Leverkusen brilha no segundo tempo e vence apático Atlético de Madrid pela Liga dos Campeões
Moussa Diabý marcou o segundo gol dos alemães (Divulgação / Bayer Leverkusen)

Depois de uma primeira rodada decepcionante onde amargou uma derrota para o Club Brugge, o Bayer Leverkusen bateu o Atlético de Madrid por 2 a 0 na segunda rodada da Champions League nesta terça-feira (13), na BayArena.  

Se por um lado, os Leões de Leverkusen estão em um conturbado começo de temporada, onde foram eliminados na primeira rodada do DFB Pokal, estão na penúltima colocação da Bundesliga e foram derrotados em sua estreia na competição europeia, o Atleti foi embalado, pois apesar de estar apenas na sétima colocação da La Liga, goleou o Celta de Vigo no último final de semana por 4 a 1 e entrou em campo como líder do seu grupo.

Imprecisão e equilíbrio

O jogo começou lento. Até os 5 ainda não tinham saído finalizações, mas o primeiro chute de perigo veio logo em seguida após cruzamento do jovem equatoriano Piero Hincapié para finalização de Robert Andrich na sobra de bola durante a continuidade da jogada. Já perto dos 10, o Leverkusen passou a ter mais posse de bola e havia igualado os percentuais com seus oponentes, passando a buscar o ataque de forma mais vertical e os fazendo a buscar o ataque através de contra-ataques.

O ritmo seguiu devagar, com os times tendo finalizado apenas duas vezes cada um, mas sem acertar o alvo, até os 20. Aos 22, o Atlético reclamou uma marcação de pênalti claro não dada, quando o zagueiro do Bayer Leverkusen, Desmond Tapisoba colocou a mão na bola e impediu uma finalização mais precisa por parte de Mario Hermoso após cobrança de escanteio. 

Passado o susto, o Bayer voltou a subir mais para o ataque, mas assim como fez nas primeiras rodadas da Bundesliga, onde demorou três partidas para conseguir a primeira vitória, sofreu demais com a sua falta de precisão e não acertou o alvo nenhuma vez até os 44, quando Moussa Diaby chutou em cima do goleiro Ivo Grbic. Do lado do Atlético, a falta de precisão em suas finalizações também imperou e de seis chutes, apenas um foi em direção ao alvo.

Ao todo, os 45 iniciais do duelo foram bem balanceados, com os dois times mantendo 50% de posse de bola cada e tendo a mesma quantidade de finalizações no gol. Até mesmo na quantidade de passes (202 para o Leverkusen e 282 para o Atlético) o jogo teve números parecidos e nenhum dos times se destacou ou atuou de forma superior.

Superioridade dos Leões

O Leverkusen começou a segunda etapa com muita superioridade, finalizando duas vezes no alvo em já nos dez primeiros minutos e cercando a área dos espanhóis com perigo. Para buscar uma reação, o técnico Diego Simeone colocou Antoine Griezmann e Yannick Carrasco logo após os 60’, visando dar ao seu time maior posse de bola para que conseguisse passar um maior tempo no campo de defesa dos alemães.

No entanto, o técnico que faria a substituição que mudaria o curso do jogo seria Gerardo Seoane. Aos 69, o treinador do Bayer Leverkusen trocou Adam Hlozek pelo habilidoso Jeremie Frimpong, que teve grandes atuações recentemente e foi inclusive o autor de dois gols dos três marcados pelo seu time em sua primeira vitória conquistada no campeonato alemão. Desta vez ele não marcou, mas foi igualmente responsável pelos dois gols de seu time: aos 84, ao cruzar para que Robert Andrich chegasse batendo pelo meio e abrisse o placar e aos 87, ao fazer cruzamento rasteiro para que Moussa Diaby batesse pela direita para dar números finais ao jogo: 2 a 0 para os alemães.

No final da partida, o resultado ainda teria saído barato para o Atleti, pois por mais que os espanhóis estivessem com maior posse de bola, o Leverkusen ainda havia chegado mais ao ataque, criando 18 chances, e acertado a trave em três ocasiões, mostrando superioridade quando precisa jogar sem a bola.

Destaque

O grande nome da partida foi Robert Andrich, do Bayer Leverkusen. Já no primeiro tempo ele havia aparecido por diversas vezes como elemento surpresa para finalizar e mostrou uma precisão de 86% em seus passes distribuídos no meio de campo. O gol dele foi o tempero final para a coroação de uma grande atuação.

Situação do grupo

Por ter goleado de forma surpreendente o time do Porto por 4-0, os belgas do Club Brugge assumiram a liderança isolada do grupo B. Em seguida vem o Bayer Leverkusen, com três pontos e um gol de saldo e em terceiro. Na zona de descenso para a Liga Europa, está o Atlético de Madrid, com os mesmos três pontos, mas com saldo negativo de um gol. O Porto fecha a tabela na última colocação, ainda sem pontuar.

Próximos compromissos

Na terceira rodada da Champions League (04/10), Atlético e Leverkusen jogarão fora de casa contra Club Brugge e Porto, respectivamente.

Pelos campeonatos domésticos, o time espanhol terá o clássico contra o líder Real Madrid e o Bayer Leverkusen jogará contra o recém-promovido, porém embalado, Werder Bremen, que atualmente está na nona colocação da Bundesliga.
 

VAVEL Logo