Grupo H do Mundial 2014, jornada 1
Dries Mertens saltou do banco para dar a vitória aos Diabos Vermelhos. (Fonte: AFP)

Grupo H do Mundial 2014, jornada 1

A grande favorita do grupo, Bélgica, sentiu grandes dificuldades para bater a Argélia. Rússia marca passo e não consegue mais do que um empate frente à Coreia do Sul.

francisco-fontes
Francisco Fontes

Na primeira ronda do grupo H, a Bélgica levou a melhor sobre a selecção da Argélia, ganhando por 2-1. Já a Rússia não conseguiu confirmar o favoritismo e empatou frente à Coreia do Sul.

Bélgica vence mas não convence

A selecção da Bélgica, favorita a vencer o grupo H, estreeou-se frente a uma modesta Algéria. No entanto, a superioridade não foi assim tão evidente durante os 90 minutos de jogo.

O jogo começou com um ritmo muito lento, com ambas as equipas a não quererem cometer erros e a tentarem analisar a forma como cada uma iria abordar o jogo. Numa primeira parte muito fraca, não houve ocasiões de golo até que Jan Vertonghen derubasse Sofiane Feghouli, dentro da grande área. O árbitro não hesitou, marcou pénalti, admoestou o central (que neste jogo foi lateral) do Tottenham e o próprio Feghouli bateu Courtois, com um remate para o meio da baliza. 

Estava feito o primeiro golo e confirmada a surpresa. O resultado, embora não fosse justo, pois a Bélgica, apesar de não criar perigo, estava a controlar o jogo, era como que um castigo que penalizava o fraco futebol produzido pelos "Diabos Vermelhos"

507 minutos depois, a Argélia voltava a festejar um golo num Mundial. (Fonte: AFP)

A atitude passiva e pouco agressiva dos Belgas prolongou-se pelo resto da primeira parte. A equipa acusava muito a falta de inspiração dos seus astros, nomeadamente de Hazard e apenas assutou o guarda-redes Rais M'Bolhi com dois remates de fora de área do antigo Benfiquista Axel Witsel.

Com a chegada do intervalo, a atitude da selecção Europeia mudou. Na segunda parte, o treinador Belga fez entrar Dries Mertens para o lugar do apagado Chadli enquanto que o Bósnio da Argélia, Vahid Halilhodzic, nada alterou na sua equipa. A pouco e pouco, os "Diabos Vermelhos" iam-se aproximando da área contrária mas sem conseguirem oportunidades claras de golo. No outro lado, com as linhas bastante recuadas, a selecção Argelina limitava-se a tentar explorar a velocidade de Feghouli e Soudani mas sem sucesso.

A Bélgica continuava sem encontrar o caminho da baliza das "Raposas de Hoggar" e Wilmots fez entrar Origi e Fellaini, ao ponto que Halihodzic colocou em campo o "Português" Slimani.  As alterações Belgas surtiram efeito, com o avançado do Lille Origi a ter nos seus pés o golo do empate, que acabou por ser negado por M'Bolhi. No entanto, aos 70 minutos, o guarda redes do CSKA Sofia não conseguiu suster um belo cabeceamento de Fellaini, que respondeu da melhor forma ao cruzamento de Kevin de Bruyne.

Fellaini bateu M'Bolhi aos 70'. (Fonte: FIFA)

A Argélia consentiu muito o golo e recuou ainda mais as suas linhas, como que numa tentativa desesperada de manter o empate. A Bélgica pressionou e numa rápida jogada de contra-ataque, Eden Hazard assistiu com conta, peso e medida Dries Mertens que disparou, sem hipóteses, para o fundo da baliza. Estava feita a reviravolta no marcador. 

Até ao fim do jogo, Fellaini teve a oportunidade de bisar, outra vez de cabeça, mas Rais M'Bolhi, com uma espectacular defesa negou o segundo ao médio do Manchester United. Nota ainda para a entrada em campo de Nabil Ghilas, jogador do Porto, que à semelhança do jogador do Sporting Clube de Portugal, teve pouca bola e não conseguiu fazer a diferença.

