Após marcar na vitória sobre o Inter, Mateus Gonçalves já pensa no Fortaleza
Atacante prometeu novo visual para o Clássico-Rei diante do Fortaleza (Foto:Reprodução/Ceará SC)

Talismã. Alguns jogadores apresentam tal alcunha ao longo de suas carreiras. Este talvez seja o caso do atacante Mateus Gonçalves. Mesmo iniciando no banco de reservas, o avante tem sido peça importante no Ceará. Após ter marcado na vitória do Vovô contra o Fluminense, o jogador desfalcou a equipe cearense ante o Palmeiras em função de uma conjuntivite.

Na noite da última quinta-feira (7), no duelo perante a equipe do Internacional, na Arena Castelão, novamente à disposição do técnico Adilson Batista, o atacante foi a campo aos 13 minutos do segundo tempo na vaga de Thiago Galhardo, autor do primeiro gol alvinegro no triunfo diante dos gaúchos por 2 a 0.  Gonçalves não decepcionou. Aos 41 minutos, após inacreditável falha de Rodrigo Lindoso, o atacante fez o segundo tento dos mandantes e sacramentou a importante vitória.  

Com 36 pontos na 13ª colocação, o Alvinegro de Porangabuçu está na zona de classificação para a Sul-Americana e abre distância de três pontos para o Botafogo, que abre o Z-4. A campanha é praticamente idêntica a do rival Fortaleza. O Vovô só está na frente do Leão pelo critério do saldo de gols. O Clássico-Rei já começou. 

Na saída de campo, Mateus Gonçalves comentou sobre a importância dos três pontos ante o Colorado e tratou de projetar o duelo do próximo domingo (10), diante do Fortaleza, às 19h, na Arena Castelão. A partida será válida pela 32ª rodada. 

"Uma vitória muito importante nessa luta contra o rebaixamento para podermos distanciar e alcançar o nosso objetivo mais rápido possível. Agora é pensar no clássico, jogo difícil e clássico costumo dizer que a gente não joga, a gente tem que ganhar. Então é concentrar porque domingo tem mais. Esperamos um jogo difícil, é clássico, mas vamos nos concentrar ao máximo para fazer uma excelente partida”, disse. 

O atacante aproveitou a oportunidade para rasgar elogios a Adilson Batista e ressaltou o fato de o técnico ter sido ex-jogador de futebol.

"Com todo respeito, só do Adílson ter jogado futebol ele está a frente dos outros. Ele é paizão, pensa em todo mundo, conversa e isso é bom. Precisamos de afeto, de carinho e uma das qualidades do Adílson é essa, ele está sempre observando”, explicou.

Por fim, o mineiro de 25 anos comentou sobre a reserva, foco nos treinamentos para retomar confiança e prometeu novo visual para o Clássico-Rei do próximo domingo. 

“Se falar que estou satisfeito na reserva...não estou, mas tento aproveitar minhas oportunidades. Se puder, quero jogar todo jogo. Um gol dá confiança, nesse jogo eu tinha confiança. Treinamos bastante finalização, treinei com a comissão técnica e a jogada foi quase a mesma do treino. Mudei o visual e no clássico vem mais surpresa por aí", finalizou Gonçalves. 

A palavra do comandante

Tendo estreado pelo alvinegro dia 6 de outubro, na derrota para o Goiás por 1 a 0, no Castelão, Adilson Batista acumula nove partidas em 30 dias. Sem semanas livres para treinamentos, o técnico levou o time às vitórias contra Avaí, Bahia, Fluminense e Internacional; empatou ante o Vasco e foi derrotado por Goiás, Grêmio, Santos e Palmeiras

Na coletiva pós-jogo, o técnico paranaense discorreu acerca da dificuldade da partida e exaltou o famigerado "saber sofrer" tão falado no futebol brasileiro em diversos momentos. 

"Foi uma partida difícil como esperávamos. Tenho o maior respeito pelo Inter porque me abriram as portas quando eu vinha de lesões. Nós tivemos dificuldades no início porque erramos passes, faltou inversão, faltou encurtar. Fomos felizes com o gol, tivemos inteligência para sofrer um pouco. O importante era vencer, mesmo sofrendo. Tenho que parabenizar os atletas, os torcedores. Tivemos dificuldades no segundo tempo com os jogadores com dor e eles se sacrificaram”, analisou. 

Sobre a forte sequência de partidas, o técnico lamentou o fato de ainda não ter tido semanas livres para treinar e observou as longas distâncias geográficas percorridas por equipes do Norte e Nordeste.

"Lamento, nestes 30 dias, não ter a semana cheia (para treino). É onde você corrige, é onde você vê a cara do seu time. Mas estou tranquilo com o ambiente que eu tenho. Vejo empatia, respeito e profissionalismo. Trabalhei no Paysandu, no América/RN, no Sport. Sei o desgaste que é trabalhar no Norte e no Nordeste. Às vezes as pessoas precisam compreender isso, a cabeça quer mas a perna não atende. O campeonato está em aberto. Lá embaixo (no Z-4) está uma briga e temos que ter atenção e valorizar o que foi feito. Criamos situações de perigo, tivemos desgaste, lesões, e eles suportaram. Tenho que agradecê-los (jogadores) por isso”, pontuou. 

Adilson terá dores de cabeça para escalar o time que enfrentará o Fortaleza. O meio-campista Pedro Ken e o atacante Bergson levaram o terceiro cartão amarelo e cumprirão suspensão automática. O zagueiro Luiz Otávio saiu com desgaste muscular e já iniciou tratamento visando o clássico, além do volante William Oliveira, substituído logo aos 11 minutos da etapa inicial por lesão. 

O elenco se reapresenta nesta sexta-feira (8), no período da tarde, no CT de Porangabuçu. 

Partidas restantes do Ceará: Fortaleza (fora); Chapecoense (fora); São Paulo (casa); Flamengo (fora); Athletico-PR (casa); Corinthians (casa) e Botafogo (fora). 

MEDIA: 5VOTES: 2
VAVEL Logo