Rei da pornochanchada, Carlo Mossy conta um pouco da época de ouro do cinema nacional
Arquivo Pessoal

Rei da pornochanchada, Carlo Mossy conta um pouco da época de ouro do cinema nacional

O gênero começou a ser produzido em meados da década de 1970 e ficou bastante popular

arthur-farias
Arthur Farias

Pornochanchada foi um gênero do cinema brasileiro criado nos anos 1970, que ficou bastante popular por causa de suas histórias eróticas e com cenas de sexo explícito. 

Carlo Mossy, que atuou, dirigiu e produziu muitos filmes do gênero foi uma das pessoas que ficaram conhecidas por esses trabalhos. Hoje em dia ele continua no mercado audiovisual, mas no ramo de documentários. 

O termo "pornochanchada" é fruto da junção das palavras "pornô", por causa das cenas de sexo dos longas, e "chanchada", que no mundo das artes se refere ao espetáculo que utiliza um humor  ingênuo,  burlesco, de caráter popular. As chanchadas foram comuns no Brasil entre as décadas de 1930 e 1960.

Mas nem todo mundo concorda com essa nomenclatura. Massoy, por exemplo, diz que os filmes não tinham nada de pornô. "De pornô os filmes não têm nada. Eram comédias eróticas. Os inimigos do cinema popular é quem fomentavam esse rótulo pejorativo ".

Na Boca do Lixo

Produção 100% nacional, a pornochanchada nasceu na cidade de São Paulo, em uma região não-oficial conhecida na época como Boca do Lixo – localizada no bairro da Luz, centro da capital paulista. Os estúdios de gravações das produções independentes, que não tinham nenhuma ajuda financeira do Governo tomaram conta da região durante os anos 1960.

"Eu sempre fui produtor independente. Eu não milito tentando angariar fundos do Governo. Não credito muito nisso", comenta Mossy.

Antes destas produtoras pequenas chegarem, a Boca do Lixo era o lugar onde super produtoras como Paramount, Fox e MGM gravavam os seus programas de TV. 

Influência

O tipo de filme foi bastante influenciado pelas comédias populares italianas – em especial as que continham teor erótico. Os diretores se inspiravam também na releitura da tradição carioca da comédia popular urbana e pelo erotismo insinuante dos filmes paulistas do final da década de 1960.

O que as pessoas diziam

Muitos críticos diziam que as pornochanchadas eram apelativas, vulgares e que se beneficiaram do grande controle à produção cultural e à informação durante a ditadura militar.

Há relatos de grupos conservadores que chegavam a fazer campanhas contra a exibição do gênero e por isso alguns dos filmes tinham cenas censuradas pelos militares.

Mas há também quem defendia os filmes, com argumentos de que as obras criaram um novo gênero e isso foi muito importante para o mercado audiovisual brasileiro.

Recordes

As superproduções sem muita qualidade, atuações forçadas e as cenas de sexo explícito atraíram muita gente para os cinemas de todo o Brasil. Não é à toa que o gênero possui uma das obras que mais bombaram nas bilheterias.

O filme "A Dama da Lotação" é o quarto filme mais visto no cinema pelos brasileiros. Cerca de 6.5 milhões de pessoas espectadores foram às telinhas para conferir a história de Solange, uma esposa que foi estuprada por seu marido na noite de núpcias e por conta disso desenvolveu um desejo intenso de ter relações sexuais com diversos homens dentro de um micro-ônibus.

Tudo que começa, tem que terminar...

A pornochanchada foi perdendo a força uma década depois do enorme sucesso, em 1985, por diversos motivos. Destacam-se o esgotamento temático dos filmes e a ascensão da pornografia hardcore, que colocou fim aos mais ou menos 15 anos de existência do gênero popular genuinamente brasileiro.

 

 

 

VAVEL Logo