A Bélgica acabou por vencer, com grande sofrimento, a selecção Argelina, graças às alterações promovidas por Wilmots, que vieram abanar e desbloquear um jogo que se revelou muito mais complicado do que muitos achariam.

Rússia e Coreia do Sul anulam-se

No segundo jogo referente à primeira jornada do grupo H, Rússia e Coreia do Sul empataram a uma bola.

À semelhança daquilo que aconteceu no outro jogo do grupo, as duas equipas abordaram a primeira parte com muita cautela embora a Rússia mostrasse mais clarividência no processo ofensivo, ao passo que a Coreia tentava surpreender os Russos em contra-ataque.

Aos 10 minutos de jogo, Son Min, atacante do Bayer Leverkusen, rematou forte à entrada da área e quase batia Akinfeev, para uma das grandes oportunidades da primeira parte. Apesar da maior qualidade na circulação da bola, a Rússia não conseguia capitalizar e foi por só volta da meia hora que Ignashevic, com uma autêntica bomba do meio da rua, na cobrança de uma falta, conseguiu assustar os Coreanos. No entanto, o guarda-redes Ryong respondeu da melhor forma. A oportunidade mais perigosa na primeira parte, em Cuiabá, surgiu já perto dos 35 minutos, com um remate de Son Min a desviar na defensiva Russa e a tirar tinta ao poste. Até ao fim do primeiro tempo não houve mais nenhum lance relevante, numa primeira parte que deixou muito a desejar, principalmente por parte da Rússia. As condições climatéricas não eram as ideias, com temperaturas a rondar os 26 graus e 70% de humidade, e os jogadores em campo refletiam este facto.

Son Min tentou sempre espevitar o jogo durante a primeira parte. (Fonte: Reuters)

Na segunda parte, tal como se esperava, "Os Soviéticos" entraram determinados a marcar. A selecção de Fabio Capello entrou mais pressionante e logo no primeiro minuto Fayzulin disparou do meio da rua para uma boa defesa de Ryong. A resposta dos "Tigres da Ásia" não tardou e no espaço de oito minutos minutos Kook, Ki e Kim obrigaram o Akinfeev a defesas apertadas e que demonstravam algum nervosismo por parte do experiente guardião de 28 anos.

Gradualmente, a Rússia foi diminuindo a pressão e a surpresa maior chegou quando aos 68 minutos Keun-Ho Lee adiantou a selecção orientada por Hong Myung-Bo. Um golo que resulta não tanto do mérito do Coreano mas do demérito de Akinfeev, que não conseguiu segurar uma bola fácil e que acabou por ultrapassar a linha de golo. Um autêntico "frango" do jogador do CSKA Moscovo.

Akinfeev teve um dia para esquecer. (Fonte: AFP)

Capello não tardou e revolucionou a equipa, promovendo a entrada de Kerzakhov e de Denisov, quase em simultâneo. A atitude da Rússia, depois do golo sofrido, mudou drasticamente e numa jogada bastante confusa, dentro da grande área da Coreia, surgiu o golo do empate, aos 74', por intermédio de Kerzhakov, que igualou Beschastnykh como melhor marcador da Selecção Russa.

O golo da Rússia fica também marcado por um trabalho incompleto do guarda-redes Ryong. Os "Guerreiros Taegeuk" consentiram muito o golo sofrido e acabaram o jogo "encostados às cordas". Já em tempo de compensação, Kokorin trabalhou bem dentro da área e tentou servir Samedov, que disparou muito por cima da baliza. 

Terminado o jogo em Cuiabá, registou-se um empate, justo, que punia a apatia da equipa Russa durante grande parte do jogo.

Kerzhakov entrou para repôr a igualdade. (Fonte: FIFA)

No final do dia, no grupo H, A Bélgica segue isolada no segundo posto, com 3 pontos. Rússia e Coreia do Sul estão empatados com 1 ponto, enquanto que a Argélia de Slimani, Halliche e Ghilas ocupa o último lugar com 0 pontos.

VAVEL Logo
CHAT