Benfica x Braga: Em busca da revolta minhota
Jesualdo vive crise enquanto técnico (Foto: Lusa)

O Benfica parte como favorito para o encontro da 10ª jornada do campeonato, frente ao Braga. Para além do factor casa, a equipa da Luz conta com a vantagem pontual na prova, face ao estado frágil que os minhotos atravessam. O comando de Jesualdo Ferreira procura a vitória da reviravolta, num terreno que não costuma favorecer o Braga. Ainda assim, a ausência de Rúben Amorim no meio campo benfiquista, e uma forçada mexida na equipa, podem destabilizar os pupilos de Raul José, que ocupará o lugar de Jorge Jesus no banco.

Braga promete «olhar o Benfica nos olhos»

Jesualdo Ferreira quer aproveitar a casa que tão bem conhece, para pôr fim ao mau momento que a sua equipa atravessa e que se reflecte em quatro derrotas consecutivas na liga. No seu último jogo, o Braga conseguiu arrancar uma vitória sobre os algarvios do Olhanense e avançar na Taça de Portugal, mas no campeonato as prestações da comitiva bracarense não têm sido convincentes. Para a Luz, os minhotos partem na 9ª posição do campeonato, com 12 pontos em 27 possíveis.

A bagagem para o confronto com o Benfica é pesada, mas o técnico não julga que seja decisiva. «Não fomos suficientemente bons para chegar a este jogo noutra posição. O Benfica é candidato ao título e favorito, mas queremos discutir o jogo pois só assim conseguimos discutir o resultado. Vamos olhar o Benfica nos olhos», adiantou Jesualdo em conferência de imprensa.

Na convocatória para a deslocação à capital, o treinador optou por fazer ressurgir o médio Vukcevic, que tem estado ausente dos eleitos, em detrimento de Luís Silva. Em Braga, ficarão Paulo Vinicius e Milijkovic, a recuperar das suas lesões.

Jesus orienta ao longe

Em virtude do castigo avançado pelo Conselho de Disciplina a Jorge Jesus, esta semana, caberá ao técnico-adjunto Raul José a tarefa de orientar a equipa da casa durante os 90 minutos de jogo. Ou melhor, de receber as orientações do seu superior e tentar reflecti-las em campo. É que a punição administrada ao principal treinador não afasta a possibilidade dos dois técnicos comunicarem durante a partida, recorrendo às tecnologias. Jorge Jesus tem orientado os treinos da equipa no Seixal, pelo que Raul José não passará de um mero representante no banco benfiquista.

Também o adversário desdramatiza a ausência de Jesus junto ao terreno de jogo. Jesualdo Ferreira considera que «se Jesus jogasse faria outro tipo de análise. Depois de tantos anos no Benfica e duzentos e tal jogos isso não faz diferença». De acordo com o seu técnico está o guarda-redes Eduardo, que antevê que a «ausência do Jesus do banco não será uma vantagem porque os jogadores do Benfica sabem bem o que ele pretende».

A problemática ausência de Amorim

Se a ausência de Jorge Jesus parece não abalar a harmonia na Luz, existe outra baixa que se poderá revelar mais preocupante: a de Rúben Amorim. O médio está afastado pela lesão no joelho, contraída no jogo frente ao Sporting para a Taça de Portugal, pelo que não poderá ocupar o seu lugar no lado direito do meio-campo.

A problemática encarnada não está somente em escolher o substituto ao português, que recentemente voltou a conquistar a titularidade junto de Jorge Jesus, mas também na adaptação do modelo de jogo, que recentemente parecia fazer renascer a equipa. Nas últimas partidas, o Benfica apresentou-se em 4x3x3, integrando Rúben Amorim com Matic e Enzo-Pérez no meio campo, equação que melhorou significativamente as prestações encarnadas, frente à Académica, Olympiakos e Sporting.

Sem este trio no centro, Jesus poderá optar por mexer novamente na táctica a apresentar frente ao Braga ou, em alternativa, fazer uma simples substituição no lado-direito, com Fejsa, Djuric e André Gomes à disposição. Também no sector mais recuado, poderá ocorrer uma mudança: Maxi Pereira integrou a equipa no final da semana, após representação na selecção do Uruguai, pelo que se adivinha que André Almeida ocupe o seu lugar.

Encontro entre velhos conhecidos

Este será o 115º jogo que Benfica e Braga disputam no campeonato português. No histórico de confrontos, o Benfica detém a marca de 74 partidas em que obteve os 3 pontos. Já o Braga apenas ganhou por 11. Se analisarmos apenas as partidas disputadas na Luz, o cenário dos minhotos agrava-se, dado que apenas por uma vez conseguiram vencer no terreno adversário. O Benfica recebeu e venceu o Braga em 44 ocasiões.

Na passada temporada, o duelo Benfica-Braga inaugurou o campeonato, a 18 de Agosto de 2012. Num jogo marcado por protestos à equipa de arbitragem, as equipas empataram a duas bolas, com golos de Sálvio e Cardozo, para o Benfica, e de Melgarejo (autogolo) e Mossoró para o Braga.

Quando às 18:45 for dado o apito inicial, pelo árbitro Nuno Almeida, lisboetas e minhotos procurarão a vitória entre velhos conhecidos. Jesualdo já treinou o Benfica e Jesus o Braga. Artur e Eduardo já tiveram de balizas trocadas. Rúben Amorim (embora lesionado), Sílvio e Lima já representaram os bracarenses.

Onze Provável do Benfica

Onze Provável do Braga

VAVEL Logo