Aubameyang decide, Dortmund vence e encerra tabu contra Bayern

Borussia Dortmund voltou a derrotar o Bayern de Munique após 3 anos com gol decisivo de Auba e promove o RB Leipzig à liderança

Aubameyang decide, Dortmund vence e encerra tabu contra Bayern
Auba comemorou o gol de forma inusitada, fazendo flexões no gramado (Foto:Reprodução/BVB)
Borussia Dortmund
1 0
Bayern de Munique
Borussia Dortmund: Bürki, Piszczek, Sokratis, Bartra, Schmelzer (Pulisic, min. 88), Ginter, Weigl, Schürrle (Dürm, min. 68), Götze (Castro, min. 77), Ramos, Aubameyang. Técnico: Thomas Tuchel
Bayern de Munique: Neuer, Lahm (Rafinha, min. 68), Boateng, Hummels, Alaba, Alonso (Renato Sanches, min. 74), Kimmich (Douglas Costa, min. 58), Thiago, Müller, Ribery, Lewandowski. Técnico: Ancelotti
Placar: 1 - 0, min. 11, Aubameyang.
ÁRBITRO: Tobias Stieler (ALE). Cartões Amarelos: Bartra (min. 15), Götze (min. 50), RIbery (min. 87), Ramos (min. 87), Renato Sanches (min. 90+1)
INCIDENCIAS: Jogo válido pela 11ª rodada da Bundesliga, disputado no Signal Iduna Park, em Dortmund.

Um jogo intenso e bem movimentado, foi assim que o clássico entre Borussia Dortmund e Bayern de Munique, neste sábado (19) foi disputado. O Der Klassiker foi disputado no Signal Iduna Park, na cidade Dortmund, em partida válida pela 11ª rodada da Bundesliga. Na rodada passada os aurinegros haviam derrotado o Hamburgo por 5 a 2, fora de casa, enquanto os bávaros empataram, em casa, com o Hoffenheim, por 1 a 1.

Tobias Stieler foi o responsável por mediar o duelo entre as equipes, que terminou com vitória do Borussia Dortmund por 1 a 0, com gol solitário de Aubameyang.

O Bayern entrou em campo pressionado pela vitória do RB Leipzig, uma vez que a equipe sensação da Bundesliga assumiu a liderança da competição após derrotar o Bayer Leverkusen na partida de abertura da rodada por 3 a 2. Com a derrota, os bávaros ocupam a vice-liderança, com 24 pontos, enquanto o Borussia assumiu o 3º lugar, com 21.

Intensidade do Dortmund surpreende o Bayern

Com o Signal Iduna Park lotado, como de costume, o Borussia Dortmund tinha pela frente nada mais do que o Bayern de Munique, atual tetracampeão alemão e equipe a qual não perdia para os aurinegros há 7 partidas.

Devido a todo esse cenário pré-jogo, além da nova lesão de Marco Reus, o Borussia tratou de imprimir uma pressão nos bávaros, dominando completamente os primeiros vinte e cinco minutos de jogo, com muita intensidade e variação tática. Em um lance pelo flanco direito, Mario Götze, que aparentava estar disposto a fazer uma grande atuação contra seu ex-clube, cruzou para área e não há dúvidas de quem estaria lá para inaugurar o marcador: Pierre-Emerick Aumabeyang, sozinho, mandou para o fundo das redes.

Os mandantes continuaram pressionando e criando outras chances, mas não conseguiram ser efetivos. Com a queda natural do ritmo do jogo, o Bayern cresceu e começou a aparecer no campo ofensivo, principalmente com Lewadowski, contudo a defesa adversária não permitiu brechas para  a equipe comandada por Carlo Ancelotti, que até então realizava uma partida bem apagada, mantendo o placar em 1 a 0 para o Borussia no intervalo.

Aurinegros desperdiçam chances, mas voltam a derrotar o Bayern

O cenário para a segunda etapa, ao menos nos minutos iniciais, era o mesmo. O Dortmund pressionava e criava chances em busca de uma vantagem maior, enquanto o Bayern pouco produzia. Auba quase chegou ao seu segundo gol, mas o gabonês parou na muralha Manuel Neuer, em mais uma excelente saída de gol do arqueiro.

Os visitantes até responderam, em um lance isolado, com um golaço de letra de Ribery, no entanto o francês estava impedido e o lance anulado pelo assistente. Posteriormente, visando melhorar o desempenho de sua equipe, Ancelotti promoveu a entrada do brasileiro Douglas Costa, modificando o estilo de jogo do time. Pouco depois da alteração o Bayern chegou com enorme perigo, em uma finalização espetacular de Xabi Alonso, que por azar acertou o travessão de Bürki.

Aubameyang voltou a aparecer aos 70’, quando ficou cara a cara com Neuer, mais uma vez, após uma saída errada de Xabi Alonso, contudo, novamente o gabonês parou no The Wall. Com a vantagem e expectativa de voltar a derrotar o Bayern, a equipe comandada por Tuchel controlou a posse de bola e limitou-se a garantir o triunfo, algo que não ocorria há 3 anos.