Botafogo busca vitória contra o Nacional para dar sobrevida a Marcos Paquetá

Com três derrotas em quatro partidas no pós copa, Botafogo vê resultado positivo contra o Nacional-PAR  como essencial para aliviar a pressão e respaldar o trabalho de seu técnico

Botafogo busca vitória contra o Nacional para dar sobrevida a Marcos Paquetá
(Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)
Nacional-PAR
Botafogo
Nacional-PAR: Santiago Rojas; Diego Melgarejo, Victor Velázquez, Ariel Benítez e Miguel Paniagua; Luis Miño, Danilo Santacruz, Derlis Orué e Ricardo Clarke; Sergio Fretes e Nery Cardozo - Técnico: Celso Ayala
Botafogo: Saulo; Marcinho, Carli, Igor Rabello e Gilson; Rodrigo Lindoso, Matheus Fernandes e Renatinho (Luiz Fernando); Rodrigo Pimpão, Leo Valencia e Kieza - Técnico: Marcos Paquetá.

Nesta quarta-feira (1º), ás 19h30, Botafogo e Nacional de Asuncion se enfrentam pela segunda fase da Copa Sul-americana no estádio Defensores Del Chaco na capital paraguaia. 

Um bom resultado não servirá apenas para aproximar a vaga na próxima fase, mas também para dar um pouco mais de tranquilidade ao Botafogo. São dias difíceis para o alvinegro que vem de uma exibição fraca contra o Internacional no último domingo (29) no Beira-Rio. Marcos Paquetá começa a lidar com cobranças internas e encara esse jogo como decisivo para sua permanência no cargo.

Novo confronto após 66 anos

Botafogo e Nacional de Asunción se enfrentaram apenas uma vez em toda história. Foi em um amistoso realizado em Assunção, em uma excursão que o alvinegro fazia no país vizinho. Dino da Costa e Paraguaio marcaram os gols da vitória do Glorioso sobre o Tricolor na partida realizada em 1952. 

Hoje o confronto será novamente em Assunção, mas de amistoso não tem nada. O gol qualificado é critério de desempate na Copa Sul-Americana tornando qualquer gol para cada um dos lados muito mais importante visando o a segunda partida que será no Estádio Nilton Santos, casa do Botafogo. 

Boa campanha em 2017 inspira os paraguaios.

O Nacional chegou até as quartas de final da Copa Sul-Americana de 2017 deixando para trás times tradicionais do continente. Olhando para a campanha da edição anterior, os paraguaios vislumbram a oportunidade de repetir a dose e aos poucos construir uma campanha tão boa quanto a de 2017.

Na primeira fase passou pelo Cruzeiro nos pênaltis e surpreendeu. Na fase seguinte deixou o conterrâneo Olimpia para trás. Nas Oitavas duas vitórias pelo placar mínimo garantiram a classificação contra o Estudiantes. O Tricolor encerrou sua participação na competição ao ser eliminado nas quartas pelo time que seria campeão, o Rei de copasIndependiente.

Respeito ao Botafogo sem perder o otimismo

Ainda no dia em em que os confrontos foram sorteados o representante do Nacional no sorteio, Enrique Sánchez mostrou preocupação, mas não deixou de lembrar que encarar grandes equipes não é novidade para o tricolor na competição.

"Esse sorteio nos fez lembrar o anterior, quando pegamos o Cruzeiro (em 2017). Agora temos o Botafogo, outro clube grande do Brasil. Mas é isso aí, a Copa tem essas coisas. É uma equipe muito grande, mas o Nacional, de alguma forma, está acostumado a enfrentar os grandes. Algumas vezes foi bem, outras não. Bom, temos muita expectativa em passar por esse desafio e seguir avançando na Copa" - Disse Enrique.

Para vencer o alvinegro o Nacional conta principalmente com Derlis OruéAdam Bareiro e Miguel Paniagua. Ricardo Clarke também é outro que pode ajudar o tricolor contra o Botafogo.

Botafogo quer amenizar o clima

 O clube conseguiu na terça (31) vitórias no campo das finanças. Um importante desbloqueio de aproximadamente R$ 20 milhões vai ajudar o Botafogo a pagar o PROFUT por cerca de 2 anos, além também de importantes avanços para pagar os salários dos funcionários que ainda estão atrasados.

Mas o clima dentro das 4 linhas não é dos melhores. Três derrotas nos últimos quatros jogos e o que muitos consideram a pior atuação do alvinegro no ano, contra o Internacional no Beira-Rio pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro. Uma vitória ou uma boa atuação somada a um resultado positivo para o Glorioso podem trazer um pouco paz para o elenco que tem sido questionado pela torcida.

Sobrevida para Marcos Paquetá em semana decisiva também está em jogo

 Marcos Paquetá já sofre pressão pelo começo ruim no Botafogo. O treinador reúne números muito negativos. As três derrotas nos quatro jogos, sete gols sofridos (seis nos primeiros 45 minutos) e apenas um marcado, além de atuações fracas fazem com que o técnico do Botafogo seja questionado não só internamente, mas também há uma campanha pedindo a saída do treinador.

Paquetá admitiu que sua adaptação ao intenso futebol brasileiro não está sendo fácil. O curto tempo entre os jogos, as viagens a grande sequência de jogos são fatos novos para o treinador que passou muito tempo no mundo árabe onde o ritmo é bem menos intenso.

A partida desta quarta (01)  será decisiva para o comandante alvinegro na busca por solidez em seu trabalho. Em caso de derrota a pressão inevitavelmente aumentará. Ainda assim, Marcos Paquetá não perde o otimismo.

"A sequência está sendo difícil. Nós estamos jogando bem, mas no último não jogamos. A equipe está focada, os jogadores são compromissados e se doam bastante. Estão se cobrando e vamos colocar disposição para sair com um resultado positivo".