Guia VAVEL Copa do Mundo 2018: Austrália
Arte: VAVEL

Guia VAVEL Copa do Mundo 2018: Austrália

Em sua quinta participação em Copas, a Austrália busca na experiência do plantel, avançar para a fase final, algo que não ocorre desde 2006

ygor-moreira
Ygor Henriques Moreira

Liderada por Tim Cahill, a Austrália chegará ao mundial sendo a campeã do continente Asiático, mas com o técnico Bert van Marwijk, vice-campeão do mundo com a Holanda em 2010, sendo anunciado como comandante apenas em janeiro deste ano.

A seleção sofreu nas eliminatórias da Ásia nas mãos do antecessor Ange Postecoglou, terminando em terceiro no grupo de Japão e Arábia Saudita, ficando com a vaga na repescagem asiática contra a Síria.

No embate diante da Síria, a Austrália sofreu grande pressão e por pouco não fica de fora do Mundial, vencendo apenas na prorrogação com gol de Cahill por 2 a 1. Assim, teve a oportunidade de enfrentar Honduras na repescagem da Ásia-CONCACAF. Após um empate por 0 a 0 em San Pedro Sula, os Soccerros conquistaram a vaga para sua quarta copa seguida, vencendo em Sydney por 3 a 1.

Expectativa

A Austrália chegará ao Mundial sendo uma das seleções com a média de idade mais elevadas. Apesar da experiência, a Austrália levará o jogador mais jovem da competição, o meia-atacante Daniel Arzani, com 19 anos.

O meio do campo é a posição com mais peças interessantes para uso na copa. Aaron Mooy foi muito bem com o Huddersfield na Premier League na última temporada e ao lado de Mile Jedinak, do Aston Villa, formam a parte defensiva. Já no meio ofensivo, Rogic, Luongo e Irvine vão disputar vaga no time titular.

Seus últimos amistosos antes da copa foram de bons resultados, com vitórias contra República Tcheca e Hungria, além do empate com a forte Colômbia em Londres. Acabou sorteada no Grupo C, ao lado da favorita França, da tática Dinamarca e do Peru.

Em comparação ao Mundial de 2014, quando enfrentou Espanha, Holanda e Chile, desta vez caiu em um grupo menos complicado, tendo chances de ir mais longe, para apagar da lembrança seus dois últimos desempenhos na competição.

Os convocados de Bert van Marwijk

O técnico van Marwijk não teve problemas no plantel por lesão. Em comparação a seleção que disputou a Copa do Mundo no Brasil, apenas seis atletas foram convocados em 2018: Mathew Ryan, Mark Milligan, Massimo Luongo, Mile Jedinak, Tim Cahill e Mathew Leckie.

James Troisi, que atuou 37 vezes pela seleção e que marcou o gol na final da Copa da Ásia 2015 contra a Coréia do Sul e atuou também na Copa das Confederações 2017, ficou de fora por opção técnica, sendo a única ausência mais relevante na lista final.

Goleiros - Mathew Ryan (Brighton & Hove Albion), Brad Jones (Feyenoord) e Danny Vukovic (Genk);

Defensores – Milos Degenek (Yokohama Marinos), James Meredith (Millwall), Matthew Jurman (Suwon), Aziz Behich (Bursaspor), Josh Risdon (Western Sydney) e Trent Sainsbury (Grasshopper);

Meias – Mark Milligan (Al-Ahli), Massimo Luongo (QPR), Aaron Mooy (Huddersfield Town), Mile Jedinak (Aston Villa), Daniel Arzani (Melbourne City), Dimitri Petratos (Newcastle Jets), Jackson Irvine (Hull City) e Tom Rogic (Celtic);

Atacantes – Tim Cahill (Sem time), Mathew Leckie (Hertha Berlin), Tomi Juric (Luzern), Robbie Kruse (Bochum), Andrew Nabbout (Urawa Red) e Jamie Maclaren (Darmstadt).

Destaques

Tim Cahill

O Camisa 4 em sua 4ª aparição em Copas do Mundo (Fonte: Getty Images)
O Camisa 4 em sua quarta aparição em Copas do Mundo (Foto: Getty Images)

O camisa 4 é simplesmente o maior artilheiro da história da seleção, com 50 gols, além de ser o segundo jogador que mais vestiu a camisa da Austrália na história, com 106 jogos. Se fizer os três jogos na Copa do Mundo 2018, o jogador do empatará com o goleiro Mark Schwarzer, que defendeu a seleção por 109 jogos.

