Dia de final: Atlético de Madrid e Olympique de Marselha disputam troféu da Europa League

Equipe espanhola luta pelo seu terceiro título na competição, enquanto franceses tentam conquistar inédita taça perto de casa

Dia de final: Atlético de Madrid e Olympique de Marselha disputam troféu da Europa League
(Foto: Divulgação/Atlético de Madrid)
Atlético de Madrid
Olympique de Marselha
Atlético de Madrid: Jan Oblak, Sime Vrsaljko, Stefan Savic, Diego Godín e Lucas Hernández; Koke, Saúl Ñíguez, Gabi, Ángel Correa; Antoine Griezmann e Diego Costa. Técnico: Diego Simeone
Olympique de Marselha: Steve Mandanda, Bouna Sarr, Adil Rami, Luiz Gustavo e Jordan Amavi; Morgan Sanson, Maxime Lopez, Florian Thauvin, Dimitri Payet e Lucas Ocampos; Valère Germain. Técnico: Rudi Garcia
ÁRBITRO: Björn Kuipers (HOL)
INCIDENCIAS: Partida válida pela final da Europa League, disputada no Estádio Parc Olympique Lyonnais, na França, às 15h45.

Chegou o grande dia. Às 15h45 desta quarta-feira (16), Atlético de Madrid e Olympique de Marselha disputam quem levará o troféu da Europa League para casa. A final da competição será disputada no Estádio Parc Olympique Lyonnais, em Lyon, na França.

As equipes chegam na decisão após conseguirem a vaga de diferentes formas. O Atléti deu início à competição na segunda fase, oriundo da fase de grupos da Champions League, e de lá para cá enfrentou Copenhaguen, Lokomotiv de MoscouSporting. Na última fase, a semifinal, enfrentou o poderoso Arsenal e eliminou o time inglês conseguindo empate com um jogador a menos no jogo de ida e uma vitória por 1 a 0 na volta. Somando os confrontos, marcou 17 gols, sofreu quatro e perdeu apenas um jogo. 

Já o Marselha está presente no torneio desde o ponto de partida e começou sua participação no Grupo I, ao lado de RB Salzburg, Konyaspor e Vitória de Guimarães, terminando a chave em segundo lugar, atrás da equipe austríaca. Em seguida, passou por Braga, Athletic Bilbao e RB Leipzig até enfrentar novamente os austríacos  de Salzburgo na semifinal.

Desta vez, a vantagem foi para os franceses após emocionante classificação: no primeiro jogo, o Olympique fez 2 a 0 em casa e parecia se encaminhar para a fase final, porém, no jogo da volta a equipe adversária rapidamente desfez a desvantagem e levou o confronto para a prorrogação.

Restando quatro minutos para o fim, Rolando, zagueiro que havia entrado no intervalo do tempo extra, diminuiu o placar e classificou os franceses para a tão sonhada final. Durante a campanha, o Marselha marcou 20 gols e sofreu 12, com seis confrontos a mais que seu próximo rival.

Sobre a decisão, o Atlético leva vantagem no quesito tradição em competições europeias no histórico recente. A equipe espanhola vive uma década de ouro, chegando à incrível marca de cinco finais de torneios do continente desde a temporada 2009-10. Nesse tempo, conquistou dois títulos da Europa League: na temporada citada e dois anos depois, em 2011-12. Além disso, chegou duas vezes nas final da Champions League, em 2013-14 e 2015-16, porém parou no Real Madrid em ambas situações.

Porém, quando se fala de história como um todo, o Olympique de Marselha tem um trunfo que o Atlético chegou perto, mas não conquistou: a taça da Champions League. Na temporada 1992-93, os franceses derrotaram o Milan na final da principal competição europeia e levaram a 'orelhuda' para casa. Se tratando de Europa League, a equipe francesa chegou a ser vice-campeã duas vezes, em 1999 e 2004. Agora, luta pelo título inédito nesta quarta-feira para expandir sua sala de troféus.

Atlético aposta na tradição para conquistar a terceira taça da UEL

Foto: Reprodução/@atleti
Foto: Reprodução/@atleti

A entrevista de Diego Costa após o gol da classificação para a finalíssima da Europa League deixou um recado: 'Somos grandes'. Essas palavras significam a volta por cima dada pela equipe espanhola após o fracasso, como foi tratado por muitos, quando a equipe foi eliminada precocemente na fase de grupos da Champions League.

