É Páscoa! A poucos meses da Copa do Mundo, relembre os maiores 'chocolates' da competição
Goleada mais recente na memória dos torcedores é o 7 a 1 da Alemanha no Brasil (Foto: Alex Livesey/Fifa)

A pouco mais de 70 dias para a competição mais importante de todas, chegamos à data festiva mais deliciosa do ano: a Páscoa! Para comemorá-la, listamos os cinco maiores 'chocolates' das 20 edições do torneio.

5) Uruguai 8 x 0 Bolívia (1950)

"Goleada em uma Copa realizada no Brasil", certamente esta frase  não nos traz boas lembranças, certo? E esta ainda aconteceu adivinha em que cidade? Sim, Belo Horizonte. Contudo, um dos sul-americanos envolvidos no duelo em questão saiu bem contente de campo.

A Copa de 50 marca também as duas maiores goleadas do Brasil em Copas: 7 a 1 contra a Suécia e 6 a 1 contra a Espanha

Uruguai e Bolívia se enfrentaram no Estádio Independência, em Minas Gerais, no dia 2 de julho de 1950. O que os mais de 5 mil espectadores não imaginavam é que presenciariam a quinta maior goleada de todas as Copas naquela tarde. O grande nome da partida foi Óscar Míguez, atleta do Peñarol, que anotou três gols; companheiro de Óscar no clube uruguaio, Schiaffino deixou sua marca duas vezes; por fim, Vidal, Pérez e o carrasco na decisão do Maracanã diante do Brasil, Ghiggia, complementaram o massacre diante dos bolivianos.

(Foto: Reprodução/YouTube)
(Foto: Reprodução/YouTube)

4) Alemanha 8 x 0 Arábia Saudita (2002)

O duelo mais recente da nossa lista traz a tetracampeã Alemanha como protagonista. Antes de os germânicos serem derrotados pelo Brasil na final, a equipe comandada pelo ex-jogador Rudi Völler estreou na competição com o pé direito.  

+ Argentina e Brasil 'puxam fila' de ataques mais produtivos entre favoritas à Copa do Mundo

A partida aconteceu no belíssimo Sapporo Dome, na cidade de Sapporo, no Japão, diante da Arábia Saudita. O elenco sem muitas expectativas, mas experiente da Alemanha tinha em seu ataque o futuro maior artilheiro de todas as Copas: Miroslav Klose, autor de três gols naquela noite; Ballack, Jancker, Linke, Bierhoff e Schneider 'fecharam o caixão' dos sauditas.   

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

3) Hungria 9 x 0 Coreia do Sul (1954)

Ah, o time de Puskas! A Hungria da década de 50 é sem dúvida uma das equipes mais brilhantes da história das Copas. No Mundial de 54, os húngaros goleariam outras equipes em sua campanha, como a Alemanha Ocidental na fase de grupos por 8 a 3, mas perderia para este mesmo rival na decisão, por 3 a 2.

Melhor média de gols da história das Copas, a competição de 54 teve teve 140 gols em 26 duelos

O maior marcador da partida acabou não sendo Puskas, mas sim Sándor Kocsis, que mais tarde seria um dos maiores atacante da história do Barcelona. O jogador deixou sua marca três vezes, contra duas de seu companheiro; Lantos, PalotásCzibor fecharam o placar em Zurique, na Suíça. 

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

2) Iugoslávia 9 x 0 Zaire (1974)

A extinta Seleção Iugoslava certamente deixou saudades. Presente em duas finais da Copa do Mundo e com uma medalha de ouro da Olimpíada de 1960, a equipe aplicou em 74 a segunda maior goleada da história das Copas.

+ Redenção: Thiago Silva afasta desconfiança e gera 'dor de cabeça' a Tite às véspera da Copa

A competição realizada na Alemanha Ocidental colocou ninguém menos que o Brasil diante da Iugoslávia na estreia. Contudo, após a conquista do tri, a Canarinho não tinha mais no elenco jogadores como Pelé e Tostão, mas contava com Jairzinho e Rivellino, por exemplo. O jogo inicial do grupo, contudo, terminou sem gols. Mas contra o Zaire...

A partida contra os africanos aconteceu no Parkstadion, em Gelsenkirchen. O craque do dia foi o desconhecido Bajević, que teve em seu currículo passagens mais marcantes por clubes gregos, ao anotar três gols; Džajić, Šurjak, Katalinski, Bogićević, Oblak e Petković marcaram os tentos restantes em solo alemão. 

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

1) Hungria 10 x 1 El Salvador (1982)

A Copa de 82 é um prato cheio para os saudosistas e apaixonados por um bom futebol. A competição realizada na Espanha reuniu a Seleção Brasileira, dita por muitos, como a mais brilhante de toda a história, e também a maior goleada de todas as Copas.

O gol de honra de El Salvador é o único do país nas duas Copas em que disputou

A partida aconteceu no Nuevo Estadio, na cidade de Elche, para pouco mais de 20 mil torcedores, e eles tiveram que aguardar o intervalo para que mais da metade dos gols saíssem. László Kiss, artilheiro do dia com três gols, saiu do banco de reservas para fazer história em Elche; pelo alto, Nyilasi fez mais dois; Pölöskei, Fazekas, Tóth e Szentes fecharam o placar. 

(Foto: Reprodução/ Dailymail)
(Foto: Reprodução/ Dailymail)

*Menção honrosa: Brasil 1 x 7 Alemanha (2014)

Ela não poderia faltar. Mesmo não estando nem entre as dez maiores goleadas das Copas, o confronto entre brasileiros e alemães sem dúvida alguma ganha em destaque pela equipes envolvidas. Dificilmente este placar será refeito por duas equipes tão notórias no âmbito do futebol como estas, ainda mais por tudo que envolveu o duelo.

+ Sustentação: solidez que Casemiro e Fernandinho trouxeram ao meio-campo da Seleção Brasileira

Sem Neymar, machucado no jogo anterior com a Colômbia, o Brasil foi, mesmo com dúvidas, de certa forma confiante para o embate no Mineirão. O meia-atacante Bernard foi o escolhido para substituir o astro, e não demorou muito para a história ser construída.

Alemanha passeou no Mineirão (Foto: Jamie McDonald/Getty Images)
Alemanha passeou no Mineirão (Foto: Jamie McDonald/Getty Images)

Onze minutos foram necessários para Thomas Müller inaugurar o marcador; 12 minutos depois Miroslav Klose se tornou o maior artilheiro das Copas e ampliou o placar, deixando muitos brasileiros em prantos em Belo Horizonte. A partir dali, iniciou-se o apagão mais famoso do futebol mundial: Kroos duas vezes e Khedira deixaram o resultado em 5 a 0 em menos de cinco minutos.

O Brasil estava na roda alemã, e não via a cor da bola. Após o intervalo, Schürrle saiu do banco de reservas para fazer o sexto e o sétimo. No fim, Oscar marcou o tento que foi de longe o de honra da Seleção Brasileira.

VAVEL Logo