do Brasil de Pelotas, nesta quinta-feira (19), fora de casa. Após estar perdendo por 2 a 0, o Alvinegro reagiu e chegou ao empate nos minutos finais, deixando a lanterna da Série B.

Pela situação delicada na tabela, o interino almejava a vitória. Porém, em entrevista coletiva após o confronto, ele não deixou de enaltecer o espírito de reação que os atletas apresentaram para conseguir voltar para casa com ao menos um ponto. 

"Foi uma semana intensa. Antes da viagem comecei a pensar alternativas para chegar aqui e conseguir um bom resultado. Infelizmente, não saímos satisfeitos, viemos com o objetivo de vencer e tentar tirar a equipe da zona de rebaixamento, mas frente ao que enfrentamos, com eles vindo de quatro vitórias seguidas e na frente do placar, a gente conseguiu reagir. Isso significa muito. Demonstra que a equipe não baixou a cabeça, não desistiu e mostrou algo diferente. A gente tomava gol e acabava se abatendo", afirmou.

O Xavante fez dois gols cedo, com Diogo Oliveira e Leandro Leite, mas o Figueira contou com William Popp em uma noite inspirada. O atacante anotou um gol no final de cada tempo para decretar a igualdade no estádio Bento Freitas.

Já são 14 jogos em que o Alvinegro não consegue a vitória. Passando por dias turbulentos, o clube atravessa uma grave crise financeira. Diante disso, Márcio Coelho falou sobre como conseguiu motivar o elenco para a partida.

"Eu tenho uma trajetória longa no esporte e tenho algumas ideias que não abro mão. Acredito que o resultado é fundamental e viemos para buscá-lo, mas se a gente consegue aliar o resultado com a apresentação de um bom futebol, uma equipe que busca o gol, que busca ter a bola, que sabe o que fazer quando tem a bola... Foi isso que tentei passar para eles, que as circunstâncias externas muitas vezes nas nossas vidas são desfavoráveis, mas elas não podem moldar o nosso comportamento. O nosso comportamento tem que ser de dentro. Tentei enfatizar isso, tentei trazer na memória o motivo de chegarem aqui e o que faz com que eles tenham paixão pelo futebol", concluiu.

O Figueirense volta a campo na próxima terça-feira (24), às 21h30, para enfrentar o líder Bragantino no estádio Orlando Scarpelli. O confronto é válido pela 24ª rodada da Série B.

VAVEL Logo