Atlético-MG sai na frente, cede empate ao Emelec e perde pênalti nas oitavas da Libertadores
Foto: Pedro Souza/Atlético

Na noite desta terça-feira (28), o Atlético-MG enfrentou o Emelec-EQU – que não jogava há um mês – no Estádio George Campwell, em Guayaquil, onde empataram por 1 a 1. A partida era válida pelo jogo de ida das oitavas de final da Copa Libertadores, e teve de tudo, penalidades, expulsão e muitos gols perdidos. Ademir abriu o placar para o Galo, no primeiro tempo. Rodrigues, de pênalti, deixou tudo igual na segunda etapa.

Susto, equilíbrio e domínio alvinegro

Primeiros minutos com bastante pressão dos equatorianos. Aproveitando o fator casa e o fogo do seu torcedor logo no início de partida, os donos da casa chegaram a dar dois sustos no comecinho do jogo, mas em seguida o Galo começou a se equilibrar na partida, chegando a uma ótima finalização, cortada pelo goleiro. A forma de jogo apresentada pelas equipes eram completamente opostas. Enquanto os donos da casa buscavam mais o jogo, de maneira agressiva, os alvinegros esperavam pacientemente o momento do bote. Em uma bela oportunidade e troca de passes entre Hulk e Nacho, Ademir é acionado por dentro da defesa e bate firme no canto do goleiro, abrindo o placar no Equador.

Depois do gol, o Emelec acabou ficando um pouco mais retraído e o alvinegro segurando e usando melhor a posse de bola, inclusive, o seu momento no jogo. Próximo dos 20 da etapa inicial, numa sobra, depois de Nathan Silva afastar, Hulk dominou dentro da área e bateu cruzado. No entanto, a bola saiu beijando a trave e foi para fora. Os mineiros parecem ter ficado um pouco mais à vontade, se comparado com o início da partida, o que acabou aliviando temporariamente um enorme peso das costas e deixou a equipe mais leve dentro de campo. O adversário demonstrava bastante ansiedade e nervosismo, tendo grandes problemas para se manter no campo de ataque e trocar passes. 

Aos 40, o Atlético caiu um pouco de rendimento, e mesmo assim, criou boas chances de marcar o segundo gol, mas desperdiçou de maneira infantil. Com isso, acabou levando o Emelec de volta ao seu campo de defesa e passando por sufoco sem necessidade. Pouco tempo depois, novo susto. Desta vez Jackson recebeu nas costas da defesa e bateu cruzado, a bola explodiu na trave. 

O Galo dominava o primeiro tempo, mas não se impunha. Buscava o segundo gol, mas sem tanta vontade, pouca atitude. Parecia mais querer segurar do que buscar matar o jogo e isso levou ao crescimento do adversário em diversas ocasiões, se safando do empate por sorte. Pouco mais adiante, o árbitro apitou o fim da primeira etapa.

Vacilo, infantilidade e desperdício

Com o retorno da partida para o segunda etapa, o Emelec se fez mais agressivo e com uma postura mais firme para impedir as subidas alvinegras. Com pouco menos de dez minutos, trombada na área e o lance seguiu, Hulk saiu no ataque e deixou Ademir cara a cara com o goleiro, que desperdiçou. Na parada, a arbitragem foi chamada pelo VAR para revisão, e sem muita demora, assinalou a penalidade para o Emelec. Nathan Silva, que subiu de braços abertos, recebeu amarelo. Na cobrança, Rodrigues bateu alto no canto e empatou a partida. A resposta quase veio na sequência, na batida de Hulk de fora da área, mas a bola subiu demais.

Com a partida entrando no segundo terço, mais um lance para checagem do VAR após a defesa equatoriana parar o contra-ataque alvinegro. Na checagem, Allan acertou com o cotovelo o rosto do adversário e recebeu o vermelho direto, aos 22 do segundo tempo. Jackson, que incitou todo esse clima, recebeu apenas amarelo. O jogo que estava nas mãos do Galo, passou a ficar dramático, tenso e aquele sentimento de vitória, começou a se transformar em empate e possivelmente derrota. O Atlético mesmo nessa turbulência quase só colocou a frente mais uma vez, com Ademir, após ótimo passe de Hulk. No entanto, ajeitou demais e na finalização, bateu por cima do gol.

Depois da expulsão de Allan, a maneira de jogo das duas equipes se modificou bastante e os donos da casa passaram a controlar a partida e oferecer grande perigo, com chegadas de Vera e Zapata, quase virando o jogo. Pouco depois, o camisa 7 alvinegro, em ótima jogada, conseguiu deixar o marcador para trás e perdeu para o goleiro, que fez uma defesa milagrosa. Na reta final, Hulk foi puxado pela camisa na cara do árbitro, que não titubeou e com convicção, marcou a penalidade máxima e deferiu o cartão amarelo para o defensor equatoriano. Hulk foi para a cobrança e bateu no canto esquerdo do goleiro, mas bem preparado, Pedro Ortíz buscou e jogou para escanteio. Perdeu a chance de ouro, a equipe mineira, chegando nos acréscimos.

Próximo confronto

A partida de volta, contra o Emelec-EQU, acontece na terça-feira (5), no Mineirão, em Belo Horizonte, às 19h15. Inclusive, o Galo não poderá contar com Allan, expulso no jogo desta noite, que cumprirá suspensão automática. 

VAVEL Logo