O episódio gerou críticas a todo o elenco, sem exceções, sobrando dúvidas até sobre o fim do legado de Simeone e um possível 'corpo mole' de Griezmann, que há tempos vem sendo sondado por clubes europeus e posto como reforço dos mesmos nos jornais. A chegada à outra final de uma competição europeia, a quinta em menos de dez anos, significa a era de ouro vivida pela equipe de Diego Simeone. O treinador não estava no primeiro título, conquistado na temporada 2009-10, porém participou de todo resto da brilhante história escrita e tem grande influência no processo.

Questionado sobre o tamanho da influência da experiência adquirida de outras finais da equipe na próxima decisão, Simeone preferiu se manter neutro e elogiou o adversário, no qual viu semelhanças à sua equipe: "A experiência é um ponto importante, mas não é algo totalmente influente no jogo. Encontraremos uma equipe que iniciará pressionando, com isso, temos de impor nosso jogo no decorrer da partida. Somos similares em diversas situações do jogo".

Outra vez, o técnico desfalcará a equipe na beira do gramado da partida por conta da expulsão ocasionada no confronto contra o Arsenal. Ainda nos desfalques, os jogadores Gimenez e Vitolo eram desfalques nos dias recorrentes à partida, porém, foram relacionados por Simeone e devem estar presentes no banco de reservas. Savic e Correa devem substituir os jogadores.

Ainda sobre Griezmann e Simeone, as notícias que saem nos jornais espanhóis não são agradáveis para quem torce para o Atléti e a sequência do jogador e técnico em seu clube.

Sobre o jogador francês, é repercutido no ambiente do país que o camisa 7 está de saída do clube e os jogadores já dão declarações torcendo para sua permanência. Inclusive, o atacante fará a final bem perto de casa: ele nasceu em Macon, cidade a 70 km de Lyon que contém apenas 33 mil habitantes, e todos são fãs do jogador.

Sobre o treinador, a situação é mais tendente à permanência, porém, incomodam os torcedores da equipe. Recentemente, a esposa de Simeone revelou uma proposta tentadora do PSG, mas completou dizendo que eles estão felizes na Espanha.

Olympique visa surpreender e conquistar título inédito 

Foto: Reprodução/@OM_portugues
Foto: Reprodução/@OM_portugues

De fato a equipe do Olympique de Marselha não passa perto de ser favorita para o confronto contra o Atlético de Madrid. Sem o retrospecto recente e os jogadores de peso presentes na equipe adversária, os franceses são tratados como surpresa para caso de vitória na decisão e tentam fazer com que isso se transforme em motivo de empenho extra.

Além de ser considerada 'zebra', o OM tem como esperança finalmente conquistar o troféu da Europa League, competição que bateu na trave por duas vezes nas décadas anteriores. Primeiro em 1999, quando perdeu para o Parma por 3 a 0. Depois em 2004, quando foi derrotado pelo Valencia por 2 a 0 e o sonho novamente foi por água abaixo. Agora, os franceses tem como a proximidade de sua cidade como trunfo para a conquista do troféu. Em caso de vitória, não há dúvidas que Lyon estará lotada de torcedores vestindo azul e branco.

Para isso ocorrer, o Olympique deposita sua confiança em Florian Thauvin, principal nome da equipe durante a temporada com 24 gols e 14 assistências em 50 partidas. Além disso, o treinador Rudi Garcia conta com a presença de Luiz Gustavo, volante brasileiro que vem sendo muito elogiado no país e se mostrou polivalente, visto que empenhará a função de zagueiro na grande final.

O técnico deu sua palavra na véspera do jogo, comentou sobre o favoritismo do outro lado e se mostrou aguerrido nas respostas: "É claro que seremos a 'zebra' contra o Atlético de Madrid mesmo jogando a final na França, em Lyon.  Mesmo que eles tenham mais chances do que nós de vencer, nós faremos de tudo para ganhar o troféu. Agora que chegamos à final, não vamos querer parar nesta etapa desta bela caminhada só porque chegamos à final”, disse Rudi Garcia. 

O confronto marca a 47ª decisão da história da Europa League, que já contou com outros nomes e formatos anteriormente. Em caso de empate na etapa regulamentar, a partida será levada para prorrogação de 30 minutos divididas igualmente em dois tempos. Na persistência do empate no placar, o campeão será decidido em disputa por pênaltis.