Após estrear no Coritiba com vitória, Jorginho explica suas táticas para levantar equipe
Foto: Divulgação / Coritiba FC

Com a estreia de Jorginho sob o comando do Coritiba, a equipe da capital paranaense venceu o Sport em casa, no Couto Pereira, por 1 a 0, neste domingo (30), pela 6ª rodada do Campeonato Brasileiro Série A. Com os três pontos garantidos, o Coxa se afasta da zona de rebaixamento. 

O técnico Jorginho iniciou a entrevista coletiva avaliando o seu breve trabalho, já que chegou após a demissão de Eduardo Barroca, além de ressaltar quais são as expectativas e possíveis mudanças dentro de campo daqui para a frente.

"Não tenho dúvida que foi um jogo muito difícil, até mesmo pela posição das duas equipes na tabela do Campeonato Brasileiro. Duas equipes buscando sair dessa zona de rebaixamento. Eu procurei dentro destes dias de trabalho colocar pelo menos algumas ideias daquilo que eu penso para a equipe nos próximos jogos. Eu vi que jogamos muito com os laterais por dentro e gosto que eles joguem por fora, principalmente o William Matheus, que é um jogador que tem muita capacidade e eu dou toda a liberdade. A situação do Patrick, que tem um excelente cruzamento, principalmente porque temos Sassá e Robson, o Neilton por trás. Procuramos organizar a equipe fazendo com que os nossos segundos volantes, desde o início, pudessem quebrar estas linhas por dentro com um bom passe".

O salvador da pátria curitibana

Ele também falou sobre a partida e disse que o time estava muito desorganizado antes de ele chegar à Curitiba.

"Fomos lentos principalmente no primeiro tempo, na troca de passes, porque acabamos confundindo a questão da paciência, o que eu acho que é uma diferença muito clara que eu vou conseguir com o tempo implantar aqui.  Podemos ser rápidos, mas também prudentes e trabalhar essa bola a mais de um lado e do outro. Estávamos jogando um futebol muito vertical. A equipe estava completamente desorganizada defensivamente. Uma equipe forte e que precisa lutar para sair dessa zona de rebaixamento e se manter do meio da tabela para cima precisa ser muito forte na defesa, meio campo e ataque. Precisa existir um equilíbrio, o que não quer dizer você jogar defensivo, não é isso. Enfrentamos um Sport com sangue nos olhos. Vieram para o jogo da vida, para conseguir um ponto. Estava difícil de jogar realmente por dentro, estávamos sendo bem felizes principalmente quando quebrávamos essa linha por fora, tanto com William Matheus como do lado direito. Foi um jogo difícil, mas o mais importante nesse momento é a vitória e os três pontos. Quando tivermos mais tempo, a gente pode trabalhar a nossa equipe para cada vez mais ela ser mais equilibrada nos três setores do campo".

Mesmo com a vitória, houve falhas contra o Sport

Questionado, o treinador realizou uma breve análise tática sobre as principais falhas apresentadas em campo e os setores em necessidades a serem trabalhados.

"Precisávamos realmente ter um jogo eficiente que nos desse os três pontos. Enfrentamos uma equipe muito fechada, que basicamente iniciou com a marcação em um 4-4-2 e que passou para um 4-5-1 porque não queriam de forma nenhuma tomar essa bola por dentro, as quebras de linha por dentro. Tivemos essa dificuldade, erramos muito no primeiro tempo, os passes principalmente com troca rápidas ou então uma virada de jogo de um lado para o outro. Eu acredito que tivemos mais oportunidades."

"Precisa chutar ao gol e arriscar. Se não conseguir quebrar por dentro precisa chegar na linha de fundo e chegamos muitas vezes. Chegamos com um volume muito grande principalmente pelo lado esquerdo com o William Matheus para alcançar um chute a gol e uma cabeçada. Com o tempo vamos trabalhando, mostrando para os jogadores as deficiências que precisam ser corrigidas. Me agradou muito a coragem da equipe, inclusive a persistência em casa".

Já sobre o seu retorno ao clube no momento atual com a pandemia do coronavírus, Jorginho garante sentir falta do 'antigo' ambiente com torcedores no estádio. 

"É um sentimento ao mesmo tempo de muita alegria mas estranho. Quando você pensa que a pressão é grande quando tem a torcida, mas poxa vida, sem a torcida fica algo tão diferente. Ainda preciso me acostumar. O que eu achei maravilhoso é que em nenhum momento isso interferiu na entrega dos jogadores porque a gente sabe o quanto a torcida consegue motivar o jogador. Aquele jogador que está ainda um pouco inseguro consegue a força do seu torcedor. Foi um sentimento bem diferente um do outro, da minha alegria, do meu retorno de saber que eu estou em um clube que eu não gostaria de ter saído".

Com a vitória, o Coritiba ocupa a 14ª posição, com seis pontos. Pela sétima rodada do Brasileirão Série A, visita o Botafogo, no Engenhão, na quarta-feira (02), às 20h30 (horário de Brasília).

VAVEL Logo