Triunfo para comproVAR o bom momento

Triunfo para comproVAR o bom momento

Desde a derrota em Madrid, e as consequentes críticas públicas do presidente Bruno de Carvalho, que o Sporting só sabe ganhar. No Restelo, mais três pontos na liga, depois de um jogo com muita polémica e no qual o vídeo-árbitro foi protagonista.

goncalo-santos
Gonçalo Santos

Custou... mas foi. Na noite deste domingo, o Sporting foi vencer ao terreno do Belenenses, por 3-4, em jogo válido pela 30ª jornada do campeonato português. E que jogo.

Numa partida com sete golos marcados, o vídeo-árbitro desempenhou um papel fundamental na definição do resultado. E nem mesmo o auxílio às novas tecnologias afastou a polémica do desafio do Restelo. A controvérsia, de resto, esteve presente desde o primeiro ao último apito do árbitro Bruno Paixão.

Logo aos 7 minutos de jogo, Licá apareceu com espaço na área leonina, disparou com força, mas permitiu a defesa incompleta de Rui Patrício. Na tentativa de agarrar a bola, o guarda-redes carregou Yazalde em falta e, depois de receber indicações da equipa por detrás do VAR, o árbitro assinou a grande penalidade.

Na conversão, Yebda não desperdiçou a oportunidade de colocar os azuis do Restelo na frente do marcador. Mas a festa dos da casa seria sol de pouca dura.

É que, pouco depois, aos 12', Bas Dost recebeu um passe fantástico de Bruno Fernandes, que estava muitos metros atrás do holandês, e o avançado chutou rasteiro para restabelecer a igualdade no desafio. A bola ainda bateu no poste antes de entrar na baliza de André Moreira.

Mas os leões não se ficaram por aqui, já que conseguiram mesmo confirmar a 'cambalhota' no marcador instantes mais tarde, e novamente com Bruno Fernandes como protagonista. O médio ganhou metros com a bola em seu poder, ofereceu-a a Gelson Martins, e o extremo fez balançar as redes do Belenenses para colocar a sua equipa na frente, pela primeira vez nesta noite, com um remate cruzado.

Era uma excelente reação da equipa de Jorge Jesus ao golo madrugador do Belém, que aparentava não ter abalado a confiança da turma verde e branca.

Embalado pela reviravolta, o Sporting não tirou o pé de acelerador e foi jogando sempre próximo da baliza do conjunto da casa. Até que, em cima do intervalo, aos 41', chegou mesmo aquele que parecia ser o golo da tranquilidade para os verde e brancos. Stefan Ristovski cruzou para a área azul, Marcos Acuña recebeu a bola e, com uma finalização de qualidade, apontou o 1-3.

O Belenenses, contudo, ficou a queixar-se de uma mão na bola do macedónio no início do lance. Bruno Paixão recorreu ao vídeo-árbitro, mas validou o golo.

Ao intervalo, Jesus tirou Fábio Coentrão, que estava a contas com problemas físicos, e lançou o brasileiro Wendel no jogo, ele que tinha sido titular na última jornada da Liga NOS, na receção ao Paços de Ferreira. Acuña desceu no terreno e passou a desempenhar a função de lateral esquerdo.

O técnico verde e branco pretendia fechar as portas da sua baliza, e, ao mesmo tempo, ter maior capacidade de retenção da posse da bola com a entrada do ex-Fluminense, e o plano até começou por correr bem.

O ritmo do futebol praticado no relvado do Restelo diminui drasticamente, sobretudo em comparação com os fluídos primeiros 45 minutos que se jogaram em Belém, e era o Sporting que beneficiava com isso. Mas o conjunto comandado por Silas também demonstrou saber reagir às adversidades.

Aos 65', Fredy realizou um passe espectacular de calcanhar para Florent, que ganhou a linha e cruzou rasteiro para Licá; o português, que já tinha estado em evidência no lance do primeiro golo, fez o gosto ao pé e encurtou distâncias (2-3).

Logo a seguir, aos 70', Acuña parou Licá (outra vez Licá...) na área de Patrício, e o árbitro voltou a apontar para a marcar dos onzes metros. Desta vez, foi Fredy que ficou  com a responsabilidade de fazer o golo. O angolano não defraudou as expectativas e voltou a deixar tudo empatado no marcador, apontando o 3-3.

A sorte do jogo, contudo, acabou por sorrir aos homens de Alvalade. E com o VAR novamente em destaque. Na sequência de um pontapé de canto, Bas Dost caiu na área azul, após contacto com Yebda. Alguns segundos depois, Bruno Paixão mandou parar o encontro para visualizar as imagens do vídeo-árbitro. Concluída a consulta, voltou a assinalar penálti, o terceiro do desafio e o primeiro para o Sporting.

O médio argelino viu o segundo cartão amarelo e o consequente vermelho, acabando expulso. Demorou uma eternidade a abandonar o relvado e ainda tentou assistir à marcação da grande penalidade atrás da baliza de André Moreira, de joelhos. Mas o juiz da partida, naturalmente, não deixou, uma vez que o futebolista não estava autorizado a estar ali depois de ter recebido ordem de expulsão.

Mas Yebda mais não fez do que adiar os festejos leoninos. Na conversão do pénalti, e com a possibilidade de dar o triunfo ao Sporting, Bruno Fernandes não tremeu e apontou o 3-4 final.

Depois do último apito de Bruno Paixão no Restelo, houve tempo ainda para o central Vincent Sasso, do Belenenses, ser expulso. O defesa francês dirigiu palavras pouco simpáticas ao árbitro e viu o vermelho direto.

Graças a mais esta vitória - a segunda consecutiva na liga - os leões passaram a somar 71 pontos na tabela classificativa do campeonato português, mais três que o Sporting de Braga, que está a ameaçar roubar o último lugar do pódio à equipa de Jorge Jesus.

Vale ainda realçar que, com o triunfo do FC Porto no clássico deste domingo, o Sporting passou a depender somente de si mesmo para chegar ao segundo lugar e às eliminatórias da próxima Liga dos Campeões, já que se encontra a três pontos do Benfica, e ainda há dérbi em Alvalade - leões e águias têm encontro marcado para 5 de maio, na 33ª e penúltima jornada da Liga NOS.

VAVEL Logo