Último teste será... isso mesmo
Portugal vai partir para o Brasil com Ronaldo a capitanear a embarcação

A menos de uma semana do encontro de estreia no Mundial 2014, seria estranho ou até pejorativo pensar que o encontro frente à República da Irlanda poderia ter para a Selecção Nacional qualquer outro interesse que não apenas o de aferir o estado de forma de todos aqueles que neste momento fazem parte das opções de Paulo Bento.

Como tal, e depois dos particulares ante Grécia e México, a Irlanda surgirá como um teste final para os vários sectores da equipa, podendo dizer-se que o bom senso mandaria numa fase inicial desta partida não alterar o que de bom tem sido feito pela equipa, nomeadamente em termos defensivos.

Assim seria expectável que a parceria estabelecida pelo guardião Eduardo e o quarteto formado por João Pereira, Luís Neto, Bruno Alves e André Almeida, que tão boa conta de si deu contra o México, não fosse alterada. No entanto, o técnico nacional pretenderá ver em acção jogadores como Rui Patrício, que ainda não foi utilizado no estágio, ou Fábio Coentrão, que no encontro anterior actuou no meio-campo e deverá ainda ter acção como lateral…

Poderá ser testada uma equipa bastante próxima daquela que enfrentará a Alemanha

Para já fazer uma previsão em relação ao futuro de Paulo Bento é impossível visto que dependerá como qualquer outro treinador dos resultados, que neste caso surgirão, ou não, pela capacidade que o meio-campo nacional venha a demonstrar. Uma vez que Raul Meireles demora a obter a sua melhor condição física e Miguel Veloso e João Moutinho serão nomes certos na equipa titular, o conjunto irlandês poderia representar uma boa oportunidade, quem sabe, para testar o jovem Rafa enquanto 10.

Passando ao ataque, este será a prova pela qual Bento não demonstrou pressa em revelar a convocatória para o Mundial, dado que as dúvidas em relação aos integrantes da equipa titular para o encontro ante a Alemanha serão ainda bastantes.

Com Cristiano Ronaldo ainda poupado, o ataque deverá ser entregue a Varela, Éder e Nani

Sabendo-se que Cristiano Ronaldo recuperou recentemente de problemas físicos e certamente será poupado para o confronto ante os germânicos, as probabilidades apontam para que Silvestre Varela venha a ocupar o seu posto perante o adversário que viaja desde as Ilhas Britânicas.

Ficou o seleccionador nacional conhecido pela sua abordagem ainda pouco clara em relação à chamada de jogadores naturalizados. Curiosamente, frente à Rep.Irlanda, e provavelmente frente à Alemanha, os dois restantes postos no ataque serão compostos por dois jogadores que por terem nascido em países dos PALOP se encontram também abrangidos por essa situação.

São esses os casos de Nani, natural de Cabo Verde, e muito possivelmente Éder, oriundo da Guiné-Bissau, como ponta-de-lança face ao que tem demonstrado nos últimos compromissos numa convocatória que, diz o próprio Paulo Bento, “baseia-se apenas em questões técnico-tácticas” que o Mundial apresentará a cada jogo.

 

VAVEL Logo