Cuca, Nacho e base mantida; análise sobre força do Atlético-MG na Libertadores
Elenco do Galo no vestiário (Foto: Pedro Souza/Atlético-MG)

O Atlético-MG conheceu na tarde desta sexta-feira (9) os adversários da fase de grupo da Copa Conmebol Libertadores 2021. Cerro Porteño-PAR, Galo, América de Cáli-COL e Deportivo La Guaira-VEN, respectivamente, compõem o Grupo H da competição. O alvinegro investiu pesado para a atual temporada, com grandes contratações e ajustes, o que resultou num certo favoritismo da equipe mineira nas principais competições.

Nas quatros linhas, o clube agitou o mercado acertando com o atacante Hulk, o meia Nacho Fernández - eleito o segundo melhor jogador da América Latina na última temporada - e o lateral-esquerdo Dodô, para fazer sombra à posição de Guilherme Arana. Para o cargo de técnico deixado por Sampaoli, a diretoria contratou Cuca, treinador que conquistou a Libertadores de 2013 com o Galo, e chegou à final do torneio continental na última edição, enquanto comandava o Santos. O último reforço contratado foi Tchê Tchê, pedido exclusivo de Cuca para a volância. Além disso, a diretoria manteve a base do elenco que terminou em terceiro lugar, o Campeonato Brasileiro passado.

Adversários

Em 2021, o Cerro Porteño-PAR, cabeça de chave do grupo, possui seis vitorias em dez jogos disputados na Primeira Divisão Apertura. O América de Cáli-COL, também possui seis vitórias, mas em 17 partidas somando a Copa da Colômbia e o Campeonato Colombiano. O Deportivo La Guaira-VEN, por sua vez, jogará neste domingo (11), contra o Aragua, pelo Campeonato Venezuelano, depois de quase cinco meses sem jogos oficiais.

Já o Atlético-MG, levando em conta desde o início do Campeonato Mineiro, tem sete vitórias em oito jogos até agora no Estadual, somente. Levando em consideração esses números levantados, o Galo chega melhor na fase de grupos, no momento, mas isso não quer dizer que irá se manter estável ao longo dos jogos, ainda mais se tratando de Libertadores. Haja vista que o time mineiro, também, vem atuando contra adversários tecnicamente mais fracos.

Outro ponto a destacar é que Cerro Porteño-PAR e América de Cáli-COL conquistaram a última edição do campeonato nacional de seus respectivos países, tendo o time paraguaio também conquistado o último Torneio Apertura.

 Plantel alvinegro

Voltando ao Galo, Cuca ainda tem pouco tempo de trabalho com o grupo, com apenas três jogos oficiais disputados. Tempo insuficiente para implementar boa parte das filosofias de jogo, já visando a estreia na Libertadores, no dia 21 de abril, contra o Deportivo La Guaira-VEN, em horário ainda a ser definido pela Conmebol. Entretanto, há, sim, a expectativa da imprensa e de torcedores de que a comissão técnica dê um bom padrão ao Atlético-MG, assim como fez com no Santos, que encantou a todos com o futebol demonstrado na última edição da Libertadores.

Vale mencionar que Cuca conseguiu golear, por exemplo, o poderoso Boca Juniors-ARG, na semifinal, com um elenco formado por jovens atletas das categorias de base, e uma diretoria com diversos problemas financeiros e impossibilitada de contratar reforços. Agora, a situação é totalmente oposta. O Galo conta com o aporte financeiro de investidores para contratações, e boa base mantida da última temporada.

Um provável time base do Galo nesta fase de grupos da Libertadores deverá ter Everson, Guga, Réver, Junior Alonso e Guilherme Arana; Jair (Tchê Tchê), Zaracho e Nacho Fernández; Hulk (Savarino), Vargas (Sasha) e Keno.

Existe a possibilidade de que novos reforços pontuais cheguem à Cidade do Galo até o meio do ano. A chegada de um zagueiro e um centroavante são as mais prováveis.

Grupo treina na Cidade do Galo (Foto: Pedro Souza/Atlético-MG)
Grupo treina na Cidade do Galo (Foto: Pedro Souza/Atlético-MG)

Pós-fase de grupos?

Caso avance às oitavas de final, e adiante, o Atlético-MG poderá enfrentar outros grandes clubes do futebol sul-americano, como Flamengo, Internacional, Boca Juniors-ARG e River Plate-ARG, equipes favoritas para classificação em seus respectivos grupos.

Grupo para fazer boa campanha tem. E de sobra. Porém, esse fator caminha lado a lado com o padrão de jogo e o desenho tático, que o time desenvolverá durante os oito confrontos da fase de grupos. O Galo pode, sim, chegar longe na Libertadores 2021 e buscar o bicampeonato. Há material humano e planejamento da diretoria.

Mas, assim como as outras equipes, somente o tempo e o decorrer da análise das partidas poderão garantir mais certezas aos torcedores e imprensa.

VAVEL Logo