1-0, ABOUBAKAR, 70'; 2-0, LAYÚN, 84'. AMARELADOS: RÚBEN NEVES, 11'; FÁBIO PACHECO, 40'; EVANDRO, 59'
FC Porto sofreu mas Aboubakar e Layún desataram o nó sadino

FC Porto sofreu mas Aboubakar e Layún desataram o nó sadino

Na jornada 10 da Liga NOS, o Porto recebeu e venceu o Vitória de Setúbal por dois tiros a zero. Com o triunfo os dragões continuam a perseguir o líder Sporting na luta pelo título.

francisco-dias
Francisco Dias

Com mais de 32 mil nas bancadas do Dragão, o FC Porto bateu o Vitória de Setúbal por 2-0 mantendo viva a chama de tentar recuperar terreno na frente do campeonato. O jogo foi equilibrado na primeira parte, mas Aboubakar e Layún resolveram o impasse no segundo tempo com dois golos nos últimos vinte minutos do jogo. 

Primeira parte: pouco acerto no tiro ditou nulo 

O final de tarde deste Domingo ditou um Futebol Clube do Porto x Vitória de Setúbal com o estádio do Dragão bem composto para esta partida da 10ª jornada da Liga NOS. Com André André no banco e Brahimi de regresso ao onze, os azuis e brancos tentaram desde cedo imprimir dinâmica no ataque com Danilo a dar nas vistas nos primeiros minutos.

Os invictos entraram em campo a conhecer o resultado do Benfica frente ao Boavista e o primeiro sinal de perigo surgiu por Aboubakar que viu o esférico embater na barra depois de um remate potente. Ao minuto 9, o Vitória respondeu com um cabeceamento de Fábio Pacheco a passar perto das redes de Iker Casillas. Pouco depois foi Danilo Pereira a usar a cabeça sem sucesso mas ficou o registo. Apesar de ter ligeiramente mais posse de bola, os portistas foram surpreendidos pela táctica atrevida da equipa do Sado.

Os sadinos surgiram na primeira parte com as linhas subidas e em termos de remates a estatística esteve equilibrada. Aos 20 minutos Tello desenhou um lance bonito mas na hora de visar as redes faltou critério ao espanhol. Cada vez mais ambientado ao futebol português, o mexicano Layún destacou-se na lateral esquerda obrigando a defesa do Vitória a parar o lateral com recurso a faltas. Numa dessas faltas o avançado Aboubakar falhou o tiro de forma escandalosa dando sequência ao jejum de golos  do africano. Já depois da meia hora o mesmo Aboubakar trabalhou e fintou mas o golo insistiu em não surgir com o remate a sair ao lado dos postes sadinos. O último quarto de hora do primeiro tempo foi de maior pressão por parte dos dragões com relevo para um petardo de Tello que obrigou o guardião Raeder a uma defesa incrível. 

Já perto do descanso Marcano ficou a centímetros do golo faltando mais uma vez eficácia aos azuis e brancos.O empate a zero ao intervalo acaba por se aceitar mas o Porto esteve mais vezes junto da baliza de Reader. Faltou calma na hora de furar as redes, mas fica o relevo para as exibições de Danilo, Layún e Tello que estiveram acima da média. O Vitória de Setúbal teve uma postura positiva com as linhas subidas mas foi o guarda-redes Reader a destacar-se mais com defesas brutais a negar o golo aos portistas.

Segunda parte: Aboubakar deu o grito de afirmação

Com André André a entrar ao intervalo, o Porto reentrou no jogo com maior intensidade tentando desatar o nó rapidamente. O lateral, Layún começou a todo o gás e na marcação de um canto viu Reader sair sem critério ficando o Porto perto da emenda. Com Osvaldo em parceria com Aboubakar na frente, o Porto apostou tudo no ataque mas neste segundo tempo faltou maior eficácia no último passe para os avançados. 

O Vitória de Setúbal por sua vez baixou um pouco o bloco de forma estratégica para tentar segurar o empate espreitando a contra ofensiva. Na entrada para a meia hora final o argelino Brahimi ganhou espaço e rematou em arco perto do poste de Reader. Ao minuto 70, o inconformado Layún subiu como uma flecha no flanco esquerdo e com um cruzamento fantástico encontrou o letal Aboubakar que furou a rede colocando os azuis e brancos em vantagem por uma bola a zero. Depois do golo, o Porto adormeceu ainda mais o seu oponente gerindo a posse de bola com André André e Danilo Pereira a equilibrarem o miolo de forma formidável.

Sem carregar muito no Vitória, os azuis e brancos chegaram ainda ao segundo com destaque para uma assistência de Maxi Pereira que serviu Layún, que atirou sem medo para o tento da tranquilidade; o mexicano matou o encontro ao minuto 84 dando sequência ao jogo magnífico que vinha a fazer. Pouco depois Imbula esteve a milímetros do golo com uma bomba que Reader parou ficando com as luvas a arder. Até final o Setúbal por intermédio de Suk ainda tentou incomodar Casillas mas o guardião espanhol foi um autêntico espectador na segunda parte. O triunfo portista foi justo mas a postura do Vitória foi assinalável com uma táctica audaz que na primeira parte ainda assustou Casillas.

Na segunda parte, o Porto demorou mas Aboubakar e Layún furaram as redes do gigante Reader. No Porto, Danilo, Layún e Tello estiveram em foco e no Vitória, Reader, Costinha e Suk foram os mais inconformados. O mexicano, Layún é no entender da VAVEL Portugal o melhor em campo, sendo essencial para que o Porto some agora 21 pontos, na 2º posição da tabela, a 5 do líder Sporting que venceu o Arouca por 0-1 (Porto tem um jogo a menos em partida em atraso da 9ª jornada). O Vitória de Setúbal, por sua vez, ocupa a 6ª posição da liga com 14 pontos mostrando-se como uma formação que poderá ir longe na tabela classificativa.

VAVEL Logo