Gabigol, o surgimento de um ídolo sul-americano
Foto: Reprodução

Gabriel Barbosa viveu algo novo na última quarta-feira (4). Ídolo da história do Flamengo e xodó da criançada brasileira, o camisa 9 rubro-negro teve noção de um outro patamar de sua figura. Contra o Junior Barranquila, na estreia do time carioca na Libertadores 2020, Gabigol foi aplaudido pela torcida colombiana e idolatrado por crianças — uma delas ainda invadiu o gramado no apito final para pedir a camisa 9 e dar um abraço.

Talvez, desde aquele Neymar do Santos o futebol brasileiro não via um ídolo caricato cativando torcedores do próprio clube e dos adversários. Mas parece que essa "jejum" chegou ao fim. Depois de protagonizar diversas cenas de respeito e carinho por crianças de outro times, Gabigol aos poucos se firma como esse personagem que os jovens querem ser no mundo futebolístico.

O episódio mais recente, na quarta (5), encheu de lágrimas os olhos dos verdadeiros amantes do futebol que tem o esporte como algo além do próprio esporte. Deixando a rivalidade, a competição, de lado, Gabigol começou a cativar a torcida do Jr. Barranquilla quando, ainda no aquecimento pré-jogo, deu uma mera camisa de treino para uma criança que, ao lado de várias outras, gritava loucamente "Gabigol, Gabigol, Gabigol" no ferro de proteção das arquibancadas. Prontamente, o camisa 9 foi até esse grupo de crianças e com muita calma deu sua camisa ao garotinho, que a pegou e rapidamente chorou de emoção.

Durante a partida, Gabriel Barbosa não fez gol, mas ouvia-se um burburinho maior no estádio quando ele tocava na bola. E ao fim do confronto, assim que o árbitro apitou o término dos 90 minutos, outra criança, já pré-adolescente, pulou as grades de proteção das arquibancadas e saltou ao gramado. Da forma mais pura e sincera, o garoto correu em direção a Gabigol para abraçá-lo pela primeira vez na vida. Comovido com a cena e tendo noção da proporção de sua figura, o jogador não deixou que os seguranças os puxassem para fora e retribuiu o abraço.

Gabigol ainda deu sua camisa de jogo para o garoto e caminhou com ele até a linha lateral. Antes de cruzá-la, abaixou, desamarrou suas chuteiras e as deu para o menino.

Com a camisa azul de treino, a criança se emocionou ao recebê-la de Gabigol. Outros meninos imitavam a tradicional comemoração do atacante (Imagem: montagem)
Com a camisa azul de treino, a criança se emocionou ao recebê-la de Gabigol. Outros meninos imitavam a tradicional comemoração do atacante (Imagem: montagem)

Como já havia acontecido com um grupo de crianças gremistas no túnel de acesso ao campo em Porto Alegre e outro grupo infantil de torcedores do Boavista, o atacante do Flamengo vai se consolidando a cada ação dessa como um ídolo além de seu clube no Brasil. O que aconteceu em Barranquilla, na Colômbia, também demonstrou que seu patamar está elevado a nível continental, que chegou a esse ponto pelo seu estilo garoto de ser: cabelo colorido, dancinhas na comemoração, sorriso no rosto, carisma e nome GabiGOL.

Senhoras e senhores, estamos vendo o firmamento de um ídolo para as crianças brasileiras e sul-americanas.

VAVEL Logo