Cahill chegará ao seu quarto mundial, tendo feito cinco gols em três edições diferentes. Na vitória contra o Japão em 2006, marcou o primeiro gol do país na história dos mundiais. Em 2015, foi campeão da Copa da Ásia pela Austrália.

Tim está se despedindo da carreira na copa e atualmente é reserva da seleção. Jogou apenas dez jogos e não fez nenhum gol pelo Millwall na última temporada, mas é vital na seleção, marcando os dois gols contra a Síria na primeira repescagem da Austrália para a Copa do Mundo 2018.

Mile Jedinak

Jedinak convertendo pênalti diante de Honduras na repescagem (Fonte: Getty Imagem)
Jedinak convertendo pênalti diante da Honduras na repescagem (Foto: Getty Images)

Jedinak é o capitão da equipe desde 2014, após a aposentadoria de Mark Schwarzer. É o 10º jogador que mais atuou pela seleção australiana, com 76 jogos, marcando 18 gols, ocupando também a décima colocação no quesito artilharia.

O jogador do Aston Villa levantou a taça da Copa da Ásia em 2015 e foi extremamente importante na classificação da Austrália para a Copa do Mundo 2018, fazendo três gols na seleção de Honduras, no segundo jogo da repescagem.

Disputará seu terceiro mundial e é notado por ser um bom finalizador na bola parada, além da garra em suas divididas.

Fique de olho: Tom Rogic

Rogic em ação no amistoso contra a Colômbia em Londres (Fonte: Getty Imagem)
Rogic em ação no amistoso contra a Colômbia em Londres (Foto: GettyImages)

O meia-atacante Tom Rogic, de 1,89m, foi o artilheiro da Austrália nas eliminatórias da Ásia com cinco gols. Um dado curioso, é que Rogic disputou em 2010 a Copa da Ásia de futsal, marcando seis gols.

Estreou na seleção de campo em 2012 e marcou sete gols em 37 partidas.

Rogic atua no Celtic e conquistou três títulos da Scottish Premiership e três títulos da Scottish Cup, sendo peça chave do clube Escocês. É um bom organizador de jogadas e grande finalizador, podendo ser um trunfo da Austrália na copa.

Técnico: Bert van Marwijk

van Markwijk em entrevista coletiva anunciando os convocados (Fonte: Getty Images)
van Markwijk convocando os jogadores em Maio (Fonte:Getty Images)

O holandês Bert van Markwijk chegou ao cargo de técnico da Austrália apenas em janeiro, substituindo Ange Postecoglou, que pediu demissão no fim de 2017. O curioso é que van Markwijk levou a Arábia Saudita para a Copa, que estava no mesmo grupo da Austrália nas Eliminatórias Asiáticas.

O técnico vai para sua segunda copa como técnico, sendo vice-campeão na primeira, em 2010, com a Holanda. É um técnico bastante conservador e que focará no jogo aéreo, que é a jogada mais forte da Austrália. Não tendo muito tempo para trabalhar, resta saber como será o desempenho da Austrália na Rússia.

Campanha na última copa

Ryan McGowan(19) lamenta o gol da Holanda na Copa do Mundo 2014 (Fonte: Getty Imagem)
Ryan McGowan(19) lamenta o gol da Holanda na derrota australiana por 3 a 2 em Porto Alegre (Foto: Getty Images)

Na Copa do Mundo 2014, a Austrália caiu no grupo da morte, o B, ao lado da Espanha, Chile e Holanda. A seleção foi derrotada nos três jogos do seu grupo, terminando a Copa com a pior campanha entre os 32 participantes.

Na estréia contra o Chile, em Cuiabá, a seleção levou dois gols em menos de quinze minutos, chegou a descontar no primeiro tempo com Cahill, mas no fim do jogo sofreu o terceiro gol, marcado por Beausejour: 3 a 1.

No segundo jogo, a melhor atuação. Após novamente sofrer gol no início do jogo, a Austrália chegou a virar o jogo no Beira-Rio contra a Holanda, mas em seguida sofreu com Van Persie e Depay, virando a partida e sacramentando a eliminação da Austrália. No jogo dos eliminados, contra a Espanha, na Arena da Baixada, a seleção foi derrotada por 3 a 0.

Apesar da eliminação precoce, a Austrália de Ange Postecoglou mostrou um futebol interessante, de intensidade, mas que não conseguiu bater de frente com seleções mais fortes que ela no grupo.

VAVEL Logo

Futebol Internacional Notícias

há 3 dias
há 4 dias
há 6 dias
há 6 dias
há 7 dias
há 7 dias
há 7 dias
há 7 dias
há 8 dias
há 8 dias
há 10 dias