Caminho para o Brasil 2014: A maturidade do Gana

A cada quatro anos os Mundiais são marcados pela diferença de estilo entre as várias selecções que compõem a prova, destacando-se as equipas provenientes de África, que se distinguem pela positiva face ao talento puro que apresentam mas também pela negativa pelo futebol inconsequente e em várias ocasiões incipiente que as impede de alcançar resultados de maior destaque.

Todavia, o Mundial 2014 apresenta um caso completamente oposto a este hábito, pois a actual selecção do Gana apresenta um futebol tudo menos inconsequente, possuindo mesmo na maturidade uma das suas grandes armas que certamente serão apresentadas num dos mais interessantes grupos da prova.

Um conjunto de força e muita objectividade

Uma análise mais profundas às valências da equipa do Gana permite verificar que a sua grande força reside no seu meio-campo, que se encontra aliás bem acima dos restantes sectores que compõem este seleccionado africano e que centra todas as expectativas de uma carreira de destaque neste Mundial.

Ao estar colocado num grupo de tremendo equilíbrio no qual medirá forças com os favoritos Alemanha e Portugal, sem esquecer uma perigosa equipa dos EUA, pode dizer-se que tudo pode acontecer para este Gana, que se eventualmente for capaz de bater adversários como a Mannschaft ou a nossa Selecção tem todas as razões para sonhar e acreditar no melhor, quem sabe uma inédita presença nas meias-finais da competição, um objectivo altamente complicado mas não impossível.

Constante fuga à renovação pode prejudicar

Como ponto negativo a equipa ganesa ostenta uma falta de frescura e de juventude entre os seleccionados que pode trazer dissabores já no Brasil, e que tenderá a agravar-se em campanhas futuras, podendo afirmar-se que os responsáveis africanos têm constantemente fugido a aplicar uma renovação sempre necessária em todas as equipas e que inevitavelmente também terá lugar nesta equipa, ainda que não neste Mundial.

Como tal, entre os 23 escolhidos não se encontram ainda algumas promessas que poderiam garantir algumas alternativas de qualidade à equipa como seriam os casos do jovem Ebenezer Assifuah, que aos 20 anos evolui já com regularidade ao serviço do Sion na Suíça e poderia tornar-se mais uma opção para a frente de ataque. Acima de tudo, deverá representar o futuro goleador da equipa visto que Asamoah Gyan se trata já de um veterano.

Jogadores a seguir

O LÍDER: Kevin-Prince Boateng – A sua mescla de futebol físico mas também de muita criatividade e impresivibilidade, aliada à grande experiência em grandes palcos do futebol internacional angariada nas suas passagens por AC Milan e Schalke 04, clube ao qual continua ligado, torná-lo-á a grande figura da equipa, devendo assumir a função de playmaker num conjunto que deverá colocar 5 médios, entre os quais Boateng jogará nas costas da referência atacante Gyan.

O ÁS: Kwadwo Asamoah – Quase sempre utilizado como 10 na equipa do Gana e nos clubes nos quais passou, em especial na Udinese, desta feita Asamoah poderá colocar a sua técnica individual e organização de jogo em prol de uma das alas, devendo jogar como extremo ou interior pela direita, muito embora o costume fazer na ala contrária ao serviço da Juventus.

Desta forma, o criativo injectará outro ‘perfume’ a um sector intermediário no qual se juntarão unidades de posicionamento defensivo como Michael Essien e Sulley Muntari e ainda organizadores como Boateng e o próprio Asamoah.

PARA NÃO PERDER: Wakaso Mubarak – Solidificou toda a sua qualidade ao serviço das Black Stars na última CAN, devendo assumir o lugar de extremo esquerdo na equipa para acrescentar a veriticalidade nas alas que nenhum dos seus outros companheiros possui, até porque deverá ser Asamoah a alinhar na ala contrária.

Com 23 anos, Mubarak será mais do que provavelmente a revelação da equipa e uma das surpresas do Mundial, uma situação que não escapará à atenção do seu actual clube, o Rubin Kazan, que estará perante uma boa oportunidade de valorizar um activo no mercado internacional apesar de o atleta ter chegado ao futebol russo apenas neste último mercado de Inverno.

VAVEL Logo